Do pior ao melhor: Ranqueando os singles coreanos do SNSD

Ranquear singles de grupos mortos é sempre uma boa oportunidade de revisitar a história e rever clássicos de outras gerações do K-pop. E como hoje é dia de finados, nada mais justo do que reviver mais um grupo morto nesse blog e falar um pouco desse que foi um dos grupos mais importantes para a construção do que é o K-pop hoje. Do pior ao melhor, vamos ranquear os singles da carreira coreana do SNSD, que é bem longa e já dá um post enorme (Por isso a discografia japonesa fica para outro dia):

Tier D — Ruim/Horrível

The Boys

Essa daqui eu já dou porrada desde que me entendo por gente e quem acompanha esse blogueiro desde o outro blog sabe a aversão que tenho por essa música, mas vamos lá: Música chata, versos mais chatos ainda, refrão tedioso e o break aleatório é totalmente dispensável. Uma música que prometeu muito na época e não entrega nada até hoje, e a fanbase aclamar essa como se fosse uma das melhores músicas do SNSD é um dos maiores surtos coletivos que eu conheço desse bando de desequilibrados que são os kpoppers.

I Got A Boy

… Pelo menos essa aqui a maioria não está disposta a fingir e só aceita que é horrorosa mesmo. Quer dizer, tem uns aí que começaram a chamar “I Got A Boy” de Bohemian Rhapsody do kpop e não ironicamente defendem essa salada de frutas vencida como se valesse a pena, mas não vale. Nada conversa com nada aqui, são só várias batidas ruins misturadas de qualquer jeito onde um som acaba sabotando o outro. “I Got A Boy” mira na ousadia, mas só consegue ser insuportável.

Party

Nem a Riachuelo se atreveria a tocar essa aqui em algum comercial ou dentro de uma das lojas de lá. Um dos piores singles de verão do K-pop e a única vitoriosa aqui foi a Jessica que se livrou de uma bomba.

Tier C — Mais ou menos

Baby Baby

Nunca fiz questão de ouvir antes e, depois que ouvi para escrever esse post, não lembro de nada da música. Mas a wikipedia tá falando que isso aqui foi single, então fica aqui no tier C só para falar que fiz essa menção.

You Think

A SM é muito rasa para entregar conceitos girl power, e “You Think” é tão inofensiva que mais parece que as gatinhas estão tentando serem gostosonas pela 1ª vez na vida e saiu algo extremamente forçado. “You Think” não chega a ser desastrosa, só é fraquíssima e o tipo de coisa que até nugu se recusaria a lançar mas, de alguma forma, a SM achou que seria legal jogar no colo delas. De longe o single mais esquecível do SNSD.

Tier B — Bom

Girls Generation

Assim como em todo girlgroup que a SM tem interesse em fazer acontecer, o SNSD lançou um cover de música velha coreana logo no seu 1º comeback. Ela dá certo como uma música de girlgroup, acho que a SM conseguiu transformar e dar a identidade delas nesse cover, mas tudo soa tão “Into The New World Round 2” que acaba sendo… esquecível. Uma boa faixa que me deixa felizinho ouvino, mas não é daquelas que me importe muito em ouvir.

Run Devil Run

Essa aqui ganha uns pontos por ser algo bem diferente do que o SNSD vinha fazendo até então, com um vídeo monocromático e uma farofona “”””dark”””” bem girlboss mostrando todo o poder do grupo mas, por conta própria, é uma faixa boa e só. Esse é outro exemplo do SNSD tentando fazer algo fora da curva e ser mais interessante pelo conceito “diferentão” dos lançamentos de gostosas apaixonadas do grupo do que pelo som que elas entregaram, mas pelo menos essa demo rejeitada da Kesha é (bem) melhor do que The Boys e I Got A Boy. Não é a coisa mais interessante do SNSD (Ou algo tão bom quanto tentam vender porque Sone tem um mau gosto impressionante), mas é uma faixa gostosa dentro de uma playlist #girlpower ou coisa assim.

Dancing Queen

“Dancing Queen” era pra ser single do SNSD lá em 2008, mas a Duffy acabou lançando a mesma demo antes que se tornou um grande hit no mundo todo e a SM preferiu evitar dor de cabeça com acusações de plágio engavetando isso aqui e lançando “Gee” no lugar (Ou seja, indiretamente o maior hit do SNSD surgiu graças a Duffy). Em 2012 a SM decidiu tirar o pó e lançar essa como pré-lançamento do I GOT A BOY, e embora não tenha a energia melancólica e um pouquinho debochada que faz de “Mercy” tão icônica, mas esse instrumental é muito bom e faz qualquer música de bonequinha como essa ser bem legal.

Mr. Mr.

