Top Top.jpg: 10 músicas injustiçadas no K-pop

Seguindo aquele post que eu fiz semana passada sobre 10 grupos/artistas injustiçados no K-pop, agora vamos falar sobre 10 músicas que foram injustiçadas nessa indústria. Aqui vamos falar de grupos e artistas que fazem/fizeram sucesso no K-pop, mas essas músicas da lista não foram tão bem sucedidas assim, sendo grandes flops ou tímidos sucessos se compararmos com o grande auge desses artistas. Mais um post onde eu choro as pitangas por coisas que mereciam mais reconhecimento mas que seguem sendo um smash na minha playlist, então clica no “Leia Mais” para ver as 10 músicas que mereciam ser grandes smash hits do K-pop, mas não aconteceram:

10º lugar — Mamamoo – Mr. Ambiguous

Mamamoo é um dos vários grupos que vão aparecer nessa lista por não terem feito tanto sucesso logo em sua estreia, e aí muita música boa que elas lançaram na época que não estavam tão no radar do kpopper classe média acabam passando despercebidas na timeline do K-pop. E “Mr. Ambiguous”, debut oficial do grupo, é uma dessas músicas que merecia todos os #1 possíveis: Botar um grupo focado em vocalistas pra cantar um pop/jazz desses foi um movimento ousado e super curioso. Não era todo dia que um grupo vocal debutava com uma faixa dance na Coreia, e isso fez o Mamamoo ganhar a atenção necessária para elas hitarem de vez posteriormente. Uma pena que “Mr. Ambiguous” acaba sendo esquecida no churrasco, pois essa música foi o primeiro passo essencial para a popularidade do Mamamoo hoje.

9º lugar — Girl’s Day – Nothing Lasts Forever

Antes do Girl’s Day viralizar como as fofinhas atrapalhadas de “Twinkle Twinkle”, o grupo atirava pra todo lado para ver se alguma coisa engatava. E, numa dessas, veio “Nothing Lasts Forever”, um daqueles pop/dance que hoje em dia tem até o pó daquelas velharias old school que a Coreia desovava em 2010 e que faz qualquer pessoa que goste da 2nd gen do K-pop se apaixonar. É uma faixa “forte sem apelar pra força”, onde você sente que elas tentaram fazer uma daquelas faixas poderosas e fierce mas não chegaram lá, e foi por não chegarem lá que deixa essa faixa tão divertida e icônica. Isso daqui era o auge do que um grupo nugu poderia desovar no K-pop 10 anos atrás, e por isso tinha que ter viralizado para as vitórias do Girl’s Day acontecerem mais cedo na indústria.

8º lugar — Tiffany – I Just Wanna Dance

Quando a Tiffany debutou, a expectativa de todos era de vir um smash tão grande quanto “I”, da Taeyeon. Afinal ela era uma integrante do fucking SNSD, qualquer coisa envolvendo o SNSD hitaria e dominaria a Coreia pois a gente estava falando do grupo da nação, certo?! Não exatamente, pois o modesto 10º lugar na Gaon e as ainda mais modestas 4 semanas no chart mostravam que a vida de toda Soshi não seria tão fácil assim em carreira solo. Mas o que mais dói aqui é saber que “I Just Wanna Dance” merecia muito mais pelo quão maravilhosa essa música é. Tiffany honrou toda contribuição que Kylie Minogue deu para a música e serviu o synthpop bem gelado que seria ainda mais aclamado nos dias de hoje (Onde sai um synthpop safado a cada 15 dias de uma grande gostosa na Coreia). O refrão dessa música é uma das coisas mais energizantes que o K-pop ofereceu na época, fazendo com que eu só queira dançar junto com a Tiffany enquanto as luzes descem e a pista vira algo só nosso. Ela merecia ter hitado tanto (Ou ainda mais) que a Taeyeon com essa aqui.

7º lugar — BoA – CAMO

A década de 2010 foi cruel para a BoA. Óbvio que nada muda o impacto e o legado que ela tem no K-pop, mas nesses últimos anos ela foi vendo seus números caírem comeback por comeback até ela não render impacto nenhum nos charts, e isso acontecer justamente na época que ela lançou alguns de seus melhores singles na Coreia. “CAMO”, por exemplo, é fácil uma das melhores músicas que a Coreia entregou na última década, e ninguém por lá soube aproveitar essa masterpiece. Tudo na música e no MV grita luxo e sofisticação, você sente prazer assistindo a BoA e ouvindo “CAMO” pela primeira vez, mas os coreanos simplesmente ignoraram. O bom é que a BoA não parece depender de charts para lançar suas músicas na Coreia, então ainda seremos muito bem alimentados pela cantora nos próximos anos.

6º lugar — Lee Hyori – Black

Uma coisa atípica na vida de Lee Hyori é o flop. É raro acontecer, e quando aconteceu ficou aquele gostinho de injustiça agridoce para todo mundo. Em “BLACK”, Lee Hyori mostrou um lado mais intenso e forte, deixando de lado sua persona idol para servir esse rockzão country forte e “perturbador”, focada em trazer intensidade para o ouvinte desde o primeiro segundo, mas sem perder seu poder de performance. “BLACK” trazia uma Hyori longe do pop chiclete e mais conectada com o que a vida de hiponga de Jeju ofereceu para ela esses anos todos, e traz uma imagem poderosa e mais séria de uma artista que quis elevar seu material para outro nível… Mas nem todo mundo conseguiu apreciar isso do jeito que ela esperava.

5º lugar — T-ara – Sugar Free

O famoso escândalo da Hwayoung foi algo que afetou o T-ara para todo o sempre na Coreia, mas isso não afetou a qualidade de muitos farofões que o grupo lançou depois disso. “Sugar Free” é o grande momento das farofas do grupo, pois aqui elas não tem dó e socam um farofão violento na nossa cara, destruindo gays, diabéticos e epiléticos por todo o mundo. Sério, “Sugar Free” é muito música de festival eletrônico onde o pessoal não tá nem aí para quem está cantando e só quer ouvir um batidão estourando enquanto 17 tipos de drogas invadem a mente, mas o T-ara cantando faz tudo ficar ainda melhor. “Sugar Free” tem certa justiça por ser a fan favorite de muita gente (Além de ser um dos sucessos que o grupo conseguiu na China), mas essa música merecia ser a redenção do grupo nos charts coreanos… O que não aconteceu.

4º lugar — Suzy – Yes No Maybe

O debut solo da Suzy era um daqueles que todo mundo cravava um smash hit, afinal ela era A FODONA da Coreia e a gente acreditava que ela ia vencer em sua carreira solo. Isso até aconteceu com ela hitando a pré-release “Pretend” sem precisar de um MV, mas quando ela debutou pra valer com “Yes No Maybe” todo o público que ela parecia ter sumiu, e a faixa só conseguiu números bem tímidos pela Coreia. Pelo jeito os coreanos queriam Suzy cantando uma baladinha ao invés de mostrar arte, conteúdo e referências de Wong Kar Wai em um single acelerado e dramático como esse. “Yes No Maybe” é um grande bop para a nossa menina miss A, e é até inacreditável saber como o coreano médio cagou para isso aqui.

3º lugar — Apink – Hush

Hoje o Apink é um grupo consolidado, acumulando vários sucessos durante os 10 anos de carreira do grupo… Mas o grupo demorou um pouquinho até a Eunji virar a queridinha da nação e elas despontarem com “No No No”. Com isso, alguns singles da formação antiga do grupo que não foram grandes sucessos acabaram se perdendo no imaginário capopeiro, como é o caso da deliciosa “Hush” que é fácil um dos melhores aegyos do K-pop. Essa música acerta muito em ser algo fofo porém dançante, com batidas mais fortes e um ritmo contagiante que é impossível eu não me sentir uma adolescente mandando você calar a boca. Se “Hush” fosse o single de virada do grupo, talvez o Apink não tivesse lançado tanto single meia boca depois.

2º lugar — Oh My Girl – Closer

Agora que o Oh My Girl é o novo girlgroup da nação hitando até b-side pelo país, podemos falar como muita coisa da época que o grupo lucrava duas garrafas de Dolly Citrus flopou injustamente antes de “NONSTOP”. Ok, não acho os singles do Oh My Girl TÃÃÃO imbatíveis assim, mas uma coisa que eu concordo é que “Closer” não ter acontecido na Coreia chega a ser criminoso. “Closer” tem toda uma aura mística, suave e relaxante, com vocais doces criando uma harmonia aconchegante para esse comeback. É tudo muito lindo e fora das expectativas que a onda aegyo entregava na época, sendo surpreendente na época e nos dias atuais. Sem dúvidas um dos grandes singles dessa nova geração.

1º lugar — IU – Lost Child

“Lost Child” é o debut da IU no K-pop. mas talvez você, gatinha mais nova de guerra, não sabia que essa música existe. Até as mais velhas de K-pop podem se perguntar que música é essa, afinal “Lost Child” é uma música obscuríssima e pouco comentada da cantora, sendo o único flop que a IU experimentou na carreira. Mas olha, essa daqui é uma das melhores músicas da carreira da IU, e o melhor power ballad que ela entregou durante esses 12 anos. O instrumental pesadíssimo e orquestrado junto com os vocais frágeis e inocentes da cantora (Que tinha 15 anos na época) servem uma música impactante e cheia de camadas, com cada nova adição sendo um deleite de se ouvir. Provavelmente IU não seria a irmã mais nova da nação se tivesse feito sucesso com “Lost Child”, mas é uma música tão maravilhosa de se ouvir até hoje que fica difícil não dizer que essa é a maior injustiça que a Coreia fez com um artista de sucesso.

