Biografia “Precious Nine” é anunciada. Promete abalar a Coreia com bastidores da carreira do SNSD.

Foi anunciado hoje a biografia do grupo SNSD chamada “Precious Nine”. Depois de alguns rumores que começaram em 2016, onde o jornalista Lee Oh Il contou para a Sports Chosun que estava preparando um livro contando a história de um dos maiores e mais emblemáticos grupos femininos do Kpop e muitos netizens apontaram o SNSD como o grupo em questão por conta da proximidade do jornalista com algumas integrantes do grupo, o jornalista deu hoje novos detalhes sobre a biografia “Não-autorizada” do grupo:

Continue lendo “Biografia “Precious Nine” é anunciada. Promete abalar a Coreia com bastidores da carreira do SNSD.”

Sunmi falou que BTS pariu o Kpop na América ou algo assim. Kpoppers estão putos.

Lenda do pop, ícone sul coreano e defensora dos LGBT rights nas horas vagas, Sunmi deu uma entrevista pra Billboard comentando sobre a turnê que vem fazendo na América e a ascensão do Kpop nos Estados Unidos. E no meio desse papo descontraído e entre uma xícara e outra de chá, surgiu esse trecho:

Continue lendo “Sunmi falou que BTS pariu o Kpop na América ou algo assim. Kpoppers estão putos.”

MOMOLAND canta que são muito gostosas no mais novo hit periférico “I’m So Hot”

Depois de um 2018 glorioso e saindo do flop ao top, Momoland está de volta em seu primeiro comeback de 2019. Sem Daisy e Taeha, que estão fora desse comeback por problemas de saúde/pessoais (Ninguém confirmou quem tá com o quê, mas como Daisy um dia desses se encrencou com um povo por estar namorando alguém do iKON que não é o Bobby, as apostas são de que ela está com os problemas pessoais e Taeha que está morrendo), elas estão de volta com 7 integrantes e, bem, mais uma tentativa de hitar com 30 reais e ser manter como o principal grupo periférico da nação:

Eu não tenho muitos problemas com grupos refazendo a mesma fórmula do sucesso e tal, especialmente desses grupos virais que acabam presos a um único conceito enquanto não consolidam uma fanbase. Não existe um tempo para arriscar coisas novas depois do viral, nem se essas mudanças vão manter o sucesso do grupo em questão, mas uma hora elas vão ter que sair da zona de conforto. Dito isso, “I’m so hot” é um movimento (um pouco) fora da caixa: O EDM pesado dos singles do ano passado deu lugar a um pop mais retrô e, com exceção do break de rap depois do 1° refrão, a estrutura deu uma mudada significativa (Muito por conta do vocal e rap principais do grupo não estarem nesse comeback), sem perder a veia cômica e trying to be memística que botou o grupo no topo. Mas me incomoda como essa faixa parece, hum, despretensiosa demais para chegar em algum lugar.

Um dia antes o DIA lançou WOOWA, e ambas as produções são assinatura do Shinsafong Tiger. Mas WOOWA é muito mais um club banger muito icônico pronto para tirar o DIA do limbo (Não vai tirar, mas enfim), enquanto “I’m so hot” não parece ter o mesmo esforço. Eu adoro a faixa, mas adoro várias faixas nesse mesmo estilo. A música nao tem aquele impacto ou um brilho único que vai além de uma música jazzy, sabe? Eu torço muito para o MOMOLAND continuar hitando, pois acho elas necessárias e diferentes dentro do mainstream coreano atual e etc., mas “I’m so hot” é muito mais o tipo de música feita para quem já está consolidado na indústria e pega #1 com qualquer coisa, não um smash hit por conta própria que elas precisam. Talvez funcione pra elas, afinal os hits do MOMOLAND nunca pegam seu peak logo de cara, mas agora elas precisam ser mais objetivas e não contar com o meme vingando a todo momento.

 

A coisa menos brilhante do retorno da Park Bom é a música “Spring”

Tudo bem, o comeback da Bom aconteceu, todo mundo ficou emocionado ouvindo a voz de anjo do Kpop em uma música nova (Onde curiosamente parece mais saudável do que na época do 2NE1), surpreendeu a todos com o hit e tal. Mas agora que o hype já passou e ela foi tombada aleatoriamente pela BAEK YERIN (!!!) lançando música depois de 3 ANOS (!!!!!), eu posso comentar aqui que não achei “Spring” grande coisa sem a mínima possibilidade de 200 fãs da gata saírem do nada pra me linchar na internet, né?!

