Fatos que marcaram a década #03: Gangnam Style

Há umas duas semanas eu comecei uma série de posts relembrando momentos que foram marcantes no pop asiático nessa década (Vamos ver até quando eu consigo manter essa frequência de posts semanais aqui no blog), porém eu poderia ter começado isso com o maior highlight da música asiática para o mundo: Gangnam Style, do PSY. Então hoje vamos relembrar a música, alguns feitos e o impacto que o grande hit global do K-pop trouxe para o gênero, os fãs e a onda hallyu.

No dia 15 de julho de 2012 o cantor PSY lançava “Gangnam Style”, faixa título da 1ª parte do seu 6º álbum de estúdio “PSY 6 (Six Rules)” (Curiosidade: A parte 2 do álbum chegou a ser anunciada e incluiria versões ao vivo/remixes de suas músicas e o single “KOREA“, usado como música de suporte ao Comitê Sul Coreano nas Olimpíadas de 2012, porém nunca chegou a ser lançada). Música e MV emulavam o clima de verão que normalmente empolga e dá tom aos lançamentos na Coreia, com PSY mostrando com muito exagero e humor como aproveitar o clima e viver a vida num geral ao estilo de Gangnam. A música é um EDM característico do que a YG já vinha lançando na época. A música acabou virando uma febre na Coreia, o que foi inesperado até mesmo para o cantor que conseguiria, com a música, seu 1º #1 na Gaon (Seu peak no chart era um #4) e, de acordo com a Wikipedia, foi seu 1º hit #1 desde 2006, permanecendo no topo da Gaon por 5 semanas (Um recorde empatado com “Good Day” da IU). Mas o sucesso foi tão forte que ele, basicamente, dominou não só o verão coreano como o mundo no 2º semestre de 2012.

Os vídeos virais, obviamente, não tentam ser virais. O próprio PSY diz que a música e o MV foram pensados em conquistar os coreanos e é notável isso vendo a coreografia ou o humor tipicamente coreano, mas alguns influenciadores começam a repercutir seu vídeo como algo engraçado e divertido e isso foi influenciando as pessoas que influenciou outras pessoas que influenciou outras pessoas e por aí vai, até se tornar um fenômeno. O vídeo, que estreou com 500 mil visualizações (Algo que já era muita coisa para o cantor), passou a fazer 3 milhões de visualizações diárias depois do 1º mês, e levou pouco mais de 40 dias para ultrapassar “Gee”, do SNSD, e se tornar o vídeo de K-pop mais visto no YouTube. Reactions e paródias pipocavam ao redor do mundo e PSY estava pronto para derrubar o viral da época e principal sucesso de 2012 no mundo até então: Call Me Maybe, da Carly Rae Jepsen.

Antes de ganhar praise e ser criticamente aclamada por poczinhas forumeiras ao redor do mundo, Carly Rae foi uma febre teen no auge dos seus 26 anos.

No final de agosto PSY, no embalo do viral, foi promover a faixa nos Estados Unidos. Isso impulsionou o auge da música nos charts fora da Coreia foi entre setembro e dezembro de 2012, quando “Gangnam Style” mantinha uma média de quase 9 milhões de visualizações por dia. Para se ter uma ideia, em outubro de 2012 o vídeo registrou 277 milhões de visualizações numa época em que o YouTube era uma plataforma menor do que a que conhecemos e hoje (E ainda assim é quase improvável um vídeo fazer 277 milhões de visualizações em um mês). A música atingiu o 1º lugar nas principais paradas europeias, Austrália e Canadá e se consagrava como um dos principais hits globais.

Nos Estados Unidos, a música estreou em #64 na Billboard Hot 100 da semana do dia 22 de setembro de 2012, se tornando a 2ª música da história do K-pop a debutar no chart estadunidense (Depois de Nobody, do Wonder Girls, que conseguiu a 76ª posição em outubro de 2009). A música subia de forma meteórica, e em 2 semanas já se encontrava na 2ª posição da Hot 100, permanecendo por lá por 7 semanas. A música foi barrada por “One More Night” do Maroon 5, especialmente por conta das rádios americanas que se recusavam a tocar uma música sul coreana (enquanto Maroon 5 é uma das bandas mais radio friendly do país) e pelo YouTube não contar para o chart da Hot 100 naquela época.

Curiosamente, o Youtube (E o streaming num geral) passou a ser contabilizado na fórmula do Hot 100 em fevereiro de 2013, quando “Harlem Shake” passou a viralizar no país (Sendo noticiada como o maior viral nos Estados Unidos desde “Gangnam Style”). 

PSY bombava no mundo todo mas não era só ele que despertava a curiosidade do pessoal. HyunA, ex-4minute e atual funcionária do próprio PSY, fez uma ponta no MV do cantor e ganhava diversas notas e pessoas curiosas para saber quem era “A garotinha ruiva que conquistou o coração desse gordinho simpático de Gangnam”. Se aproveitando desse buzz, os dois lançaram uma segunda versão do hit, “Oppa Is Just My Style”, na qual Hyuna também participa da música. PSY também faz uma pequena participação em “Ice Cream”, comeback da Hyuna lançado em outubro daquele ano.

