Review Retrô: Quando o Rania debutou chocando a sociedade com muita baixaria e saliência em “Dr. Feel Good” (2011)

Hoje faz 10 anos desde que o Rania conseguiu debutar com um dos debuts mais conturbados da história do K-pop (Combinando com a trajetória do grupo que foi tão bagunçada quanto), então essa review retrô vai comentar sobre “Dr. Feel Good”, o debut que ficou conhecido por ser “too hot for netizens” na fanbase. Mas, afinal, o que “Dr. Feel Good” tinha demais?

Assim que o Rania botou o vídeo na internet, vários portais, fóruns e internautas comentaram/criticaram o conteúdo por ser apelativo demais no K-pop. O vídeo é basicamente o Rania brilhando e dançando de forma mais provocativa numas roupinhas safadas de látex em 2 ou 3 cenários (Ou 1 cenário que teve 2 ou 3 decorações diferentes, não sei como a DR Music investiu os 200 reais que esse vídeo custou), mas era tanta saliência, toque na xana, integrantes insinuando beijo e movimentos pélvicos que os netizens decidiram que era baixaria demais para as criancinhas assistirem… E isso não faz sentido já que 2 anos antes o pessoal lá estava batendo palma para o Brown Eyed Girls fazendo exatamente a mesma coisa em “Abracadabra” (E num nível em que transformaram essa música em um dos maiores clássicos do K-pop):

Ok que no caso do BEG boa parte das intengrantes já estava lá com seus 30 anos enquanto o Rania era um monte de novinha batendo bunda num galpão mal iluminado, mas ainda assim o MV nem vai tão longe assim. Enfim, o Rania virava assunto no noticiário e nos portais de fofoca e, além de ser um grande flop, estava lá sujando qualquer reputação que o grupo poderia ter.

Porém, tem uma coisa que eu considero parte do legado de “Dr. Feel Good”: A quantidade de conceitos sexy que vieram depois dele. Rania foi muito mal falado? Sim, mas não deixou de ser comentado, e isso serviu como um parâmetro para as empresas coreanas investirem em seus grupos femininos. O sexy concept era o futuro e a chance de ganharem notas gratuitas e expor seus girlgroups, só não podiam ir tão “baixo” quanto o Rania. Anos mais tarde o Stellar redefiniu as coisas com “Marionette”, mas se um girlgroup lá entre 2011 e 2014 poderia servir um conceito provocativo, é porque o Rania definiu o que (não) poderia ser feito.

Mas e a música? “Dr. Feel Good” é um popzão safado com sintetizadores ocidentais distorcidos de forma safada com as gatinhas cantando safadamente sobre se sentirem mal e precisarem de um doutor para ficar bem. Tudo isso foi cortesia de Teddy Riley (Não confundir com o Teddy Park, da YG), um produtor dos Estados Unidos que resolveu dar uma demo para o Rania sem grandes pretensões e do nada virou o grande padrinho do grupo (É sério, o nome do debut do Rania é “Teddy Riley’s First Expansion” e o produtor sequer sabia disso). Chocante, mas não para uma empresa que pegou um rap do 2PAC na caruda para botar no comeback com o Baby V.O.X. (Que deu tanto problema e dor de cabeça que basicamente foi responsável por acabar com o grupo). Isso tudo aconteceu mas não tirou o brilho de “Dr. Feel Good”, que virou um grande bop e um dos grandes números sensuais do quinto escalão coreano.

6 comentários em “Review Retrô: Quando o Rania debutou chocando a sociedade com muita baixaria e saliência em “Dr. Feel Good” (2011)”

  1. Putz, essa música é boa demais. e realmente, esse MV em 2011 poderia ter sido lançado por qualquer pop star norte americana (não era o Rania que tinha uns descartes da Lady gaga?)
    A carreira do Rania foi um verdadeiro sururu. Sai integrante, entra integrante, polêmicas. A formação de 2013 era vocalmente muito boa, e quando eu achava que elas iam decolar, vinha o Porão. aí já veio a era Demostrade e o hype já era quase 0.

    Curtir

  2. Eu acho que dependia demais do grupo. Gente, BEG, Gain tinha conceitos provocativos e a turma achava de boas. Só lembro da época, que a Hyuna se lançou e todo mundo xingava ela, mas agora diminuiu um pouco.
    Sobre a música, na época ouvi muito naqueles encontros de cultura asiática.

    Curtir

    1. Na verdade o Brown Eyed Girls e as integrantes não cresceram como “grupo pra adolescente” como boa parte do K-pop mainstream, daí foi mais “fácil” o geralzão aceitar os conceitos mais provocativos delas. Elas eram a exceção do K-pop antes do sexy concept bombar de 2012 pra frente.

      O ponto é a coreografia de “Abracadabra” ser basicamente a mesma de “Dr. Feel Good” (Com um pouco mais de bom gosto e orçamento na hora da gravação, mas é tão saliente quanto), pessoal pegou no pé pelo Rania ser um grupo de novinhas mesmo

      Curtir

  3. Eu ia discordar e discorrer sobre as diferenças entre feel good e abracadabra, porém fica só a discordância.
    Dr Feel Good para mim a letra fala sobre depressão e o eu lírico busca no prazer sexual a sensação de preenchimento causada pelo vazio existencial.

    Curtir

  4. Nossa, essa música é mt boa. Elas tem, em geral, algumas músicas mt boas e outras bem meh.

    Agora pensando nisso em 2011, talvez o q tenha mais chocado foi pelo fato de serem realmente novatas, né (e novinhas), já querer chegar esfregando a pp na tv eles devem ter se chocado (mas visto nas madrugadas)

    Curtir

Os comentários estão desativados.