As músicas mais pau mole de 2019 no K-pop/J-pop

Então é natal, época em que trocamos presentes, montamos árvores de plástico com enfeites de plástico, nos alimentamos como se não houvesse amanhã e não esquecemos do mais importante: Fazer a roda do capitalismo girar pra pagar os prejus durante o ano. Muitas páginas, sites, youtubers e criadores de conteúdo aproveitam para fazer sorteios, dar presentes e etc. com a desculpa de ser natal e aumentar o seu alcance obrigando as pessoas a seguirem os mesmos se quiserem ganhar um chaveiro ou uma caneca feita em qualquer gráfica de esquina, mas as menos salariadas se viram com o que podem. E é nesse espírito de presentes feitos na mão que eu estou aqui dando o meu presente de natal pra vocês: Uma lista com as músicas mais pau mole de 2019.

Os critérios para entrar nessa lista são:

  • Músicas lançadas em 2019 e que, preferencialmente, se tornaram singles (Tem um álbum inteiro no fim do post mas é porque não deu pra evitar, entende);
  • Não precisam ser músicas necessariamente ruins, mas sim músicas que me broxaram muito ouvindo;
  • Só posso botar nesse post músicas que eu ouvi. Não posso botar qualquer porcaria que o Stray Kids possa ter lançado esse ano, por exemplo, se eu sequer lembro o que é um Stray Kids, mas vocês podem deixar seus exemplos de músicas pau mole nos comentários;
  • Tudo aqui não passa de opinião pessoal feita por um fã véio e amargo e não precisa ser levado pro pessoal, mas se quiserem levar pro pessoal e compartilhar em alguma panelinha de facebook pode fazer isso e ajudar com o tráfico de visualizações do blog;
  • Se vocês acharem que eu peguei pesado em algum momento QUE BOM pois a intenção é esculachar mesmo, vocês que lutem se ficarem ofendidos.

Com tudo explicado, vamos ao primeiro (mini) listão de 2019 desse blog:

Ailee – Room Shaker

Acredito que dá pra contar nos dedos as pessoas que ainda lembram que a Ailee voltou pro K-pop esse ano (!) com um full album (!!!), mas não dá pra culpar ninguém quando a) A YMC não fez questão de promover esse álbum já que a Ailee saiu da empresa no dia seguinte praticamente e b) ela usou essa música chupadíssima de alguma demo que o Teddy descartou do BLACKPINK. Temos que dar crédito pra Ailee por ter visão de mercado e saber o que o fã médio de K-pop anda consumindo, mas ninguém está aqui pra ouvir a Ailee cantando uma música dessas.

AKMU – How can I love the heartbreak, you’re the one I love

Olha, eu tentei muito gostar dessa aqui. Sério, muito mesmo. Não queria admitir que achei essa música uma chatice sem tamanho, mas a real é que, depois de 2 anos e um álbum engavetado da Suhyun, não faz o menor sentido eles botarem uma baladinha carregadíssima de quase 5 minutos que parece durar 5 horas como title track de um full album. Nem Ayumi Hamasaki sustenta uma música desse tamanho hoje em dia (Nem música ela tá lançando direito, aliás), mas a YG precisava limpar a barra e garantir um hit na Coreia depois de tanto escândalo né.

Somi – Birthday

Conhecem Weki Meki? Lembram de tudo que dava errado (E ainda dá) nas músicas do Weki Meki? Aparentemente o Teddy gostou tanto que resolveu juntar tudo isso pro debut insosso da Somi que, de alguma forna, deve ser o vídeo solo mais visto do ano. Por essas e outras que a YG gosta de fazer a fanbase de idiota.

EXO-SC – What a Life

O ano do EXO foi fraquíssimo mas “What a Life” chega a ser ofensivo de tão broxante. Existe um motivo para o EXO não ser um grupo conhecido por rap, swag e YOLO, e assistindo esse debut vocês já descobrem esse motivo.

BoA – Feedback

BoA foi outra que teve um ano fraquíssimo (Especialmente levando em conta que ela matou tudo e todos em 2018), mas eu não lembro de quando a cantora lançou algo tão avulso quanto “Feedback”. Não é uma música ruim mas minha filha, tu sai de uma caminhada de cabeça pra baixo para introduzir WOMAN para lançar essa água de chuca e jurou que ia acontecer???

Hyolyn – youknowbetter

Hoje em dia eu até curto pacificamente essa música, mas é mais ou menos o mesmo problema que rolou com a Ailee de não fazer muito sentido ela lançando esse tipo de sofrência tentando ser intimista e deixar como única MÚSICA lançada esse ano. A essa altura era para eu estar rebolando safadamente em cima de um bop de verão da Hyolyn e ela simplesmente cagou pras minhas necessidades enquanto gay.

ATEEZ – Wonderland

Um dia desses eu estava me perguntando sobre esse ATEEZ e por que raios eles tinham tanta hype no meio da fanbase. Então eu fui ouvir essa música deles como quem não quer nada e minha nossa senhora que troço horroroso. Mas é o tipo de coisa que a fanbase adora engolir sem critério nenhum, então não seria surpresa se a fanbase me desse esse desgosto de vingar esses moleques no período em que BTS ir pro exército e precisarem de algum grupo pra preencher esse vazio.

