RECAP — Miss Back S01E01: Histórias tristes de idols esquecidas pelo público

Sim, eu sei, eu não terminei os recaps do Good Girl. Hoje em dia eu nem tenho uma justificativa decente para não ter continuado com os recaps do programa, eu tinha até vontade de continuar mas faltava aquela energia para fazer os posts (Que dão muito trabalho de fazer). Isso de não fazer os posts junto com a transmissão também me deu uma bela desanimada, mas agora temos mais um reality fresquinho para comentar: Miss Back, o novo programa da MBN que nos faz relembrar de idols esquecidas pelo grande público. O programa estreou na semana passada, mas o engsub chegou essa semana e, agora, podemos fazer deliciosos comentários sobre o programa:

O Miss Back começa falando sobre a batalha dos girlgroups pelo sucesso, destacando os principais girlgroups da 1ª e 2ª geração (S.E.S, Fin K.L, SNSD, Wonder Girls e 2NE1) e falando que 260 girlgroups já debutaram na Coreia. Ou seja, 1300 garotas e mulheres espalhadas pelo país (E redondezas) podem botar nos seus currículos que já foram/são idols de girlgroups de K-pop. Depois rolam alguns depoimentos de ex-idols (censuradas) contando histórias de assédio, agressões, homens que mandavam fotos de suas partes íntimas sem pedir e etc., e como elas vivem hoje em dia em trabalhos comuns depois que o público passou a ignorá-las como cantoras. Isso tudo para contextualizar a missão do programa: Trazer essas idols de volta para os palcos.

Baek Ji Young aparece comentando sobre como muitas cantoras/grupos desapareceram da mídia ao longo dos seus 21 anos de carreira, e quer dar a elas uma segunda chance para criarem a “música de suas vidas” (= uma oportunidade delas criarem um sucesso atemporal e serem lembradas para sempre), como a própria Baek Ji Young tem aos montes nos anos 2000. Primeiro indício de que a Baek Ji Young virou uma musa da direita coreana: Eles escolheram 3 baladas da Baek para provar que ela é a fodona dos hits, mas a gata também lançou muita farofa safada que poderia ser citada mas eles ignoraram. OK que os baladões são bem mais memoráveis mas COME ON, eles poderiam ter lembrado pelo menos dessa delícia aqui só pra avisar pras viúvas internacionais que a Baekzão também foi uma diva pop (E muito boa por sinal).

A Baek fazendo de tudo pra ocultar o passado de pop bitch

Daí chegamos na introdução aos 2 mentores do programa (Junto com a Baek Ji Young): O mega compositor coreano Yoon Il Sang e a integrante do Celeb Five Song Euni (Que cedeu a cadeira em que em estava para o compositor pois, segundo ele, o lado esquerdo dele é mais bonito para as câmeras). O que rola de relevante nessa parte é a baek explicando sobre o programa:

  1. Dar a oportunidade de cantoras esquecidas lançarem suas canções atemporais;
  2. Essas cantoras não serão eliminadas durante o programa (= Não é um survival show);
  3. A Baek estava procurando grandes cantoras que fizeram parte de girlgroups já esquecidos.

E com essa explicação, vamos para o 1º contato com as participantes. Soyul (ex-Crayon Pop, atual esposa do carinha do H.O.T e filha da JamJam) é a primeira a entrar na sala, e vamos ao segundo indício de que Baek Ji Young virou uma musa da direita coreana: Ela chocada por uma mãe de família topar participar dessa delícia. Algum problema com mães idols, Baek?

Raina (ex-After School e ex-Orange Caramel… Ou não, se levarmos em conta a piada que a Pledis não matou nenhum dos grupos oficialmente) é a segunda a chegar, rola um papo sobre lados mais bonitos para as câmeras mas nenhuma energia tão grande quanto a chegada de Gayoung (Ex-Stellar), que chegou animada por reconhecer a Soyul (Que são amigas que não se viam há muitos anos). Sera (ex-9Muses) e Nada (ex-Wassup) são as próximas a chegarem, e enquanto a entrada da Sera dura, tipo, 3 segundos, a Nada impressiona as outras pela energia de gostosona e as mechas de Anitta que ela debutou no programa. A Nada também fica chocada pois ela não acreditava que esse programa incluiria integrantes de girlgroups que já foram populares (Soyul e Raina) e não acreditava que elas eram esquecidas… Obviamente ela parou de acompanhar a fanbase de kpoppers brasileira, pois ninguém com menos de 18 anos no kpop twitter lembra que existiram grupos como Crayon Pop ou After School.

Subin (ex-Dal Shabet, atual Dalsoobin) chega no recinto e ela se choca com a presença da Sera, afinal não tinha muito tempo que elas tinham se visto (Provavelmente se referindo ao encontro que as duas tiveram para o canal da Sera no Youtube). A Soyul fala “Nossa, você está mais bonita agora” e a Subin faz uns gestos no rosto provavelmente querendo dizer “Dr. Kim, querida, depois te passo o número da lenda”. Yujin (ex-The Ark) é a 7ª participante e quase ninguém reconhece a garota, mostrando comprometimento com o conceito do programa. Só a Subin reconhece a garota pois ela lembra da única música que o The Ark lançou, mas em defesa das outras seria difícil lembrar de um grupo que durou, tipo, 3 meses e 1 single… Diferente da última participante chegando no grupo: Soyeon (ex-T-ara), chegando com todas falando que são fãs da cantora.

