Year End 100: As melhores músicas de 2019 no Asian Pop (40-26)

E aí, leitores, como está o 2020 de vocês? Já beijaram alguma boca, se decepcionaram com alguma merda e/ou deram streams para Thumbs Up do Momoland? Eu sei que já paguei o pão com manteiga da JooE com esse comeback, mas agora estou de volta com o Year End 100 elegendo as melhores músicas de 2019, e entrando no tão aguardado Top 40, onde várias músicas foram filtradas e só a nata dos lançamentos de Asian Pop batem cartão nessa parte do ranking. Será que a sua favorita está nessa parte ou ainda sobreviveu pro Top 25? Vamos descobrir a partir de agora, com o 40º lugar indo para…

40. Girl Crush – Memories

(Certifique-se de estar logado no YouTube pois o vídeo foi sinalizado como +18)

Eu não faço a mínima ideia de onde surgiu esse Girl Crush nem se elas vão conseguir lançar alguma outra música um dia, mas quando vi a capa disso com esse look coming of age justíssimo valorizando o formato dos peitos e poses que fizeram as colunas delas lutarem por semanas a única coisa que pensei foi: “Elas vão honrar o legado que o Stellar deixou e eu vou amar isso”. E foi isso mesmo que aconteceu: Elas pegaram todo o atrevimento e safadeza do Stellar e transformaram numa música pra elas, e eu simplesmente estou vivendo por essa música até hoje.

39. CHANMINA – Call

A CHANMINA entregou o meu álbum asiático favorito de 2019 com o “Never Grow Up”, e dá pra creditar boa parte desse êxito na escolha muito boa de faixas promocionais que me fizeram ficar bem interessado em ouvir o álbum. Essa “Call”, por exemplo, faz aquele híbrido de hip hop reflexivo e faixa pop sofrência que bate bem fundo e me faz refletir sobre todas as decisões erradas que tive com o crush (E que vou repetir no dia seguinte mas vocês pegaram a vibe né).

38. GWSN – Total Eclipse (Black Out)

Começando com a trilogia de girlgroups que entregaram b-sides melhores que seus materiais promocionais desse post temos as gatinhas do bot park que serviram muitos hinos nessa trilogia de debut do grupo. A minha favorita desse rolê é “Total Eclipse (Black Out)”, que é exatamente o mesmo deep house servindo f(x) 4 walls de todos os singles do grupo, mas os elementos mais diferentes que a música tem em comparação me fizeram adorar essa música de um jeito diferente. É bem provável que elas não abandonem o deep house tão cedo mesmo com o fim da trilogia de EPs de estreia, então seria interessante se elas pegassem essa música como um início para uma sonoridade que dê um pouco mais de identidade para o grupo nesse subgênero (Não que estejam ruins como estão, mas uma hora isso delas lembrarem f(x) em todo single vai acabar enchendo o saco).

37. Loona – Satellite

Acabei enjoando de “Butterfly” com o passar do tempo e o fato do Loona ter desaparecido quase o ano inteiro (Provavelmente por conta dos segundos empregos que as integrantes arranjaram pra pagar as contas milionárias da BBC) não ajudou a reerguer o single delas comigo, mas “Satellite” seguiu com tudo em um dos refrões pop que mais me viciaram esse ano. De longe a melhor música do Loona como grupo, e fica aqui a torcida para elas seguirem com músicas do tipo enchendo um bom álbum para o comeback de 2020 (Ou no ano que esse comeback sair né).

36. Everglow – HUSH

Eu entendi o Everglow como concorrência do BLACKPINK e até respeito isso (Afinal os dois singles delas dão uma surra em Kill This Love), mas assim como o girlgroup da YG o melhor delas foi quando elas largaram essa coisa baddest bitch de lado e apostaram num EDM mais chill e doce, com uma letra lindíssima e um instrumental todo melódico. Nunca que funcionaria como single de Kpop, mas isso não impede a música de ser maravilhosa.

35. Sheena Ringo – Kouzen no Himitsu

Nunca fui de ouvir as músicas da Sheena Ringo por conta desse timbre de tiazona que fuma 7 maços de Dallas Prata por dia que ela tem e eu nunca fui muito fã, mas não nego que ela é uma ótima artista que serve o puro e melhor suco de J-pop sem muitas referências externas que pode se ter por lá. E essa “Kouzen no Himitsu” superou todas as barreiras que eu tenho com ela servindo um ótima ótima trilha de algum produto de ação japonês que sem dúvidas venderia milhões e seria aclamadíssimo pelas massas. Nao é o suficiente para me fazer virar fã da véia mas já serve pra falar que ouço e amo pelo menos uma música dela.

34. YUKIKA – NEON

O City Pop ganhou força na esfera nugu coreana esse ano com várias gatinhas tentando fazer seu ganha pão em cima desse gênero que fez a alegria de muitos japoneses na década de 80. Uma dessas fofas é a YUKIKA, que debutou com essa maravilhosa música que carrega todo um vocal doce e inocente em cima de um instrumental que me dá vontade de caminhar a noite pela avenida paulista sem medo de ser assaltado ouvindo essa música em loop por horas. Obrigado por deixar minhas noites mais felizes, menina mulher.

