RECAP — Kingdom – Legendary War S01E04: Gangues, tango e banheirão

NO EPISÓDIO ANTERIOR: ATEEZ hitou. SF9 fracassou. O resto ficou ali no meio e as performances foram bem qualquer coisa (BTOB roubados). No episódio de hoje: A estreia do REBORN, algumas performances que podem (Ou não) me surpreender e a queda do Yunho na apresentação do programa. Esse recap está saindo um pouco atrasado pois estava doente nos dias que eu normalmente assisto/escrevo sobre o programa mas eu não desisti desse povo ainda. Então vamos ver o que rolou no 4º episódio:

O episódio de hoje começa com as equipes absorvendo os resultados parciais do 1º round. ATEEZ é só alegria, afinal eles ficaram em primeiro lugar. Já o BTOB (Que apanhou um pouquinho pela quarta posição) chegou a conclusão que eles precisam criar uma história em suas apresentações para não ficar muito atrás dos outros grupos na competição e não deixar o espectador entediado, então estou louco para ver o conceito e enredo que foi planejado para um deles rasgar a camisa na prévia da próxima performance do BTOB que rolou 1 minuto antes nesse EP.

The Boyz fica feliz por estar na 3ª posição meio que ignorando o fato deles caírem uma posição em comparação com a intro, diferente do Stray Kids que comentou sobre como não conseguiram corresponder algumas expectativas ficando em 2º lugar depois de ganharem a rodada de aquecimento. Essas reações mais amenas do The Boyz aos resultados me dão a impressão do grupo não ligar muito em competir de verdade no Kingdom pois eles JÁ SAÍRAM GANHANDO por subirem de divisão na concepção da indústria e eles serem um grupo com popularidade agora, então qualquer coisa que eles conseguirem no Kingdom é lucro. A competição deles é com eles mesmos e, na minha visão, eles estão certos em levar o programa assim. iKON falou qualquer coisa que não é muito relevante e o SF9 está num clima de enterro depois de falecerem na última posição e tentando entender o que aconteceu para floparem assim.

Aí rola um segmento deles lendo as críticas dos especialistas, rasgando seda para quem eles gostaram e descendo a lenha para quem odiaram. Como nesse recap eu tenho mais credibilidade que todos esses críticos estudados e credenciados para comentar sobre música e só a minha opinião importa (Até porque eu sou o único nesse mundinho de blogueiros e seguidores de blogueiros de fundo de quintal que está assistindo essa bagunça), é óbvio que discordei de quase tudo que eles falaram, mas no resumo da ópera: Eles falam que o ATEEZ lacrou, o Stray Kids se perdeu um pouco na rápida troca de cenas da apresentação, The Boyz sentiu a pressão de querer mostrar mais do que podem depois de vencerem o Road To Kingdom, BTOB não tinha uma historinha para explicar a dança de espadas e temática oriental da performance, iKON foi uma chatice e o SF9 foi esquecível.

2ª rodada começa e aqui deixamos uma mensagem de luto ao Yunho, que saiu da apresentação do programa enquanto resolve suas pendências com a polícia. A partir desse episódio, Changmin é o único apresentador do Kingdom. Ele fala que o resultado da votação popular na 1ª rodada será revelado só no final do episódio (Provavelmente para não afetar a apresentação deles nessa rodada), mas vamos adiantar as coisas um pouco e comentar o que foi revelado dos resultados:

Avaliação dos especialistas: 1º ATEEZ, 2º Stray Kids, 3º The Boyz, 4º SF9, 5º BTOB/iKON

Avaliação entre os grupos: 1º ATEEZ, 2º BTOB, 3º Stray Kids, 4º The Boyz, 5º iKON, 6º SF9

Visualizações: 1º Stray Kids, 2º iKON, 3º ATEEZ, 4º BTOB, 5º The Boyz, 6º SF9

Votação global: 1º Stray Kids, 2º SF9, 3º iKON, 4º BTOB, 5º ATEEZ, 6º The Boyz

A pontuação deve ser revelada no final das apresentações no próximo episódio (Esse formato de pontuação ficou a coisa mais arrastada da história), mas já dá para concluir que o Stray Kids vai encerrar a 1ª rodada na frente já que pegaram o 1º lugar nas duas outras categorias (Especialmente na votação popular que eles ficaram MUITO a frente do ATEEZ e vale 40% da pontuação). Eu já disse aqui que seria difícil tombar a mafia do menu nesse programa, mas estou impressionado com a organização dos fãs do SF9 que conseguiram um segundo lugar na votação global pois acredito que eles possuem a menor fanbase do programa, então superar quase todo mundo ali deve dar um gás para o grupo talvez não fechar o round 1 na lanterna.