Um papo inútil de idade, os mentores entram na sala, outro papo inútil sobre não falar unnie ou oppa, vamos para a primeira etapa da programa: As histórias de vida. Nessa parte as integrantes contam sobre suas histórias em seus grupos e mostram um pouco do dia-a-dia delas hoje em dia, e é aí que as coisas ficam mais pesadas pois rolam muitos desabafos, histórias tristes e intensas sobre o que elas passam para manter a vida idol (Vou evitar qualquer piada a partir desse ponto pois tem histórias bem pesadas aqui). A primeira a contar sua história é a Sera, que começa falando sobre o documentário do 9Muses em que ela virou notícia por apanhar do céu com uma folha de papel enrolada e como foi difícil para ela gravar o MV de No Playboy com uma cinta liga, que ela chorava no banheiro se vendo no espelho e as gravações do vídeo foram interrompidas múltiplas vezes por conta disso (Além dela ter perdido o posto de líder do grupo ali).

[TW: Nessa parte a Sera fala sobre sua síndrome do pânico. É meio pesado e pode gatilhar quem é mais sensível com esse conteúdo (Mesmo tentando não entrar em tantos detalhes aqui), então fica esse aviso. Uma linha vermelha vai indicar o fim desse assunto no post, para quem quiser pular essa parte]

Depois mostram o dia da Sera, onde ela fala sobre/mostra sua síndrome do pânico e como ela lida com isso. Ela acorda de madrugada várias vezes para comer (E ela não se lembra disso), toma seus remédios, visita seu psicólogo, tem certa dificuldade de usar transporte público por conta de sua ansiedade… Mas o momento mais pesado é quando ela termina seu conteúdo para o YouTube e desaba emocionalmente, repetindo de cabeça baixa e chorando que vai ficar tudo bem, como se o personagem brilhante e feliz dos vídeos tivesse acabado e ela pudesse libertar toda a angústia e fragilidade. A Soyeon compartilha uma experiência semelhante, onde o grupo dela recebeu muitas críticas pesadas por conta de um mal entendido (Ela não fala qual, mas é provavelmente o Hwayoung-gate) e acabou sentindo a mesma angústia e ansiedade, que a levou para o hospital anos depois para ela ser diagnosticada com depressão e ansiedade. Ela também recebeu remédios mas decidiu não tomar pelo medo de não se recuperar totalmente e virar dependente deles, e mostrou toda sua preocupação com a Sera por parecer totalmente isolada, falando que o Miss Back será uma experiência ótima de união e boas memórias.

__________________________________________________________________________

O final do depoimento mostra uma visita dela ao banco para pedir um empréstimo que ela não consegue, fala sobre o fato dela ter criado o próprio selo e produziu seu álbum e um show com o próprio dinheiro. Para sua performance, Sera escolheu cantar o baladão “Please” da Lee Sora, onde ela pôde mostrar todas as suas habilidades como vocalista de novo.

A próxima história é a de Soyul, ex-Crayon Pop. Eles comentam sobre como Bar Bar Bar foi uma febre na Coreia, como ela chegou a passar 1 semana na van para cumprir sua agenda de 10 compromissos por dia e também sobre como ela odiava a voz que fazia no grupo por não ser a voz real dela. Depois disso mostram o dia a dia de dona de casa e mãe da JamJam, e ela fala sobre como não quer que a maternidade a impeça de continuar na ativa. É uma história mais leve e com menos revelações tristes, mas é um bom segmento para quem gosta de ver mãe e filha sendo mãe e filha. Depois disso mostram a Soyul frequentando uma academia de dança lá pro fim da noite, onde ela aprende a coreografia de “How You Like That” do BLACKPINK e até dança na frente das outras participantes. A performance da Soyul é de “Southbound Train”, música trot de Kim Soo Hee. Uma performance mais leve e animada para combinar com toda a história que a Soyul compartilhou aqui (E onde ela mostra sua voz confortável, sem precisar forçar pelo conceito do Crayon Pop).

Por fim temos a Gayoung contando parte da sua história (O resto deve ser contado no EP2). Ela comenta sobre como o Stellar deveria ser um grupo fofo como o Apink mas isso não chamou muita atenção do público, então a empresa decidiu apostar no conceito +19 de Marionette. Como isso gerou muitas notas e o calendário delas ficou mais cheio com a repercussão, a empresa continuou com esse conceito (Com o ápice sendo aquelas fotos de “Vibrato” onde elas deixam a calcinha exposta), mesmo com os diversos comentários difamando, ofendendo ou até falando baixarias gratuitas para as integrantes. Ainda sobre a foto de “Vibrato”, ela comenta sobre como não queria chegar a esse ponto, o representante da ex-agência delas fala que vão tirar as fotos e, se forem longe demais, eles não publicam. Elas acreditaram nele e tiraram as fotos que estavam na cara que estavam indo longe demais, mas o staff meio que ignorou e publicou mesmo assim. Isso tudo mais o papo financeiro sobre as dívidas e os pagamentos defasados que ela recebeu foram um assunto quente o bastante para a própria ex agência se pronunciar sobre o assunto, falando que as declarações da Gayoung eram iguais à difamação, com a produção do Miss Back defendendo que tudo que a Gayoung disse no programa é verdade.

