O que (não) aconteceu em 2020: O álbum da Chungha

2020 acabou e os idols estão aquecendo os motores para engatar mais uma série de comebacks safadíssimos e questionáveis para nosso deleite (A essa altura em outros anos a gente já estava fritando com um bopzão mas vamos levar em conta que estamos no meio de uma pandemia né). Mas, enquanto o pessoal por lá não empolga no mês de janeiro, vamos continuar revivendo algumas coisas que aconteceram (Ou não) no mundinho do K-pop que abalaram a fanbase.

E uma coisa que deveria ter rolado em 2020 mas foram enrolando e enrolando até não conseguirem lançar mais em 2020 foi o “QUERENCIA”, primeiro full album da Chungha.

Muita gente não conseguiu lançar o seu álbum esse ano: A CL tentou e acabou adiando, a Hyuna tentou mas ficou doente e acabou adiando, a IU prometeu um álbum e ficou por isso mesmo, a Sunmi tá aí há dois anos tentando e nada, e por aí vai. Mas acho que o álbum de 2020 que mais doeu de ver engavetado foi o da Chungha, pois ela prometeu que vinha desde o ano passado e a gata estava empenhada, trabalhando e lançando música quase todo mês para, no final, não lançar o QUERENCIA.

As primeiras menções de full album da Chungha rolaram em março de 2020, quando a Chungha anunciou o primeiro pré-release para o mesmo. Mas, antes disso, Chungha já tinha lançado 4 músicas: A parceria com o Paul Kim “Loveship”, a OST “My Love”, a participação especial na música do Changmin (TVXQ) “Lie” e “Everybody Has”, uma faixa usada para o projeto “New.Wav” (Uma espécie de “SM Station” da empresa da Chungha). A faixa estava planejada para ser lançada no full album, mas acabaram optando por lançar como parte do “New.Wav”. A faixa também mostra o lado das baladinhas da Chungha, sendo esse o 1º solo ballad lançado como single da cantora desde sua primeira música “Week” (Descartando OSTs).

Com o álbum e o esquema de pré-lançamentos anunciado, veio o “Pre-release #1” do QUERENCIA: “Stay Tonight”, lançado no final de abril. Com esse single tivemos a 1ª conclusão do álbum: Chungha quer se tornar a dinda oficial dos gays. Para isso ela pegou o house mais safado da gaveta da RuPaul e transformou em um jam, além de um MV todo trabalhado no brilho, purpurina, looks, carão, gays que dançam e uma coreografia cheia de poses de impacto e voguing. Reclamações quanto a isso: Nenhuma, afinal eu botei essa entre as minhas 10 favoritas de 2020, e a Chungha mostrou que ganhou vários níveis como performer na coreografia mais elaborada da carreira, então o famoso hype foi criado aqui (E estava altíssimo).

Aqui a gente não tinha uma data de álbum ou nome definidos, mas já dava pra entender que a Chungha lançaria outras músicas como pré-lançamentos depois de “Stay Tonight”… O problema é que demorou para o 2º pre-release de fato chegar. Ela lançou outras músicas como o single especial “My Friend”, em parceria com o pH-1, e “Be Yourself”, música para a Chungha vender uma sprite geladinha na Coreia, mas o 2º single do álbum foi “PLAY (feat. Changmo)”, lançado no início de julho (Pouco mais de 2 meses depois de “Stay Tonight”).

Com um visual novo e cabelos vermelhos, Chungha incendiou (rs) seus fãs com essa farofona latina e animadíssima, onde Chungha mostrou suas habilidades no tango e outras coisas que rendeu um barulhinho entre alguns espanhóis que chamaram isso de Apropriação Cultural, mostrando mais uma vez que Chungha estava sedenta pelo título de dinda dos gays (Adoramos uma diva pop com uma polêmica agitando a carreira de vez em quando). Outro single ótimo da Chungha (Embora não tão aclamado pelas massas quanto “Stay Tonight”) que mostrava que a ideia de ser um álbum sem seguir um conceito específico e apostando em várias cores e sonoridades estava indo muito bem.

O problema é que ela não tinha definido nada sobre o álbum, e a essa altura a pergunta era: Quando seria lançado? Ninguém, nem mesmo a Chungha, fazia ideia. Mas isso não parou a Chungha de lançar música: Em setembro vieram a OST “You’re In My Soul” (Que é uma faixa deliciosa e um ótimo som para investir como uma das faixas do álbum) e “Bad Boy”, uma parceria com o cantor dinamarquês Christopher. Essa parceria internacional serviu como uma espécie de “introdução” da Chungha ao mercado internacional com a cantora anunciando um contrato com a 88rising meses depois, mas notícias do álbum só foram dadas em novembro, quando tivemos nome e data revelados.

Aqui tivemos a confirmação de que o “Querencia” não seria lançado esse ano, mas sim no dia 4 de janeiro depois de outras duas músicas: “Dream Of You” (feat. R3HAB) e “X”, com a primeira sendo totalmente em inglês e o 1º single da cantora com a 88rising, e o segundo sendo o “Pre-release #3” do álbum.

O negócio começou como o planejado, com “Dream Of You” sendo lançado no dia 27 de novembro. A música segue a mesma linha de hino para as pistas de dança de “Stay Tonight”, só que numa pegada mais anos 90 e dando orgulho para o Michael Jackson. Se no início da carreira Chungha chegou a ser criticada por suas coreografias serem muito fáceis e fracas, aqui ela mostrou que tem capacidade para ser a nova dançarina da nação. Se o álbum estava demorando horrores para sair, pelo menos os gays estavam bem servidos com a cantora.

Em dezembro a Chungha chegou até a lançar teasers para “X”, que tinha previsão para sair no dia 10, mas aí ela foi diagnosticada com Covid-19…

… E tudo teve que ser adiado para a Chungha fazer a sua quarentena e se recuperar da doença. Hoje a cantora já está recuperada e o lançamento de “X” já foi reagendado para esse mês de janeiro, mas o QUERENCIA segue sem uma nova data anunciada.

As minhas apostas para o álbum são que:

  1. Muita coisa que ela lançou além dos dois singles oficiais deve ser reaproveitada para esse álbum;
  2. Ele realmente vai apostar em diferentes gêneros e nada vai ter muita conexão em termos de sonoridade, com a Chungha apostando que faixas fortes sustentarão o álbum muito bem (Como o “Fluorishing”, mas em forma de full album);
  3. Ele será muito bom.

A essa altura não tem como não achar que a Chungha vai derrapar com o álbum, pois ela tem o bom gosto com as produções que escolhe e está com fogo no olhar para consolidar de vez seu nome como um dos grandes solos do K-pop. Vimos pelos pre-releases (E até pelos singles especiais) que a Chungha não está para brincadeira e vem aí com um candidato a melhor álbum do ano, então que venha o QUERENCIA (De preferência em 2021 mesmo).

2 comentários em “O que (não) aconteceu em 2020: O álbum da Chungha”

Os comentários estão encerrados.