Isso acabou criando um novo gimmick para a carreira do PSY, inserindo idols femininas como suas parceiras em todos os seus comebacks desde então. Em 2013 foi a Gain (Brown Eyed Girls), em 2015 foi a CL (Ex-2NE1 e atual… ah ela tá aí né), em 2017 foi a Naeun (Apink) e, para o comeback anunciado esse ano, a idol será Suzy (Ex-Suzy A).

“Gangnam Style” foi o primeiro sucesso real do K-pop pelo mundo, o que obviamente ajudou a expandir a onda Hallyu e ganhar um nível global, mas é alvo de algumas críticas de músicos asiáticos e fãs mais antigos do pop coreano. “Gangnam Style”, nos anos seguintes, se tornava a única referência de música coreana (E asiática, até certo ponto) no mundo e muitos não gostavam de como a música coreana não era levada a sério e de como seus fãs eram ridicularizados por gostarem do “Oppa Gangnam Style” pra valer ao invés de um joke act (Kpopper nunca teve lá muita credibilidade ou um tratamento melhor que, sei lá, um otaku classe média mas depois que a febre Gangnam Style passou isso meio que desmoralizou ainda mais a fanbase com o resto do pessoal). Para diversos artistas e críticos, embora “Gangnam Style” tenha botado o K-pop no mapa, a ascensão de grupos como BTS e BLACKPINK são contribuições mais positivas para o pop coreano uma vez que eles possuem um direcionamento mais “sério” com uma mensagem mais “crítica” tirando um pouco da imagem cômica que “Gangnam Style” deixou. Mas isso nunca foi problema para o PSY em si pois, além de só focar seus esforços em ser um grande nome na Coreia do Sul, “Gangnam Style” (E os singles seguintes do PSY) em nada tira a credibilidade dele como artista e entertainer. PSY tem o seu público e faz música para divertir usando o seu humor ~peculiar~ para cativar o público, e não tem nada de errado nisso.

Para uma boa parte da fanbase “Gangnam Style” serviu como porta de entrada para o crack K-pop. Muitos só conheceram Gangnam Style mesmo e voltaram para o pop ocidental, assim como muitos seguiram em frente e se aprofundaram mais no que a Coreia poderia oferecer musicalmente, mas não podemos negar que esse comeback foi o grande auge do K-pop até aqui, seja por bem ou por mal. O humor do PSY pode não ter envelhecido tão bem para o mundo, mas garantiu o PSY como um dos maiores solistas coreanos dessa década, e para ele isso já deve ser o suficiente.

5 comentários em “Fatos que marcaram a década #03: Gangnam Style

  1. Eu fui uma das pessoas que teve o primeiro contato com o k-pop ouvindo Gangnam Style (embora só tenha me interessado pra valer vendo no MixTV o AOA e Hello Venus piranhando nos MVs de Like A Cat e Sticky Sticky, respectivamente). Sim, a principal razão pro sucesso tem a ver com toda a tosquice do MV (que muita gente não entendeu que era intencional).

    Na época, eu também ri das dancinhas do PSY e tal… mas mesmo hoje, percebo que independente do humor, a música é realmente MUITO BOA. Ela acelera e desacelera nos momentos certos, a batida é marcante, e a voz do PSY também agrega carisma. Pra mim, ele mereceu todo o sucesso que teve (quisera a igualmente marcante Coming Of Age Ceremony da Park Jiyoon ter tido todo esse sucesso quando foi lançada…).

    Obs.1: sobre a versão com a Hyuna, lembro do meu grupo de amigos vendo o MV e achando graça da “menina tosca pagando de fofinha”. Só depois que conheci a fundo o k-pop que descobri que “fofinha” não é a melhor palavra pra descrever a Hyuna, e que a imagem dela era bem diferente da de Gangnam Style…

    Obs.2: curioso que na mesma época o EXID lançou I Feel Good, que também é um farofão dance maravilhoso, também tem um MV todo trabalhado na zoeira… e mesmo assim flopou. Vai entender.

    Curtir

    1. Chegou a passar K-pop na MixTV? Nossa, não peguei essa fase de desespero da emissora q

      Isso do EXID é por conta de 2012 ter sido um ano bem difícil para os girlgroups novos vingarem, os grupos novos que mais faziam sucesso (Ou menos fracassavam, depende do ponto de vista) eram justamente EXID e SPICA

      Curtir

      1. Oops… (como diria a pensadora contemporânea Britney Spears), foi mal, Mix TV não; foi na Play TV que conheci AOA e Hello Venus. Se bem que, cópia (ainda mais) flopada da MTV por cópia (ainda mais) flopada da MTV, a confusão não é tão absurda…

        Curtir

  2. Eu particularmente acho uma delícia que o ato mais conhecido e bem sucedido do kpop seja um tiozão gordo de meia idade cantando farofa e lançando clipe engraçadão e não qualquer boyband metida a revolucionária ou girlgroup padrão. Vai chorar, armys?

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s