Chegamos na hora de mostrar o dia da Gayoung, que nessa primeira parte se divide em dois pontos importantes. O primeiro é em como ela ainda recebe mensagens de homens mandando fotos de suas partes íntimas e mensagens oferecendo dinheiro para ela em troca de favores sexuais, e se ela recebe essas coisas ainda nos dias de hoje em que ela não está mais na ativa, imagina nos tempos em que o Stellar era um assunto na Coreia… Muito difícil imaginar toda a dor e angústia que a Gayoung (E o Stellar, como um todo) passou, e ainda fica pior com o segundo ponto: A reputação que ela obteve como parte do Stellar. Ela fala sobre como sentia muito por ter se tornado uma filha que sua mãe se envergonhava de apresentar, pois quando a mãe fala que a filha fez parte do Stellar e as pessoas vão pesquisar sobre o grupo, os comentários eram “Por que ela fazia isso?” naquele tom de condenação, mas logo recebe uma fala de conforto da Song Euni dizendo que nada disso era culpa dela. O programa termina mostrando a mudança de estilo da Gayoung que, por conta de toda a exposição e backlash que recebeu pelos conceitos provocantes do Stellar, acabou adotando roupas mais longas e escuras, que não destaquem o seu corpo.

No próximo episódio o programa vai terminar de mostrar a história da Gayoung e mostrar a rotina das outras participantes (Na prévia mostram a Yujin vivendo como entregadora, a Raina como streamer e a Nada em um photoshoot). No geral é um primeiro episódio bem tocante, com as primeiras performances sendo confortantes para o público que deve assistir o programa (Pessoas mais velhas e kpoppers mais old school com saudades de suas faves). É meio complicado imaginar que esse programa seja muito comentado e ganhe muita atenção no geral, mas foi muito interessante ouvir essas histórias de vida e as que virão no EP2 (Que já foi transmitido mas ainda não achei links legendados até o momento que publiquei esse post).


O Dalshabetglobal postou links para assistir o EP1 do programa legendado em inglês. Não achei nenhum site ou conta no twitter legendando o programa em português.

7 comentários em “RECAP — Miss Back S01E01: Histórias tristes de idols esquecidas pelo público”

  1. Nem lembrava desse reality mas fui ver depois que vc comentou no twitter, e nossa……
    É muito foda pq mostra a real mesmo das ex-idols.
    A Sera, eu não fazia IDEIA, de que ela passava por tudo isso, e achei muito boa a iniciativa dela de querer mostrar isso na tv para que as pessoas que também sofrem de pânico e afins se identifiquem e possam procurar ajuda.
    A Soyul é ok, mamãe idol, nada dms.
    E a Gayeon, cara…… Tem sequelas pelo que passou no Stellar e isso é inacreditável, como puderam fazer isso com elas, poxa…… E sofre consequência até hoje né, com macho escroto…
    Queria MT que isso viralizasse lá na coreia e elas pudessem realmente ter conhecimento, e a galera ver os podres que existem na indústria.

    Curtir

  2. Assisti o primeiro episódio e já estou bastante ansiosa pro segundo, o que não entendi é que estava todo mundo no hip pra essa série ( documentário sei lá) lançar e agora não vejo ninguém falando sobre isso, nem no twitter, deve ser por que só tem legenda em inglês… Mesmo assim nenhuma fansub legendou nem pra PT nem pra espanhol🤔. Bem espero que façam a legenda para que mais pessoas possam ver que a indústria musical não é a Disney.

    Curtir

  3. oh, espero que alguem legal possa legendar pra português. Infelizmente meu inglês anda péssimo 😔.

    Eu vi os dois relatos em uma página sobre a menina ex Stellar e a do Nine Muse, e fiquei angustiada e de coração partido. Mas isso serve pra vermos que e tambem para as mais novas verem em como a indústria de kpop não é esse sonho bonito de esforço e sorte.
    PS. E morta com a coragem da que é mãe, gostei! Quem sabe isso não muda um pouco a cabeça desse amebas conservadores que acham que idol e artistas mulheres tem prazo de validade?

    Curtir

  4. Nossa que triste . Conheço quase todas as meninas . Elas são descartadas tão facilmente , deve ser tão doloroso correr tanto atrás de um sonho, sofrer tanto para acabar assim. Me surpreendeu ver idols que já fizeram sucesso esquecidas assim… Fico pensando se um dia algumas das integrantes do Snsd estarão esquecidas assim tbm. Sei que é um grupo grande mas já da pra ver que foram substituídas…..

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s