Se “The Boys” fosse uma música boa (Ou “Bad Girl” tivesse uma versão coreana com um break), e, seria “Mr. Mr.”. é uma pena que a SM sempre tentou manter uma marca de meninas modelo em cima delas pois, com uns produtores mais chapados e uma disposição de fazer algo mais forte, “Mr. Mr.” seria fácil um dos destaques da carreira do grupo. Do jeito que ficou é só uma boa faixa que me diverte nas vezes que lembro que existe.

Lion Heart

“Lion Heart” é mais um exemplo de que a SM é muito rasa para fazer conceitos retrô (E isso fica ainda mais evidente lembrando que esse vídeo saiu um pouco depois de “I Feel You” do Wonder Girls), mas a música é uma graça. É basicamente o revival das músicas de menininha apaixonada que deram tão certo na vida delas (Só que, ao invés de algum ninfeto do SHINee, elas querem dar uma sentada num leão aqui) e deu certo nesse que é o último hitzão do SNSD na Coreia. Uma faixa fofinha, e bem melhor que o contraponto girlpower do comeback que é “You Think”.

Holiday

“Holiday” é o single mais tosco do SNSD, e acho que por isso mesmo funciona comigo. Involuntariamente elas servem personalidade aqui em um single mais despretensioso, com um som mais divertido e leve das meninas só se preocupando em serem felizes no feriadão, e isso acaba fazendo “Holiday” ser uma boa ouvida. “Holiday” não é previsível quanto o conceito de garotas apaixonadas que deu tão certo no SNSD e não é tão ruim quanto os conceitos mais girlboss que elas já lançaram, sendo o tipo de cafonice que eu curto só por curtir. Um bom single.

Tier A — Ótimo

Into The New World

O debut mais clássico da 2ª geração do K-pop, que não hitou logo de cara mas acabou virando uma das canções assinatura do grupo. “Into The New World” combina muito bem a energia de popzinho mágico e adolescente com uma pitada de hip hop dançante, e o refrão em coro é um dos mais bem executados do K-pop, mas só não coloco no Tier S porque alguns vocais me irritam muito aí. OK que em 2007 as empresas de K-pop tinham uma garagem e um sonho para gravar as músicas, mas a música é meio cansativa com as gatinhas que sabem cantar e nada a ver para as que estavam no grupo para dançar (E a Yuri, coitada, não tem essa voz de senhora de 34 anos divorciada que desce 12 derbys por dia nem agora que ela é uma senhora de 34 anos divorciada que desce 12 derbys por dia, imagina nessa época de rookie). Mas a música é uma delícia para cantar e soltar a voz junto, então acho que está valendo a música ser assim.

Kissing You

“Kissing You” é o primeiro exemplo de SNSD cafona que dá tão certo no grupo. Esse popzinho orquestrado + conceito fofo na sua fuça é o tipo de coisa que você pensa “Pelo amor de deus que coisa brega” mas que o coreano médio AMA (É sério) e eu acho uma graça. “Kissing You” envelheceu como um bom vinho para mim, e embora não seja uma grande música, me lembra meus tempos como gayzinho adolescente que sonha com o primeiro amor. Pela nostalgia e os bons sentimentos que despertam em mim, fica no Tier A.

Oh!

“Oh!” sofre do mesmo mal do cover em forçar tanto ser 2.0 que acaba perdendo brilho por conta própria (Essa aqui é uma Gee mais vitaminada, basicamente), mas acerta em tudo que “Gee” também acerta: É um popzão fofo adorável, refrão icônico, ganchos memoráveis, vocais que combinam muito bem com o instrumental e etc. Acho que já dei mais streams nessa do que em “Gee” por ser mais fácil de dançar com a bunda empinada enquanto banco a fofa apaixonada no meu quarto, mas sei quando uma música 2.0 não brilha tanto como a original (E até assim “Oh!” consegue ser um dos melhores singles do SNSD).

Hoot

hahahahahaha A SM pegando o conceito de “2 Different Tears” do Wonder Girls na caruda e botando as gatonas para serem espiãs sensuais que usam as roupas mais feias do brechó em um popzão retrô inspirado em músicas de 007 e esses filmes de espião. O MV é um dos piores delas de longe, mas a música é ótima e mostra que dá para o SNSD fazer algo inesperado e tão icônico quanto seus clássicos mais atemporais.

All Night

Levou uns 7 anos até o SNSD lançar outro single realmente legal na Coreia, mas aqui estamos com elas cantando pra subir a noite toda numa farofinha house que valoriza os vocais mais maduros que essas gatas adquiriram depois de 10 anos de carreira. Tudo em “All Night” é extremamente prazeroso de ouvir, e reamente soa como uma despedida incrível e emocionante, e é uma pena que ninguém aceita que o SNSD morreu para poder seguir em frente ao invés de arrastar o cadáver até hoje e transformar o fim do grupo em uma piada pronta por anos, pois “All Night” tem potencial para ser uma das melhores faixas de despedida da história do K-pop.