Continue lendo “A coisa menos brilhante do retorno da Park Bom é a música “Spring””

Sunmi se transforma em um monstro das redes sociais para render likes e RTs em “Noir”

Sunmi lançou esses dias o single “Noir” antes de começar a sua “WARNING TOUR”. Num misto de “presente pros fãs” e “single pra turnê”, Sunmi traz a crítica social em torno do novo jeito de vida que as pessoas vem adotando com esse seu novo single, mas a crítica é bem mais consistente e menos superficial do que se pode imaginar com um tema desses:

O impacto de “Noir” não está exatamente na música. Embora a letra seja mais sóbria e crítica, a produção e o conjunto da obra remetem muito ao que ela já tinha feito no seu último EP “WARNING”, trazendo toda aquela ideia de pop intenso e melódico trabalhado em “Siren” só que de um jeito mais, digamos, sério. Pelo contexto em que “Noir” se encontra, faz muito sentido a música desse jeito: Ela não foi promovida na Coreia, sendo, basicamente, um single especial para a turnê mundial que Sunmi está fazendo, então “Noir” existe mais para deixar ainda mais explícito os novos rumos e sonoridade que Sunmi adotou como próprios dela (O que não é mentira, dentro do Kpop em si) do que ser um highlight na carreira dela.

Mas, como disse antes, não é na música que Noir tem seu impacto, e sim no MV recheado de crítica social e vulnerabilidade por parte da cantora. Muitos artistas vem mostrando maior preocupação em passar uma mensagem e serem relevantes, socialmente falando, mas poucos conseguem ir tão fundo à ponto de convencer que estão realmente interessados em ttazer um insight positivo para aqueles que os acompanham. Claro, nem toda crítica feita precisa do artista se inserindo como parte da situação em que critica, mas é muito interessante quando o artista se mostra vulnerável e fora da persona de ídolo que possui, conseguindo trabalhar isso à seu favor e transformando em arte. E, no caso de “Noir”, uma arte bastante atual, já que o MV retrata Sunmi como uma “attention seeker”, uma pessoa viciada em ter atenção nas redes sociais e algo que não foge muito da realidade da própria Sunmi na indústria (A própria ironiza a existência de “Noir” enquanto ela, como figura pública, precisa de fato dessa atenção e engajamento).

No MVSunmi faz de tudo pelos likes, RTs e seguidores, vendendo lindas e impactantes imagens para receber sua validação online. Isso começa com coisas simples e de pouco risco, como postagens fakes de paisagens e fotos #NoFilter sendo claramente manipuladas, mas, conforme ela vai saboreando e se deliciando com os corações que recebe, mais ela sente a necessidade de se expor ao público, se colocando em situações perigosas e com risco de vida apenas pelo espetáculo que ela vai entrrgar para os seus seguidores. Chega um ponto no MV em que Sunmi deixa de ser ela mesma para viver a persona que criou na internet, e os momentos de crise e conflitos internos começam a ser mostrados.

Porém, diferente do esperado, Sunmi não entrega uma solução para isso de forma que ela saia sã no final do MV. Pelo contrário, Sunmi termina o MV abraçando mais uma vez a sua persona “attention seeker” em uma espécie de “caminho sem volta”. No início do MV ela aparenta estar feliz e não ligando muito para as consequências, mas depois ela nota que destruir a sua essência a troco de agradar os outros não faz bem para ela. Porém tudo parece tão fora de controle e tão enraizado na vida dela que é mais fácil seguir jogando o jogo em que ela mesma se meteu, pois ela se expôs tanto que tudo que acontece com ela se torna um espetáculo que seus seguidores necessitam ver (E que ela sente necessidade de mostrar). É quando ela de ser  manipuladora e se torna mais uma manipulada.

Tenho para mim que “Noir” não critica a existência dos viciados em atenção em si, mas a forma em que as coisas se desenvolvem no mundo virtual. E isso vai além dos criadores de conteúdo, atingindo também o público geral, suas preferências de consumo e o que elas exatamente consideram entretenimento hoje em dia. “Noir” não me mostra que querer atenção nas redes sociais seja um problema, desde que seja de forma saudável. Afinal antes de ser interessante para os outros, você tem que ser interessante para si próprio e não deixar que o que vem de fora dite o que você faça. Se o show precisa continuar, Sunmi quer que você tenha o controle dele para não ter um final ruim.