Ayumi Hamasaki lança “MASK” e anuncia que o álbum prometido para 2022 será lançado em 2023

Ayumi Hamasaki tinha prometido um álbum novo para esse ano mas acabou ficando para 2023 mesmo. Em compensação, temos um novo single da véia na praça, “MASK”, que teve seu lançamento na última sexta e o PV lançado ontem. Aparentemente a avex está levando um pouco mais de fé nessa música pois o vídeo parece não ser bancado pela própria Ayu e dirigido por algum homossexual metido a diretor do TeamAyu como os outros dois PVs da era, só é uma pena que fizeram isso para a música mais fraca dos singles que ela lançou esse ano:

“MASK” tem a assinatura de Tetsuya Komuro na produção, um senhor que em teoria está aposentado da indústria musical desde 2018 mas todo ano a avex tira o véio da tumba para produzir alguma coisa por lá. Mas estou falando isso porque “MASK” é a cara de Tetsuya Komuro e da Ayumi Hamasaki: Uma farofa dance da virada do século com uma letra melancólica e vocais fora do tom. É uma música que poderia ser do globe ou de qualquer outro projeto do TK nos últimos 30 anos, o que é bom para quem gosta e tem um apego grande ao Jpop dos anos 90.

O problema é: Alguém deveria lançar mesmo uma produção do Tetsuya Komuro em 2022? A Ayu deveria lançar “MASK” em 2022 ou em 1999? Porque essa música é claramente uma demo de 1999 que o TK encontrou na gaveta e jogou na cabeça da véia. Eu falo isso adorando “Dreamed a Dream” até hoje e nem acho “MASK” tão abominável, mas a avex precisa parar de querer pagar a dívida de jogo dsse homem pois a) Ele está estagnado nesse mesmo EDM que não funciona a uns bons 20 anos no J-pop e b) Ele mesmo parece estar de saco cheio para produzir música, ele só muda um ou outro sintetizador e sai jogando na cabeça de qualquer J-diva por aí querendo vender nostalgia, como a Namie Amuro que chamou o véio na sua aposentadoria e lançou “How do you feel now?”

Essa era a deixa perfeita para ele aposentar (Junto com outros fatores como o escândalo de traição e o fim da era Heisei), sairia no topo e abriria espaço para outros produtores usarem o legado dele como inspiração para uma nova era de farofas dance japonesas… Mas o TK não larga o osso e tem quem o incentiva a seguir lutando, aí complica.

Eu não tenho muito o que falar de “MASK” como música pois gosto dessas farofas bagaceiras dos anos 90 que o J-pop solta na minha cara a cada 15 dias e simpatizo muito com Ayuzão e a voz totalmente fora de tom a ponto de simpatizar pela música em si. Se duvidar eu ainda coloco na segunda parte do meu Top 100 de fim de ano porque eu sou uma senhora de 26 anos que gosta dessas músicas bagaceiras referenciando décadas passadas, mas até pelo fator nostálgico o teamayu devia botar a mão na consciência e pensar se essas músicas recicladas do TK deveriam ver a luz do dia mesmo. Já que a Ayu não faz muita questão de se desvincilhar do título de hasbeen, que mire pelo menos em coisas como “Summer Again” e “Nonfiction” que pelo menos parecem coisas novas para ela.

Junto ao “MASK” tivemos o anúncio do décimo oitavo álbum da Ayu, sendo o primeiro de inéditas em mais de 6 anos, para o dia 25 de janeiro. O álbum terá todos os 7 singles lançados desde “Ohia no Ki” em maio de 2020 e um total de 12 músicas. Levando em conta o monte de farofas dance que ela lançou até aqui, estou curioso para ver se ela vai tentar mesmo fazer um novo COLOURS em pleno 2023. Tudo vai depender do que ela guardou como material inédito para esse ábum, talvez surpreenda com mais farofas, talvez emocione com umas baladas bem mais ou menos, talvez ela atire para todo lado e o álbum vire a coisa instável e camp que eu sempre espero de um álbum da Ayu.

Apesar de tudo, considero esse álbum uma vitória para a Ayu depois de tanto perrengue que ela passou nesses últimos anos. A mulher está quase SURDA, cancelou shows por ficar doente ano passado mas está aí, trabalhando mais que o demônio, enfiando tour atrás de tour pelo Japão, e agora lançando seu novo álbum para dar início as comemorações de 25 anos de carreira ano que vem. Por mais inconsistente e datado que o material que ela vem lançando seja nos últimos anos, Ayu é um exemplo de determinação e resiliência que eu quero seguir.

3 comentários sobre “Ayumi Hamasaki lança “MASK” e anuncia que o álbum prometido para 2022 será lançado em 2023

  1. Jesus, esse single ta visualmente incrivel – mesmo vendo que foi feito em uma sala enoooorme, mas a música realmente é fraca! Se tiver material inédito dela seria incrível, mesmo ela errando mais que acertando.

  2. A música é datada? Sim, com certeza, mas não sei oque colocaram nesse último minuto dela que ficou algo íncrivel, se refizessem a canção inteira pra ser uma power ballad daquele jeito eu comprava 100% esse trabalho mas esse refrão tá muito…. é…. precisa de no minimo 20 anos de contribuição no imposto de renda pra descer

  3. Não sei se é verdade, mas li em algum fórum que a Koda Kumi também estaria preparando um álbum novo pra 2023 (sim, mesmo já tendo lançado um este ano, que alguns “fãs” dela tentaram rivalizar com o álbum de Utada e… bom… não preciso falar como terminou, preciso?).

    Se for verdade mesmo, fica a pergunta: qual das duas vai conseguir o melhor (ou pior) número? Façam suas apostas.

Deixe uma resposta