O que aconteceu em 2020: Dynamite

Dezembro é aquele clássico mês no K-pop em que a pauta é escassa pois o pessoal lá está focado em vingar 420 premiações e 78 shows de fim de ano, e os blogueirinhos e youtubers acabam se virando nos 30 para achar alternativas e se esquivar de coisas menos interessantes da época. Uma dessas alternativas é fazer uma retrospectiva com os eventos que marcaram 2020, e realmente rolaram umas coisas muito legais que valem ser revividas. Então, sempre que eu achar interessante, vou dar uma passeada sobre grandes eventos que marcaram esse ano que, apesar de ser praticamente congelado pelo Covid-19, não fez a indústria parar em nenhum instante.

E o post de hoje traz a música que dominou não só a Coreia, como também os Estados Unidos: Dynamite.

Uma música totalmente em inglês vinda do BTS era algo que dava para esperar em algum momento. Desde 2017 o BTS vem carimbando passagens na Billboard Hot 100 além da sequência de vários álbuns #1 nos Estados Unidos, tudo graças a fanbase do grupo que é organizada e dedicadíssima em comprar músicas e deixar as plataformas de streaming rodando as músicas do grupo durante a semana de estreia de cada música nova. Mas, para alcançar o número #1 da Hot 100, eles precisavam das rádios dos Estados Unidos dando audiência para o grupo, e isso só aconteceria com uma música totalmente em inglês (As estações de rádio lá tem muita resistência com músicas em outros idiomas).

Então, no final de julho, o BTS anunciou em uma transmissão ao vivo o primeiro single totalmente em inglês do grupo. O anúncio gerou reações, indo desde a tradicional empolgação pelo comeback até piadas pelo fato de lançarem uma música totalmente, afinal esse anúncio surgiu numa época em que alguns grupos estavam lançando versões em inglês de suas músicas e uma boa parte da fanbase do grupo usava o discurso “O BTS nunca precisou lançar música em inglês” para essas guerras de fãs na internet. Muita polêmica, muita confusão, mas um fato: BTS queria aquele #1 na Billboard.

BTS's Dynamite shatters YouTube records - and heads for UK number one - BBC  News

No dia 21 de agosto foi lançado “Dynamite”. Descrita como uma música colorida para dar uma leveza nesses tempos de pandemia, o BTS e os ARMYs começaram a jornada rumo ao #1, e todo mundo estava empenhado: Com 100 milhões de visualizações no 1º dia de YouTube e um amplo domínio nas vendas digitais, era muito provável que esse #1 chegaria para o grupo logo no debut. E no dia 31 de agosto, veio a confirmação:

Com isso, BTS se tornava o primeiro ato coreano a alcançar o #1 na Billboard (Além de dominar diversos charts ao redor do mundo), o que é um evento e tanto. O noticiário coreano começou a divulgar esse feito importantíssimo, e isso ajudou a música a ganhar um gás até na Coreia do Sul, que nem era o foco do grupo com “Dynamite”. Nos primeiros dias a música estava encontrando alguma dificuldade contra “Beach Again” do SSAK3 (Outro grande hit de 2020), mas o #1 na Billboard e a mídia coreana noticiando a todo momento fez a música deslanchar por lá, como se os coreanos tivessem pensado: “Nossa, essa música pegou #1 lá nos Estados Unidos?! Deixa eu ouvir isso aqui para ver se é boa mesmo”. O resultado: 11 semanas em #1 na Gaon, sendo a música que passou mais tempo no topo do chart. E para coroar isso tudo, “Dynamite” recebeu uma indicação no Grammy na categoria “Melhor pop de dupla/grupo”.

Querendo ou não, “Dynamite” se tornou o grande hit de 2020 no K-pop. Derrubou argumentos, chegou aonde nenhum outro K-pop tinha chegado e consolidou o BTS como um dos grandes nomes da música atual.

Já a minha opinião sobre a música: Ela segue cumprindo o que promete. “Dynamite” sempre foi divulgada como uma música leve e divertida para passar a quarentena de forma mais animada, e ela cumpre com isso numa batida fácil de ouvir e uma letra bobinha e despretensiosa para você se divertir despretensiosamente também, então quem não tem muita resistência ao grupo acaba curtindo também. Além disso esse tipo de música pouco conceitual é o que mais funciona para o grupo (“Boy With Luv” é ótima também), pois mostra um BTS que não precisa se levar tão a sério assim e, como eu não levo a discografia tão a sério em comebacks mais carregados, “Dynamite” soa como o grupo me ouvindo e lançando um pop fácil de digerir pra todo mundo. Hoje eu meio que não tenho muita paciência para essa música (O trecho que toca no comercial da Samsung e passa em todo santo intervalo de programa de TV já ficou insuportável), mas se uma música do BTS tinha que tocar em todo canto a essa altura do campeonato, fico aliviado por ser essa música (Podia ser pior, podia ser os singles do comeback no início do ano).

4 comentários em “O que aconteceu em 2020: Dynamite”

  1. Nossa nem me fale dessa propaganda da Samsung, é essa e a do Coin Master que SÓ aparece pra mim.

    É histórico ver um grupo de kpop alcançando números astronômicos como esse, é o tipo de coisa que eu nunca imaginaria que aconteceria há alguns anos atrás. A proporção que o KPOP tá chegando pra mim é algo surreal. Apesar de eu temer de certa forma a extrema popularização do KPOP, eu fico feliz pelo crescimento.

    Agora enquanto a música… eu acho ela bemm pouca bosta comparado algumas outras músicas. Mas como tu mesmo diz: a intenção era ser algo mais fácil de engolir. No final eu continuo com bronca desse autotune deles que nessa música principalmente se superou.

    Curtido por 1 pessoa

  2. O mais chato é que teve gente que só veio dar moral agora e mostrar um certo ~respeito, por conta dessa música aí. Fala sério. Foi tipo “olha, eles cantaram em inglês e são diferentes dos outros é divertido” francamente…
    Mas enfim, a musica é chatinha e tô surpresa até agora com isso.

    Curtir

  3. A única coisa de ruim nessa música é realmente o autotune machucando o ouvindo, só por causa dele não consigo escutar com gosto. De resto, parabéns pra eles.

    Curtir

Os comentários estão encerrados.