KARD – Dumb Litty

Eles mudarem a imagem/som saturadinho foi um passo pra frente, mas essa música me fez ter saudade da época em que eles lançavam o mesmo tropical house/dancehall a cada 6 meses e isso significa 666 passos pra trás.

SuperM – Jopping

Chega a ser indescritível de tão broxante que é essa aqui.

Red Velvet – Zimzalabim

Acredito que o Lunei devia parar de fingir que essa música é boa e aceitar a realidade mas né, essa quenga já fez questão de botar essa música no Top 100 dele então vai ficar pra sempre no histórico (A não ser que ele resolva apagar o blog de novo).

CLC – No

Outra música que a fanbase devia parar de fingir que é um hino para o próprio bem deles, e agora que a Sorn está sendo cancelada por ser racista em algum canto aí essa missão deve ficar mais fácil.

Pentagon – Humph!

Eu tenho certeza que o Giriboy achou essa produção dele horrorosa e, ao invés de lançar por conta própria, repassou para o primeiro boygroup desesperado em ter uma Love Scenario no catálogo. E é claro que a Cube pegou essa demo para o Pentagon provar que eles conseguem se virar sem o namorado da Hyuna, mas tudo só acabou sendo uma merda constrangedora em vários níveis.

AKB48 – Sustainable

AKB48 resolveu reviver os tempos de ouro delas na cena idol japonesa como se não fosse a época que fez o grupo ser o mais odiado dentro da fanbase de J-pop pelo baixissimo aproveitamento do grupo e o fato delas venderem 1 milhão de cópias por cada single horrível. Eu falo isso mas eu nem sou o maior hater das músicas delas, adoro algumas músicas mais tosconas delas e Koisuru Fortune Cookie consegue ser uma das melhores músicas do J-pop na década, só que essa “Sustainable” só pegou tudo de pior no grupo e embalou tudo num único pacote.

AI – Baby You Can Cry

A AI deve ser muito amiga da Namie Amuro, pois só isso justifica a Namie ter liberado um dos maiores clássicos da carreira dela pra AI transformar nessa coisa meia bomba aí. E olha que eu gosto de Baby You Can Cry mas pfvr, é muito mais lucrativo ouvir “Baby Don’t Cry” por 2 horas em loop do que isso aí.

Sayumi Michishige – OK! Ikimakucchae

Que Loneliness Tokyo seria uma grande exceção na discografia da Sayumi Michishige eu não tinha dúvida, a safada adora pagar de fofinha e faz álbuns projetados para musicais em que os véios de guerra que a acompanham e adoram ela ver pagar de fofinha no auge dos seus 30 anos. Mas nada me preparou para uma bomba tão pavorosa quanto essa música.

Koda Kumi – Summer Time

re(CORD) é mais um álbum em que Koda Kumi me acerta com uma ou duas músicas realmente legais e umas 10 faixas feitas no automático que eu curto por ser a Koda Kumi lançando (Qualquer dia desses rola um reviewzão), mas dessa vez ela resolveu lançar praticamente o álbum todo como single e fez essa experiência ser algo do tipo “Vamos amar/odiar essa safada uma música por vez durante 3 meses”. Nisso entra Summer Time, 2º single do projeto que é até legal mas qual é, conhecemos o histórico de singles de verão da Kumi e essa música passa longe de ter alguma relevância pra ela.

Matsui Jurina – Privacy

Pra encerrar o post fiquem com o ÁLBUM solo da Matsui Jurina que, de alguma forma, conseguiu ser uma das coisas mais letárgicas que eu já ouvi em anos ouvindo J-pop.

14 comentários em “As músicas mais pau mole de 2019 no K-pop/J-pop”

      1. mas de modo geral acho que a/o operaluv não mentiu…..pq tem um MONTE de música do final da 2 geração que era/é HORROROSA e geral grita hino

        Curtir

  1. CARAI EU NÃO PODIA CONCORDAR MAIS CONTIGO sobre esse álbum da Jurina. Eu tinha muita expectativa por ser a Jurina, mas conseguiu ser uma bosta colossal. Até a capa feita no PicsArt é horrível.

    Curtir

  2. Bom vamos lá, eu gostei de metade das musicas da lista(Room Shaker no começo eu tinha essa mesma opinião mais depois eu já tava rebolando o cu pela casa ao som dessa maravilha, Birthday e uma bomba mas e uma bomba carismática) Hyolyn decepcionou mesmo esse ano mas vamos concordar que ela ta meio flopada na coreia então ela deve ta guardando dinheiro, a Koda pra mim morreu em Bon Voyage e prefiro fingir que tudo que ela veem lançando ultimamente não existe.
    Me doi muito como Reveluv mas concordo com Zimzalabim e olha que eu já engoli muita bomba lançada pelo Red Velvet.
    Sem comentários pelo desserviço da Jurina com os gays

    Curtir

  3. Machucou o pouquinho o ego, mais estou tentando evoluir pq gostei da sinceridade do autor o que falta em blogs que falam de Kpop. O povo tem medo das fanbases.

    Curtir

Os comentários estão desativados.