E começa a 2ª rodada: REBORN, a rodada onde os grupos performam as músicas dos concorrentes. ATEEZ escolheu o iKON para trocar figurinhas. Stray Kids escolheu o BTOB, e isso deixou os tios em pânico pois eles vão ter que dançar pra valer com as farofadas do Stray Kids e não sabem se os ossos e o estoque de calcitran que eles guardaram aguentam tanta pancada…

BTOB reclamando sobre seus ossos de paçoca desde o EP1

…e The Boyz/SF9 sobraram para fazer duplinha entre si. Assim como no Queendom, essa rodada seria mais interessante se o grupo 1 escolhesse a própria música que o grupo 2 cantaria e vice-versa (O The Boyz escolhendo que música deles o SF9 vai cantar, por exemplo), masok. Intros e explicações dadas, vamos falar sobre as 3 primeiras apresentações de hoje:

SF9 – The Stealer (The Scene)

O SF9 começa com um dos integrantes prometendo que se o grupo ficar em último lugar de novo ele vai raspar a cabeça, o que é uma promessa perigosa a se fazer pois VAI QUE acontece mesmo e o pessoal começa a cobrar (Tipo a Minyoung do Brave Girls que na época das promoções de “Rollin'” prometeu que rasparia a cabeça se o grupo conseguisse um #1 sem contar com a possibilidade do exército sul coreano hitar a música do nada 4 anos depois). O grupo escolhe cantar “The Stealer”, e as ideias que os integrantes vão dando combinam em um conceito de filme noir (Que o fansub me explica ser um sub-gênero de filme policial com personagens crueis e inescrupulosos). Na prática, vamos ver duas gangues se enfrentando e se matando enquanto eles cantam essa música do The Boyz, sendo basicamente o que o Yunho fez no início do ano quando lançou “Thank U”.

O resto desse segmento de preparação é com eles recebendo umas aulas de atuação do prestigiado ator de musicais Jung Sung Hwa. O negócio era mais ou menos assim: Eles atuavam por conta própria > ficava muito ruim > Sung Hwa dava umas dicas para melhorar > Eles tentavam de novo com os conselhos > Ficava muito bom, e foi isso que rolou por uns 5 minutos de programa. A partir daí mostraram os ensaios e como veremos muitas cenas de ação, eles pressionados com os resultados fracos da rodada anterior, como eles querem melhorar suas posições no programa e aquela coisa padrão de quem fica em último lugar na competição (Mas não dá para negar que rolou muito esforço para fazer acontecer dessa vez).

O censor na Coreia borrando facas mas eles SARRARAM COM REVÓLVERES 10 segundos antes e passou tranquilo… Qual a lógica???

E a performance? Ficou muito boa. Começando pela estrutura, que parece ter custado mais do que os 50 reais da performance anterior, até a execução, onde temos a histórinha de mafiosos se enfrentando bem clara e que se desenvolveu muito bem, com todos os momentos de ação sendo impressionantes e interessantes de se assistir. Para quem gosta, dois deles passam a apresentação inteira exibindo o abdômen, e a música foi agradável de ouvir até o obrigatório break acrobático surgir e arruinar tudo. Um outro ponto fraco da performance é que alguns deles transpareceram nervosismo nos momentos de atuação, o que acabou afetando na hora de convencerem que são oppas malvadões (Um deles está com uma cara de assustado em todo take que aparece), mas nada que matasse toda essa atmosfera de gangues inimigas se estapeando por dinheiro. No geral foi uma performance muito sólida, que mostra uma evolução clara do SF9 de uma performance para outra.

Conclusão: Um sólido Hit, foi uma noite feliz para o SF9.

The Boyz – O Sole Mio (The Red Wedding)

O Kingdom começa mostrando um take deles desapontados por terem caído para o terceiro lugar, jogando no lixo tudo que falei sobre não se importarem com a competição alguns parágrafos antes (E eles devem cair ainda mais levando em conta o fracasso que eles foram na votação popular), e começam a maquinar ideias para voltarem ao topo. Nisso eles começam a falar sobre as músicas do SF9 que eles podem performar, até que lembram de K.O e do “famoso” (E complicadíssimo) movimento da roda gigante que a coreografia original tem. É claro que eles tentam fazer igual, e é claro que dá merda.

Eles não conseguem decidir ali mesmo o que fazer, então alguns deles resolvem fazer o obrigatório reencontro do Road To Kingdom, com integrantes do The Boyz, ONEUS, ONF e VERIVERY se reunindo para comer uma carne e dar uma ajudinha para os representantes da segunda divisão no Kingdom. Eu sinceramente não lembro dos girlgroups do Queendom dependerem tanto assim de ajuda externa para fazer o negócio acontecer em 2019, mas não é como se isso me incomodasse de fato também.

Um papo tosco sobre eles não terem certeza de estarem indo bem na competição depois, eles decidiram performar “O Sole Mio”. Nessa parte deviam mostrar os ensaios e o planejamento de conceito para o espectador ter uma ideia do que eles vão fazer na performance, mas o programa decidiu focar em conversas melosas e foram uns bons 15 minutos jogados no lixo (Foram bem fofos, mas não estou aqui pra isso).

Na performance, os momentos mais memoráveis são quando eles estão dançando e dramatizando na gaiola pois ali eles realmente prendem a minha atenção e eu fico curioso para ver até onde isso vai. O problema é que todo o resto parece básico demais para o que estou assistindo até aqui, e isso é ruim. Aprecio o esforço deles tentarem se destacar por conta própria e sem muitos artifícios e bugigangas (Deu certo na primeira performance), mas a combinação preto+vermelho é aquela coisa efetiva porém óbvia em uma apresentação de tango/pop latino e eles simplesmente não brilham na performance, fazendo a apresentação se tornar algo comum. É tudo muito correto e bem feitinho, mas quase nada é cativante de ouvir (Apesar da música ser muito boa) ou de assistir, e o resultado é uma apresentação que não tira o fôlego de ninguém.

Conclusão: Um pequeno flop, nada que eu desgoste mas é uma apresentação tímida se comparar com o que eles já fizeram no programa até aqui.

iKON – Inception (iKON ver.)

O segmento do iKON começa com esse print de um dos integrantes do ATEEZ falando que viu o iKON indo ao banheiro e eu levei um pequeno susto pois a qualquer momento poderia surgir um papo sobre BANHEIRÃO nesse programa.

……. Meu deus.

Depois mostram o ATEEZ e o iKON muito íntimos e próximos nos bastidores e eu pensei “Meu deus, rolou um banheirão mesmo” mas calma galera, ali era só o iKON tentando fazer amigos mesmo. Foi um momento MUITO longo no programa tentando me convencer de que o iKON pode socializar com novinhos e tipo, ok, entendi que talvez esses twinks vão dar pro iKON depois do programa, vamos pular o fanservice.

Uma pequena discussão sobre performar “Answer” ou “Inception” ou “Anseption” (Um mashup das duas músicas), mas no fim eles decidem por “Inception” mesmo. Aí mostra ensaios, eles regravando a música, a ideia de alterar loucamente o refrão e eles discutindo sobre o conceito da apresentação e como usar o filme “A Origem” como referência. Tudo começa meio besta com “O filme lembra sonho que lembra dormir que lembra cama… GOTCHA!! Vamos botar uma cama no palco”. Depois as ideias ficam elaboradas e a coisa toda parece ficar interessante. E de repente rolou esse momento do iKON falando como é bom respirar um ar porque eles ficam no porão da YG:

Esse momento deles tomando vento na sacada foi bem soft, btw

Sobre a performance, eu não sei o que comentar sobre a referência ao filme pois nunca assisti “A Origem” (E acho que eu entenderia melhor tudo o que rolou na apresentação deles se eu tivesse assistido), mas todo o resto ficou MUITO bom. Toda a interação deles com a estrutura do palco ficou muito legal, eles não erraram no timing e foi muito legal de assistir, conforme a performance se desenvolvia eu ficava muito afim de ver o que eles iam fazer e o que ia acontecer com a estrutura depois, sendo um dos raros casos onde nesse programa onde o grupo não é engolido pelo palco caríssimo. O remix da música também ficou muito legal, (É um bate-estaca irritante mas não tão irritante quanto poderia ser) e eu já estou 100% dentro da energia e carisma do Bobby que parece viver com 3 tranquilizantes de cavalo agindo no corpo. Todos os artifícios são muito bons, o grupo brilha na performance e eu fiquei curioso para ver esse filme no fim. Deu tudo certo.

Conclusão: Um grande HIT… Quem diria hein, iKON?

