Review Retrô: G.NA queria uma banana, mas foi banida e acabou lançando só “Top Girl” (2011)

Quem acompanha K-pop sabe que o filtro de censura nas emissoras coreanas é bem grande. Quando se trata de conteúdo sexual então, qualquer interpretação pode ser interpretada como passivel de banimento. Quando comecei a acompanhar K-pop não tinha muita noção de como esse filtro podia pegar qualquer coisa, mas quando comecei a cobrir notícias e ficar mais ligado nos sites de K-pop, acabei tendo contato com a minha primeira música de Kpop que foi banida antes mesmo de ser lançada: “Banana”, da G.NA.

“Banana” era pra ser… Bem, alguma coisa nesse comeback da G.NA com seu segundo EP “Top Girl”. Aparentemente a Cube queria usar essa música como follow up do comeback oficial, e “Banana” é uma faixa forte, com uma letra safadinha e a participação dos rappers Swings e JC Ji Eun trazendo uma sonoridade mais hip hop em meio ao popzão mais sensual que a G.NA trouxe como uma forma de se distanciar da coisa mais fofa que ela fez sucesso em “Black & White”. Um processo de amadurecimento muito bem planejado para montar uma forte imagem sexy de diva pop… Se não fosse a MBC banindo a música por conta da letra muito explícita, alguns dias antes.

Esse ban acabou gerando certa repercussão na época por conta de G.NA ser uma solista em ascensão no Kpop e pela Cube, ainda assim, estar disposta em divulgar a música e não mexer no calendário de promoções. A Cube e a cantora alegavam que a faixa não tinha intenção ou conotação sexual, mas em trechos como “A temperatura do meu corpo sobe”, “Não esconda suas pernas de 1 milhão de dólares” e “Mostre sua pele sem se importar com o que os macacos digam” foram consideradas provocativas demais para a emissora, além da gíria “Goin’ Banana” não ter pegado muito bem nesse contexto (Foi explicado que essa é uma gíria para “Ficar maluco”, mas não ajudou com o ban de qualquer jeito). De qualquer jeito a música não foi banida em outras emissoras e ela conseguiu performar em outros Music Shows, mas o MV de “Banana” acabou sendo engavetado e ficando só no teaser, com o único MV da era sendo “Top Girl”:

O MV é o puro clichezão de sonho de adolescente que quer virar superstar, com carrão, jóias, aparição na TV e tudo mais. Alguns efeitos ja não eram muito bons na época e envelheceram muito mal para 2020, mas acho divertido como esses MVs me entretém até hoje. Já a música é a minha favorita da carreira da G.NA, um pop chiclete que mostra ela vivendo toda a fantasia de diva pop e se divertindo em um instrumental vibrante e dançante. Acho mais provável que vocês curtam “Banana” mais do que “Top Girl”, mas são duas ótimas músicas de uma solista que, naquela época, prometia muito.

O maior problema da G.NA (E da Cube num geral), é que nada parece ser tão forte para ir além dessa imagem de “segunda opção”. Até mesmo entre as solistas que debutaram na mesma época dela a G.NA era meio que escanteada: Não tinha as habilidades de dança da Son Dambi, os vocais da IU, a sensualidade da Gain, as músicas chiclete da Hyuna… G.NA era uma cantora popular e muita gente gostava das músicas dela, mas favorita mesmo ela era de pouca gente. Pensando nisso, acho que “Banana” seria um salto interessante na carreira dela (Mesmo não sendo um single oficial) pois ajudaria a consolidar tanto uma imagem mais sexy quanto esse som mais pop/hip-hop e nas colaborações com rappers Coreia afora. Não acho que a G.NA tivesse muito potencial para se tornar uma solista da nação ou conseguisse algum título de “rainha” dentro das solistas coreanas, mas ela poderia ter uma carreira mais consistente se a Cube fosse mais ambiciosa com as músicas dela.

Uma consideração sobre “Review Retrô: G.NA queria uma banana, mas foi banida e acabou lançando só “Top Girl” (2011)”

Os comentários estão desativados.