Tier S — Perfeito

Gee

Outro exemplo de cafonice fofa do SNSD que dá muito certo para elas. É sério, a fanbase renega e quer dar um tiro em quem fala que o SNSD é o grupo mais brega do K-pop mas até esse esse instrumental borbulhante e apaixonado é o tipo de coisa que imagino divas como Stefany Crossfox e Edineia Macedo fazendo versões brasileiras igualmente cafonas e maravilhosas. “Gee” é incrível e memorável, e um ótimo exemplo do que foi a segunda geração do K-pop.

Genie

“Gee” trouxe o sucesso e o status de grupo da nação para o SNSD, mas tem alguns que são mais resistentes ao fenômeno que foi essa música. Então elas foram lá e lançaram “Genie” que é ainda MELHOR como pop/dance de grande gostosa que fetichiza o exército em troca de ser um gênio para os meus desejos. Se “Gee” não é a grande força do grupo com os gays, “Genie” faz qualquer um se sentir poderoso nas pistas de dança. O tipo de música obrigatória em qualquer throwback 2000 do K-pop.


Siga o Pop Asiático.jpg no twitter para acompanhar mais grupos mortos sendo ressuscitados por um blogueiro saudosista: @popasiaticojpg. Ou então, clique aqui e ajude o blogueiro a pagar as parcelas do notebook recém comprado, o que preferir.

13 comentários em “Do pior ao melhor: Ranqueando os singles coreanos do SNSD”

  1. Ahahah tô é rindo com a empresa do Lovelz decretando oficialmente a morte do grupo no dia dos finados. Eles fazem o deboche deles.
    Sobre o SNSD: caiu, mas caiu atirando. Poucos grupos tem no catálogo músicas tão lendárias que estão até hoje ditando moda para os novos grupos. Bora abrir uma cachaça, ouvir Genie e fingir que estamos numa pista de dança sensualizando.

    Curtido por 1 pessoa

  2. Concordei demais com sua lista, principalmente quando falou de You Think, The Boys e I Got Boy. 👀
    Conheci elas com Gee e acho interessante como ela e Genie tem um fator replay altíssimo. Tanto na coreografia icônica quanto na repetição. O povo pode até desdenhar das duas, mas pra mim isso era o kpop.
    PS. Apesar do clipe feio de Hoot, o que pegou mesmo era a coreografia da flechinha.

    Curtir

  3. em primeiro lugar
    lee hyori cadela e tapete eterno da boa
    em segundo lugar
    concordo com tudo que vc disse menos gee que de tanto ouvir enjoei e envelheceu como leite ao sol pra mim e mais ainda agora que a taeyeon conseguiu finalmente engolir isso ai, e realmente viu pois tenho a impressão que o snsd é um grupo com vários acertos muito bem feitos e vários erros, mas né não é como se qualquer discografia do kpop fosse do mesmo jeito visto a 2nd gen por uns anos ai quase não tiveram um álbum genuinamente bom

    Curtir

  4. Cada falecido tem algo a ser lembrado pelas gerações futuras. SNSD tem a sua: performar Genie em um porta-aviões usando seu icônico uniforme de marinheiras de saltinho. Jamais veremos uma celebração de soft power assim nessa indústria.

    Curtir

    1. Engano, não foi em porta-aviões, foi no heliponto de algum prédio. Criei essa ilusão na cabeça pois já vi tantas vezes o clipe que passei a acreditar que era mesmo um navio. O k-pop derreteu meu cérebro completamente. Tenho que me afastar disso.

      Curtir

  5. Não sou lá de ficar recomendando música assim em blog (já recomendei algumas aqui, mas não é algo que eu faço com frequência), mas essa eu acho que vale a pena indicar, porque em 1 minuto de música eu jurava que viria mais uma batida genérica de girlgroup imitando os boygroups atuais (até pelo histórico de outros singles do grupo) , mas não?! O refrão dessa música é ótimo, sem contar o MV que tem todo o sentido de ser lançado em época de halloween por causa da estética “filhas de satanás”, conseguiram fazer uma ótima edição mesmo sem tanto orçamento e que me fez achar o melhor MV do grupo até agora.

    Sobre a postagem:

    R.I.P!

    Curtir

  6. concordo com tudo, the boys pavorosa, e lembrar que essa foi a tentativa delas acontecerem nos eua…nossa senhora.
    meio nada a ver com o post, mas amo que colocam rdr como primeiro conceito “sexy” delas só por usarem roupa preto, sendo que elas tão cobertas da cabeça aos pés, e oh sendo conceito fofo, sendo que elas usavam top e short beira c*.

    Curtir

  7. Catch me if you can é tão ruim que não merece nem ser citada kkkkkkkkkkkk, realmente a versão coreana de the boys é bem ruim mas a em inglês é surpreendentemente bem agradável acredito que a única versão em inglês de um kpop que merece ser ouvida por ser melhor que a original.

    Curtir

Os comentários estão encerrados.

%d blogueiros gostam disto: