RECAP — Kingdom – Legendary War (S01E07): A fanbase está levando a sério demais esse programa

NO EPISÓDIO ANTERIOR: Nada relevante. Então vamos direto para o EP7 que teve muita coisa: Divulgação de resultados, ranking atual, apresentações, raps, fanbases tiltando e tudo que um programa dando 0,3% de ibope (Mas bombando nos fóruns e redes sociais) pode oferecer. Sim, MNET, você está fazendo fanbases se estressarem por absolutamente NADA, então você sabe que venceu.

O programa começa relembrando os rankings provisórios do show, quem estava hitando (ATEEZ) e quem estava fracassando (The Boyz), mas eles ainda não sabiam da pontuação final de cada rodada… ATÉ AGORA, pois o programa liberou o ranking final de cada rodada. Na primeira rodada os resultados foram:

Stray Kids > ATEEZ > The Boyz > BTOB > iKON > SF9

Eu achei que o Stray Kids conseguiria uma vantagem maior aqui, mas nada muito fora da previsão também. Já na segunda rodada os resultados parciais (Naquele momento, os pontos por views não foram contados pois a MNET estava excluindo as views por publicidade paga… Coitados dos fãs, deram dinheiro pro YouTube a toa) são esses:

SF9 > BTOB > ATEEZ > iKON > Stray Kids > The Boyz

AQUI eu fiquei surpreso com o SF9 voando para o primeiro lugar e com o equilíbrio da coisa toda (O Top 3 na casa dos 3300 pontos). Talvez seja complicado para eles manterem o 1º lugar quando contarem as visualizações (Eles são os que menos tem visualizações até agora), mas só de aparecerem no topo aí já é uma vitória para eles. Com a soma de todos os resultados divulgados, o ranking está assim:

1º Stray Kids, 2º ATEEZ, 3º BTOB, 4º iKON, 5º SF9, 6º The Boyz

Stray Kids está vencendo nessa parte por conta dos 1000 pontos bônus que eles ganharam na fase de introdução, se não o ATEEZ estaria na frente. No final do programa eles atualizaram o ranking com a pontuação das visualizações e o Stray Kids já abriu uma vantagem que supera os 1000 pontos.

1º Stray Kids, 2º ATEEZ, 3º BTOB, 4º iKON, 5º SF9, 6º The Boyz

De qualquer forma (E julgando por esses números) a julgar por esses números, o ATEEZ é o grupo com mais chance de ser o Oh My Girl do Kingdom, e quem sabe conseguir o mainstream coreano com um futuro (Ou não, levando em conta que NINGUÉM na Coreia está dando alguma moral para o programa). E agora que a fase dos times virou o Top 3 (ATEEZ, Stray Kids e BTOB) contra o Bottom 3 (iKON, SF9, The Boyz), as chances de chutar 3 grupos de uma vez na disputa do programa são grandes.

Início da 1ª fase da 3ª rodada, onde teremos as units de dança, canto e rap. E quem irá julgar cada coisa? A equipe de 33 juízes que deu muito o que falar na internet:

Entre produtores de renome na indústria, a fodona da dança Lia Kim e uns integrantes do Super Junior, 4 grupos novos aparecem como juízes dessa rodada: Weeekly, Mirae, BDC e TRI.BE. E esses quatro grupos implodiram as fanbases que acharam um absurdo ver seus grupos serem julgados por grupos que mal debutaram na cena, por julgarem “não ter experiência para avaliar os participantes” e coisa do tipo. Para mim, toda essa polêmica foi uma grande bobagem de fãs que estão levando a sério demais um programa que não deve mudar drasticamente a popularidade de ninguém ali (Pode acontecer? Pode, mas principalmente esses grupos mais velhos e que JÁ SÃO populares com os coreanos são os que menos tem a ganhar com isso já que a fanbase internacional tende a agarrar os mais novinhos mesmo). Além disso botaram trainees, seguranças e donas de casa para avaliar desempenho no Queendom e metade da pontuação do Kingdom é baseada em VOTAÇÃO ONLINE, e não é como se o pessoal que fica floodando visualizações no YouTube fosse mais credenciado a julgar os grupos do programa. Ou seja, relaxem e aproveitem o show, Kingdom existe só para vocês apreciarem umas performances diferentes e não ficar se estressando por conta de quem ou como serão julgados. Vamos para as performances da noite:

— Batalha 1: Rap Unit —

Bobby (iKON), Sunwoo (The Boyz) & Hwiyoung (SF9) – Full DaSH

Esse menino do SF9 é bonito demais, né?! Ele destoa DEMAIS dos outros dois nessa thumb

O enredo é: Bobby é um rapper aclamado na Coreia, vencedor do Show Me The Money e muito popular por suas habilidades, então ele é o ídolo de basicamente todos os rappers do programa. O Sunwoo mesmo estava louco para virar pupilo dele de tão fã.

O curioso é que o aniversário do Sunwoo era no dia seguinte a esse primeiro encontro, então interagir com o Bobby ali foi como se eu recebesse o anúncio do Dal Shabet retornando para o K-pop no dia 10 de dezembro

Então o Bobby acaba virando um “palestrante” para deixar os outros dois mais confortáveis perto da maior lenda que o hip hop já viu depois da Bora do SISTAR… E que curiosamente prefere um reggae do que um hip hop:

Inovou e quebrou tabus

A ideia do time é fazer uma apresentação forte e séria, para mostrar quem eles são e toda a sua atitude e etc. etc. Bobby se encarregou da produção da música e, obviamente, cada um se virou com suas letras. Eles se encontram na YG para finalizar tudo, criar a performance e fazer um tour pela empresa, afinal não é todo dia que eles entram numa gravadora que parece um shopping por dentro…

…E uma grande lancheira de metal por fora.

Que prédio feio.

O Bobby fala sobre como ele quer fazer uma performance divertida, livre e que faça ele sentir a música e o que ele está cantando. Na prática, acho que ele vai dar um tiro se um dos dois sugerir alguma coreografia para a apresentação, mas até gosto da atitude dele de não se levar tão a sério numa performance de rap.

O problema é que a performance no geral ficou uma zona. Eu nem falo das habilidades deles pois acho que cada um mandou bem ali no que se propôs (As partes solo deles foram os pontos altos da apresentação, aliás), mas eles juntaram tudo de um jeito que era cada um por si e deus por todos e nada ornava, tanto na performance (O Bobby estava soltíssimo e confortável enquanto o Hwiyoung estava travadíssimo e o menino do The Boyz parecia uma criança avulsa querendo se enturmar com os mais velhos) quanto no visual (Bobby, querido, era só montar um look monocromático aí). Eu não tive muitos problemas ouvindo a música: Adorei o DaSH driblando a censura em “da shit” e eles entregam a atitude e agressividade que se propõem, mas faltou uma performance que valorizasse a unidade. Foram 3 apresentações solo parecendo que um estava tentando ser melhor que o outro ao invés de serem uma unit de fato.

Conclusão: Pequeno flop, acertaram na música mas nunca mais vou assistir a apresentação de novo.

Minhyuk (BTOB), Hongjoong (ATEEZ), Bang Chan, Changbin & Han (Stray Kids) – Playing With Paint

Por onde eu começo aqui… Os 5 integrantes da unit se reúnem na cafeteria da JYP para um brainstorming, e por alguma razão eles tem que pedir café lá cantando (O que é o tipo de bobagem que acredito que o JYP obrigaria os seus funcionários a fazer).

No brainstorm que eles fazem surge a ideia de “brincar com cores”, pois cada grupo tem cores diferentes e misturá-las poderia resultar numa apresentação “divertida e espirituosa”. O Hongjoong então resolve quebrar o tabu falando “Podemos criticar as pessoas que nos categorizam pela nossa cor de pele, somos diferentes mas nenhuma cor de pele é errada” e embora isso não faça dele o líder do movimento contra o racismo, a gente espera tanta coisa equivocada vinda de idol falando de cor de pele que chega a ser até emocionante ver que alguém fez o dever de casa com a fanbase internacional.

Aprendeu o mínimo, hein, Hongjoong

E o brainstorming acaba aqui. É sério, eles jogaram UMA ideia, todo mundo concordou que a ideia era legal, eles já tinham uma base pronta e foram com ela. Parece os meus trabalhos em grupo que eu fazia na faculdade com umas safadas que não iam com a minha cara e todo mundo concordava com a primeira ideia que jogavam na roda só para sair da rodinha e cada um fazer sua parte no seu canto.

Depois que cada um escreveu sua letra, eles se reúnem no dia seguinte e mostram o resultado. O destaque vai para o cara do BTOB que suas veias saltam quando ele faz o rap, aí o menino do Stray Kids fala “Nossa, queria tanto fazer minhas veias saltarem também” e o Minhyuk manda um “Emagreça que você consegue” na maior sutileza do mundo.

Nunca ouvi alguém chamar o outro de gordo de uma forma tão discreta

A conclusão deles é que a música ficou ótima e merecia até um convite do grammy tamanha perfeição. Não é para tanto, mas admiro que eles almejam bem longe. Rola mais uma propaganda do refeitório da JYP, um babando o outro nos ensaios, blá blá blá vamos para a performance.

Assistindo essa unit, acho que tudo que deu errado comigo na unit anterior deu certo aqui… E vice versa. A performance tem muito mais harmonia entre os integrantes, todo mundo tá na mesma sintonia juntos e nenhum involuntariamente ofusca o outro nas partes individuais. É uma performance muito legal (Mesmo com umas partes que foram só bestas mesmo) e cada um estava confortável no seu território. Em compensação a música é pouco aproveitável e muito por conta deles não serem tão diferentes assim: É um hip hop meio estourado, com versos rápidos e uma barulheira doida que tanto Stray Kids quanto ATEEZ já mostram em seus trabalhos. A parte do rapper do BTOB é a mais diferente e memorável, mas não sei se curti tanto assim também. Enfim, pelo menos é uma apresentação que funciona no formato do Kingdom.

Conclusão: …ok. Só isso mesmo.

O juri especial votou no seu favorito, e quem venceu essa primeira batalha foi o time Mayfly (BTOB, ATEEZ, Stray Kids) por 23×10. Um resultado que bate com a minha preferência, mas se o outro time vencesse não seria injusto também. O ponto principal é que a performance do Mayfly funciona muito mais no formato do Kingdom do que a perforamance do It’s One, mas se fosse num Show Me The Money ou em qualquer programa mais voltado pro rap o resultado poderia ser outro.

— Batalha 2: Dance Unit —

Juyeon (The Boyz), Taeyang (SF9), DK (iKON) – King and Queen

O primeiro encontro deles é repleto de constrangimento, um não sabendo o que falar pro outro, toques estranhos e desconforto, como se fossem 3 gays marcando um encontro pelo grindr e não sabem se puxam um papo ou se tiram a roupa e começam a se pegar na hora. Como o Kingdom é outro tipo de entretenimento, eles tentam puxar conversa e assistir as performances de dança um do outro para entender qual vibração eles passam dançando e como vão unir isso em uma única apresentação. Ali eles concluem que cada um deve maximizar seus pontos fortes para fazer uma apresentação lendária, o que não é muita coisa mas era nítido que os 3 não sabiam o que fazer olhando um pra cara do outro.

No dia seguinte eles estão mais relaxados, e até bolaram um nome engraçadinho para o grupo: Ju Tae Hyuk, pois tanto é parte dos seus nomes como também significa “Pilar grande e brilhante”, e eu espero do fundo do meu coração que eles saibam o quão baixo um grupo chamado “Pilar grande e brilhante” pode chegar aqui.

