PIXY debuta com… um cover do BLACKPINK em “Wings”

Novo debut na área! PIXY lançou hoje seu primeiro single “Wings” e tem como curiosidades: 1) Ser um grupo de nugus onde metade da formação ser de ex-integrantes de outros grupos nugus (Tem ex-Girls Alert, ex-SUPA e, sendo a mais relevante, a ex-líder do Cherry Bullet nesse grupo) e 2) Botar seu debut no mesmo canal onde grupos de B-pop como EVE, Paradyzo e All G se divulgam no Youtube. Mas “Wings” é boa mesmo ou podemos botar na mesma caixinha de debuts questionáveis com o TRI.BE esse ano?

…Bem, tá meio que a segunda opção. Curti muito a intro invocando alguma maldição safadíssima e entendi a ideia de ser uma música mais trevosa. Pelo que li nos outros bloguinhos de fundo de quintal e na descrição do Melon, o PIXY é formado por “fadas que nasceram sem asas” e, nesse primeiro single, elas vão atrás de uma bruxa para tentar obter suas asinhas, então parece que vai ser parte do grupo entregar esses números mais dark e intensos, o que numa primeira impressão parece uma ideia promissora e fora do comum se tratando de girlgroups.

O problema é que a intro passa e “Wings”, de alguma forma, vira um bate estaca do BLACKPINK tão fiel que parece até uma versão mais pobrinha do que eu já vi em DDU-DU DDU-DU/Kill This Love/How You Like That. A atitude de fodona tá ali, aquele monte de versos falados estão ali, a construção de pré-refrão ótimo com um drop broxante de refrão está ali também (Mas em “Wings” temos um refrão de fato e não só o drop estourando), e nada disso me remete a algo “dark” ou alguma história mais sombria. Esse hip hop/trap/batidão para arrastar cu acaba com a magia que elas tentaram passar aqui, e não é algo como, por exemplo, um bom comeback do Dreamcatcher que vai pela mesma linha de “história trágica” mas a música te leva até o objetivo. Aprecio o esforço mas, sem acompanhamento visual, “Wings” poderia ser vendida como o número fierce genérico da vez que eu mesmo teria a mesma reação.

E falando em visuais, o MV ficou bom. A gente tem uma ideia da limitação de orçamento quando a gente vê os cenários dos MVs do Loona naquela época em que a BBC tinha 100 reais para alugar locação, mas acho que eles deram conta de entregar um vídeo que combine com a historinha do grupo. Os truques de câmera, a edição, estética e efeitos, tudo é muito bem feitinho e cria um resultado legal. Não é o vídeo de estreia mais impressionante que você vai assistir, mas não é uma perda de tempo ver as gatinhas servindo carinhas mais sérias e um pouquinho de drama por 3 minutos.

“Wings” é um debut que tenta mais servir uma música de impacto do que uma música boa, emula muitas coisas que deram certo em outros grupos de uma forma não muito criativa e estreia com uma música derivativa demais para lembrar das meninas no fim do dia, com um MV que é bom mas não o suficiente para elevar o conjunto. Porém, acho que vale levar fé nesse grupo pela ideia por trás ser não tão óbvia e com a possibilidade de desenvolver muita coisa legal, só precisando de uma produção que dê mais identidade para elas não ficarem parecendo qualquer grupo cover do BLACKPINK. Se elas conseguirem isso, podemos ter um grupo nugu muito interessante vindo aí.

2 comentários em “PIXY debuta com… um cover do BLACKPINK em “Wings””

Os comentários estão encerrados.