33. Baek Yerin – Maybe It’s Not Your Fault

“Aleatoriamente” a Baek Yerin roubou a peruca da Yubin e se tornou a it girl do City Pop na Coreia enquanto ainda estava na JYP (E isso foi a última pá de terra pro enterro do 15& também), mas acho totalmente justificável a Coreia ter feito a Yerin acontecer com essa “Maybe It’s Not Your Fault”, trazendo um oposto de “NEON” onde ganhamos uma música mais suave, com vocais mais emotivos e uma trilha perfeita para uma tarde de chuva enquanto tomo meu chá.

32. IU – The Visitor

Esse EP novo da IU é repleto de músicas low profile com a intenção de mostrar personalidade e intimismo em músicas mais simples. Muitos engoliram sem muito esforço, eu mesmo prefiro as coisas mais desbocadas que ela vinha lançando antes, mas pelo menos esse comeback rendeu “The Visitor”, onde ela serve uma faixa acústica que funciona em sua proposta de acertar cada acorde em mim como um soco enquanto IU entrega vocais perfeitos para esse tipo de canção.

31. SKE48 – FRUSTRATION

AKB48 não lançou a nova “Teacher Teacher” e foi aquela merda horrível de quase todo ano em 2019, então coube ao SKE48 lançar o pancadão 48 pra salvar a franquia da irrelevância nesse relevantíssimo ranking de fim de ano. “FRUSTRATION” (Possivelmente uma das palavras da língua inglesa mais tristes pro japonês médio pronunciar, a julgar por como elas cantam aqui) é uma daquelas farofas de virada de início dos ano que um LMFAO da vida estaria lançando e a gente odiando, mas com 20 japonesas batendo cartão como bop isso daqui virou a perfeição em forma de farofa de verão.

30. Happiness – Chao Chao

Como Happiness sobreviveu ao furacão Reina e vai virar um grupo global nas mãos da rising88 em 2020, eu acredito que “Chao Chao” seja um teste de como o japonês vai receber esse provável futuro delas de farofadas tryhard badass que algum boygroup no Kpop lança todo mês mas é muito mais legal quando é um girlgroup lançando. E não só as duas vocalistas do Happiness combinaram com o som dessa música como o grupo inteiro vende muito bem essa imagem de minas fodonas que qubram tudo, o que acabou resultando um dos melhores singles da história do Happiness, que com sorte vai ter anos mais frutíferos agora que não tem mais a sombra do E-Girls/Flower atrapalhando.

29. Tiffany Young – Magnetic Moon

O EP americano da Tiffany tem lá uma ou outra coisa interessante mas convenhamos: Ela só entrou no radar depois que chegou na mesa do Garibay e mandou lançar com ela todas as demos dance que ele não lançou com a Kylie Minogue. “Magnetic Moon” é totalmente o EDM das pistas europeias que a lenda australiana entrega com louvor em todo álbum e Tiffany com seus 12 quilos de autotune seguram muito bem esse legado e finalmente fez esse “living my diva fantasy” na carreira da Tiffany render pra valer na minha playlist (E que deve render um nicho de fãs mais consistente pra ela se continuar nesse ritmo).

28. Hara – Midnight Queen

O retorno de Harinha ao J-pop entregou tudo que os Kamillas (E uma parte considerável dos fãs véios de Kpop) estavam morrendo de saudade: Uma farofa com referências europeias e assinatura do Sweetune. “Midnight Queen” é um revival de tudo que aquele povo de 2009-2013 (E o KARA em toda a carreira) servia de melhor na Coreia, e Hara merece toda a aclamação do mundo por isso.

27. Chungha – Chica

Temos que amar a chica Chungha pegando sua melhor faixa de verão até hoje e não transformar em single de comeback, sendo no máximo um follow up para preencher as promos do último EP. Tenho certeza que “Chica” só não foi single pelo desempenho inferior que os singles anteriores dela tiveram com essa temática, mas ela devia ter apostado nessa aqui pois é uma música fortíssima que faz até a gente esquecer que a gente odeia essa tendência tropical que o Kpop não deixa morrer.

26. Miryo – Invitation (feat. Uhm Jung Hwa)

O álbum de covers do Brown Eyed Girls mirou muito em reler clássicos mais lentos do cancioneiro coreano para dar aquela valorizada na assinatura de grupo vocal delas, o que não é ruim mas se torna pouco desfrutável se você não é daqueles que tem muita paciência pras baladinhas de lá. Por sorte a Miryo resolveu ser a exceção (Até porque ela é rapper e não deve cantar muita coisa) e resolveu reviver Invitation, um dos maiores clássicos do pop coreano, com uma roupagem totalmente moderna e a PRÓPRIA Uhm Jung Hwa dando uma palhinha na própria música e sensualizando no refrão. Somente grandes vitórias nessa música.

E é isso por hoje. Agora só faltam 25 músicas e, se nenhuma notícia relevante tipo quem é a próxima a ser chutada do Momoland ou a Lee Hyori anunciando um comeback bombástico para 2020 surgir nos próximos dias, eu termino isso aqui essa semana ainda, mas a essa altura já dá pra imaginar qual vai ser o meu Top 10 né? Ou não? Digam aí os seus desejos nos comentários.

2 comentários em “Year End 100: As melhores músicas de 2019 no Asian Pop (40-26)”

  1. eu iludida achando que tu postou pois eu tinha te lembrado HAHAHAHAHA

    sou muito cadelinha da hara pois aceito a maioria das coisas que já lançou (menos lalala e choco chip)

    deitando muito pra tiffany (menos pra born e remember)

    tu sabe onde acha a discografia completa das egirls e happiness??

    Curtir

Os comentários estão desativados.