Deixe nos comentários mais músicas injustiçadas de artistas que fizeram sucesso no K-pop, e siga o @popasiaticojpg no twitter para ficar por dentro de mais listas e posts do blog.

10 comentários em “Top Top.jpg: 10 músicas injustiçadas no K-pop”

  1. Quando as pessoas pensam no Apink antes de I’m so sick já imaginam um aegyo chatíssimo que ninguém aguenta, mas esses primeiros lançamentos delas antes de NoNoNo são muito bons (na verdade eu até gosto do Secret Garden, os outros EPs depois desse são mais sofríveis). Nessa lista entra o próprio single de debut delas, I don’t know, que é um aegyo que parece muito as músicas que a IU lançava nessa época, principalmente YOU&I, Boo (do Seven Springs of Apink), My My, Hush, como você citou na lista, Oh Yes e I Got You, todas do Une Année, primeiro álbum completo do Apink que todo mundo deveria ouvir, pois é muito melhor que tudo que elas lançaram depois até mais ou menos o Pink Revolution.

    Quanto à IU, confesso que não curto muito o que ela lançou antes de Good Day, mas o primeiro EP dela é muito bom mesmo. Ele tem uma sonoridade muito diferente do que vem à mente das pessoas quando cita-se a IU. Uma pena que não só flopou hard como ela tomou um hate pesado por esse álbum (as pessoas aparentemente acharam o álbum muito maduro para uma menina de 15 cantar). É gatas, até a IU teve seus tempos sofridos.

    Curtir

  2. eu trocaria Yes no Maybe por Free Somebody da Luna como outra pessoa comentou ali… mas eu concordo de cabo a rabo com tu mesmo com a primeira da IU que eu já com certeza ouvi mas acabo simplesmente esquecendo que este ato foi dela (não é bem o que eu ouço).

    Fiquei besta ao ver Nothing Last Forever na lista! Adoro quando uma dessas músicas que eu reproduzi trezentas milhões de vezes playlist de outra pessoa. Foi bom encontrar Hush, esta música é um ícone do Apink e não entendo pq ela foi o que empurrou elas pra frente!

    Eu fiquei surpresa ao ver o debut da Tiffany. Pra mim foi tão hit na época que ignorei o desempenho nos charts… para mim Why da Taeyeon, I Just Wanna Dance da Tiff e Free Somebody da Luna é a santíssima trindade dos solos femininos da SM.

    Curtir

  3. Eu as vezes fico pensando como seria se a Tiffany tivesse continuado na SM, talvez seguindo essa fórmula. Mas no fim até acho que foi melhor pra ela, provavelmente acabaria com raros lançamentos, e apagada no porão. Mas me lembro ainda que na época do IJWD saiu, veio em seguida saiu a inesquecível (pra mim): Heartbreak Hotel. Que era meus amigos, que era… Sou suspeita porque a Tiffany foi a primeira e ainda é uma das minhas idols favoritas.

    Agora HUSH é uma que eu não lembrava mais, porra eu AMO essa música demaisssssss HWHEJEJ

    Curtir

  4. Sinceramente, essa do Girls Day não é a minha favorita delas, mas não nego o quão boa foi na época.

    E ate que enfim encontrei alguém que elogiou Camo! Minha nossa, me sentia uma alien por ser a unica que gostava dessa música e sempre reproduzia na minha playlist_ até hoje ainda toca_ e a Boa entregando na coreografia como sempre. Da uma aura tão chique, tão elevada, ai ai Coreia…

    Sobre a Suzy, é sério que essa música não teve números altos? Agora quem ficou chocada foi eu. A galera consumia numa época tudo que ela era estampada, acho que até papel higiênico que tivesse a cara dela, os coreanos comprariam dezenas. Será que na época a turma não gostou da música, ou só curtem elas na atuação? E aproveitando sobre os gostos das pessoas, com esse solo da Tiffany a gente tirou definitivamente quem seriam relevantes do SNSD na indústria e quem não seria_ Taeyeon e Yoona_ daí foi que entendi muita coisa sobre a indústria e tals. Eu me perguntava “porque a Tiffany não teve tanto confete no lançamento?” Ao menos tiveram a cara de darem um solo bom desses e um mini bem legalzinho, pois tem integrantes de grupos que morrem sem ter nada.

    Curtir

  5. Mr. Ambiguous é mesmo maravilhosa! Aliás, sinto MUITA falta dessa sonoridade jazz mais debochada no Mamamoo; confesso que perdi interesse nelas musicalmente depois de Yes I Am…

    Curtir

  6. Nossa, que lista incrível. A que mais me dói mesmo é a da Tiffany, acho a música impecável e o mini que ela lançou também super interessante. Eu super lamento a saída dela da SM, eu gostava do direcionamento que deram pra ela na breve carreira solo lá (heartbeak hotel hino!!!11!11), mas é aquilo, só 1 gatinha saída de grupo pode hitar e a Taeyeon saiu na frente

    Curtir

Os comentários estão desativados.