A ideia é criar uma apresentação artística que mostre a beleza coreana, contando a história de um rei que está preso em buscar prazer, chora pela morte de sua mãe e acaba enlouquecendo, e os 3 integrantes vão representar esses 3 momentos da loucura do rei na performance. Temos muitos momentos de ensaios mas nenhuma besteira comentável nesse recap, então fiquem com esse print do Juyeon te desesejando saúde antes de falar da apresentação.

No primeiro momento você já capta o que vai ser apresentado aqui: Muita arte, cultura tradicional, movimentos teatrais, performance dramática e perucas (Pois a história sul-coreana é repleta de homens com cabelos longos, sedosos e bem cuidados). E tudo que eles propõem é muito (Repito, MUITO) bem feito: Todos os níveis de intensidade e loucura são muito bem apresentados pelos integrantes, eu entro na história e me emociono com cada nuance durante a apresentação. Tudo é muito belo de assistir, e graças a deus eu não precisei ouvir esses 3 cantando (O que deixou tudo ainda melhor). No geral, uma performance impressionante que merece todos os aplausos.

Conclusão: Um grande HIT, e a melhor apresentação do Kingdom até aqui.

Peniel (BTOB), Lee Know, I.N, Felix (Stray Kids), San, Seonghwa, Yeosang, Wooyoung, Yunho (ATEEZ) – Wolf

Primeiro de tudo: Pra quê tanta gente?

Segundo: Por quê botar o Peniel como líder da unit de dança sendo que ele não ocupa a função de dançarino no BTOB (O main dancer do grupo está no exército)? Só por ser o mais velho ali? Por fim: Wolf? AQUELA Wolf? Sério, quanta decisão inicialmente equivocada aqui… Mas vai que dá certo, né?!

#Perdido

Então temos esse momento em que o Felix fica no meio de uma rodinha, com um monte de homens se agarrando, mas o Kingdom NÃO FAZ esse tipo de entretenimento e o que temos é só um grito de guerra da unit mesmo.

Os ensaios começaram e era evidente que o Peniel apanharia no início tanto por não ser dançarino quanto pela própria sonoridade do BTOB, continuando com a tradição do programa de integrantes do BTOB reclamando de coreografias bate estaca por não serem dançarinos. Mas ele trabalhou duro e ensaiou bastante para conseguir entrar no ritmo dos outros, mostrando toda sua garra e determinação.

E quem precisa aprender a dançar com um bração desses, né?!

Temos uma interação entre a unit vocal e de dança do Mayfly, com o Peniel jogando na roda que o líder do BTOB é pão-duro.

E eles explicando porque escolheram AQUELA Wolf para a apresentação: Conceito forte, ficaram impressionados na época de ensino médio (Exceto o Peniel que já tinha uns bons 2 anos de BTOB quando essa música saiu) e foi da vontade de todos adaptar essa música com a identidade da unit.

Coitado, parece que ele é o tiozão gostoso tentando pagar de cool com os #xovens

Em mais uma rodada de ensaios, tem uma parte da coreografia em que o Felix pula em cima de um deles (Mostrando que a quase carnificina que rolou no 1º EP é coisa do passado). Mais brotheragem.

E, finalmente, temos a performance. Pela premissa já tinha em mente que não ia gostar tanto quanto a performance anterior, e o que eu assisti não melhorou muito. A performance tem alguns pontos mais como o Peniel que nitidamente está mais pesado que os outros (É notável o esforço, mas ele parece mais lento que os outros) e essa cena do pulo que não teve o impacto que eles queriam e ficou totalmente desnecessária no conjunto da coisa, mas o principal aqui é em como essa performance parece aquelas apresentações de fim de ano onde juntam um monte de novatos para cantar uma música de um grupo mais relevante. Ok que a performance foi isso mesmo, mas acho que a ideia era de fazer algo que fosse memorável pela unit, e não pelo cover. Não foi tão excitante de assistir e nem algo que tornasse essa unit tão lendária quanto a anterior

Conclusão: Um sólido Flop, mas do jeito que as coisas andaram qualquer coisa que eles bolassem seria ofuscada pela outra apresentação.

No próximo episódio teremos as apresentações dos vocalistas e os resultados das apresentações de dança. Sim, eu já sei quem ganhou e já acho totalmente injusto, mas não dá para ter tudo o queremos, não é mesmo? Até o próximo episódio!

11 comentários em “RECAP — Kingdom – Legendary War (S01E07): A fanbase está levando a sério demais esse programa”

  1. olha o tanto de homem e ainda tem poucas cenas deles sem camisa
    por isso que essa merda vai morrer no flop

    Curtir

  2. ponto alto do episodio foi o peniel tonhão movimentando os ossos atrofiados
    achei todos os grupos muito bons, mas nada que eu vá me lembrar daqui uns meses

    Curtir

  3. Gente desculpa mas eu olho pro Peniel com essa lente de contato e so consigo lembra do Vin Diesel em Riddick ……
    E esse perf do the boyz, sf9 e ikon foi simplismente linda do comeco ao fim, os caras fizeram tudo isso sem um rap, sem uma high note, sem um peniel modo riddick, so dancando e interpretando a melodia, lindo lindo lindo e de longe a melhor coisa do kingdom ate aqui. Ja a outra eu nao consegui ver nem a metade, acho que o significado de `gringe` entra bem aqui

    Curtir

    1. Aquela lista de músicas velhas que comentei aqui era fake, mas teve cover de “Pretty Savage” com a Lisa e mashup com “Du Dudu e Edu” no episódio que passou hoje

      Curtido por 1 pessoa

  4. Eu sinceramente não entendo pq kpopper adora se meter em briguinha besta de fandom. Não achei que o fandom do Ikon fosse arranjar confusão com o fandom do Stray Kids (que eu faço parte??), mas sim, arranjaram e por causa dessa apresentação de rap, que sem biasismo, eu gostei mais do Mayfly mesmo.

    Agora as unit de dança, eu gostei mais da apresentação tradicional coreana. Não sei pq caralhos as pessoas gostam de Wolf e levam ela a sério sem ser ironicamente, eu não estava conseguindo me concentrar em ver o Felix dançando tendo que ouvir esses “auuuu saranhangueio”, e o palco e os figurinos muito escuros. Não foi ruim, mas tbm não foi bom.

    Curtir

  5. A batalha 2 da dance unit foi maravilhosa, o instrumental tradicional coreano e nada mais além de pura arte. Sei que eles não ganharam por puro favoritismo, mas porra… De verdade, fiquei arrepiada. EM contrapartida, tudo do ateez e do stray kids pra mim soa muito forçado e pesado, talvez eu esteja muito velha para esses grupos de hoje em dia kk

    (alguém salva o btob daí, to com medo de como vai ser a performance vocal)

    Curtir

  6. Adoro como tu comenta esse reality, morro de rir dos teus comentários.
    Sobre as apresentações_ o grupo de rap vestido de branco foi legal, achei o tal Changbin melhorzinho se comparado com os outros dois do mesmo grupo e Minhyuk, melhorando tudo.
    Agora, rapaz, o grupo de dança de música coreana foi um dos melhores! Gente, quem diria que um grupo masculino iria fazer uma performance tão bonita sem ficar fazendo a pouse malvadão? Muito bom, fiquei imersa assistindo, na minha opinião poderiam apostar mais em estilos teatrais assim em grupos masculinos.

    O outro…putz, só senti vontade de tirar o coitado do Peniel daquela patacoada kkkkkkkkkkkkk confesso que Wolf eu curto só pela tosqueira e piada, e então sempre penso porque essas criaturas levam uma música dessa a sério, com a pérola “eu sou um lobo, como um lobo, auuu, eu te amo”? E as piruetas sem razão nenhuma e a parte mais icônica que era o saltinho do Kai e Tao não fizeram, bleh!
    PS. Por isso esses reality que abrem votação pra publico não é justo, o povo se acha prepotente a ponto de reclamar por bobagem…
    PS.2 que coisa mais previsível e clichê do Bobby kkkkkkkkkkkkk socorro

    Curtir

Os comentários estão desativados.