No próximo episódio (Que foi transmitido ontem) teremos o resto das performances da rodada REBORN e os resultados finais do Round 1/parciais do Round 2, mas o que eu queria comentar mesmo é esse rumor que está rolando deles cantarem músicas femininas mais pra frente do programa:

Eu estou impressionado em como essa seleção só foi feita na base de músicas de bicha véia, mas com um medo danado deles remixarem essas músicas do jeito que estão remixando e tudo virar uma barulheira horrível. Não que exista um jeito de deixar Come Back Home PIOR do que já é, mas tudo é possível na mão desse monte de boygroups badass. Até o próximo episódio.

12 comentários em “RECAP — Kingdom – Legendary War S01E04: Gangues, tango e banheirão”

  1. na verdade a coreografia de ko imita um gatilho de revolver e eu acho esse passo incrível (por causa da força e extensão que os músculos exercem), ainda bem que o the boyz desistiu de emular isso pq ia ser um fiasco

    Curtir

  2. ctz q o que eu mais gostei foi o bobby 100% dopado e o resto do integrantes focadassos em fazer cara de oppa mal,,,,,, bobby pulado no meio

    Curtir

  3. Eu adoro a história da “máfia do menu” kkkk
    Já disse aqui e repito, Stray Kids é o meu grupo preferido, porém eles não estão inovando muito, tá sempre nesse conceito dark/misterioso/oppa fodão, e eu tbm não tenho saco de tá fazendo stream adoidado pra gerar views, e menos ainda de criar n sei quantas contas pra votar por eles no app do programa. Então é isso, assisto somente torcendo pra eles ficarem mais conhecidos positivamente na Coréia (o que talvez já esteja sendo difícil pq eles estão com um membro em hiatus envolvido em “polêmicas”)

    Curtir

    1. Eles quase entraram no meu radar, mas não consegui curtir os álbuns de jeito nenhum só achei UM relativamente bonzinho, e o carinha lá bonito me chamava a atenção, mas antes do hiatos eu não sei se foi dieta ou se ele mexeu mais do que o devido na cara, que eu tava achando ele uma boneca estranhissima!
      E sem falar que o fandom quer que tu se mate dando views e essas coisas e eu não tenho a mínima paciência e nem tempo.

      Curtir

      1. Sim, o fandom quer q vc dê o seu sangue por eles pq “os meninos merecem demais” –‘
        Eu definitivamente não sou esse tipo de fã, sou o tipo que só aprecia as músicas mesmo, e ainda esqueço que as músicas que eu não gostei existem!

        Esse negócio da boneca estranhíssima, eu as vezes não sei dizer se eles são realmente assim, ou se é muita maquiagem e efeito de whitewashing, pq eu já vi fotos “normais” deles, sem aquelas caralhadas de edições que os coreanos gostam de colocar, e parecem bonitos pra mim.

        Curtir

        1. Sim, pode ser os efeitos também, porque as fotos tirada por fãs sem efeito e em câmeras comuns eles não são estranhos. Mas infelizmente a produção de cor branca porcelana voltou com força esses últimos anos.
          E sim, eu já tenho tanta coisa pra fazer, tem tempos que eu só me informo depois que o grupo teve comeback e tal.

          Curtir

  4. Acho o ikon ruim. Pensei que era só eu que tinha reparado na cara de nervosismo dos meninos do SF9. Achei o The boyz decente, ATEEZ eu não consigo prestar atenção neles, e o BTOB representando a terceira idade e sabendo servir entretenimento fora dos palcos. XD

    Curtir

  5. Eu também fiquei meio alegrezinha pelo suposto seguimento de música feminina, mas esqueci que claramente irão fazer um remix horroroso então as chances de cagarem com tudo é de quase 99%.
    Coitado do SF9, mas tambem já era previsivel que os coitados seriam os flopados porque a única vez que vi comentarem sobre eles foi no lance de terem torrado dinheiro nos palcos e os coitados nada.
    Agora quem diria que veria o senhor elogiando o Ikon em alguns momentos hein. Quem diria…

    Curtir

  6. Gaaay, sobre esse seguimento feminino juro que no fundo o que eu queria era alguém reproduzindo um conceito bem de quenga, principalmente o SF9 fazendo um remake de alguma piranhagem do AOA…

    Curtir

  7. puts imagina não ter ouvido e chamar come back home de musica ruim , imagino que tipo de grupo a pessoa escuta.

    Curtir

Os comentários estão encerrados.