BLACKSWAN se torna o terceiro girlgroup de K-pop sem integrantes coreanas na história

Já tem quase 1 ano desde “Close To Me” e as únicas notícias que tivemos do grupo foram os barracos entre Leia e Fatou e a adição de Gabi e Sriya na formação, mas música mesmo ninguém na DR Music fez questão de divulgar. E agora a nova notinha da vez é que as duas coreanas do grupo, Youngheun e Judy, anunciaram que não são mais integrantes do BLACKSWAN:

Vi muita gente comentando que isso faria o BLACKSWAN ser o primeiro girlgroup de K-pop sem integrantes coreanas na indústria, mas não vamos fazer que nem a Anitta e apagar a história pois já tivemos outros girlgroups no K-pop sem integrantes coreanas, como o Z-Girls que debutou com meninas de diversos países da Ásia no K-pop…

… E o Honey Popcorn, que debutou com 3 japonesas no K-pop e só teve meninas do Japão na formação.

(Talvez tenha mais, mas esses dois são os que lembro de cabeça)

O que dá para dizer é que o BLACKSWAN é o primeiro girlgroup a ficar sem integrantes coreanas na história pois, diferente das outras citadas que já debutaram sem coreanas na formação, a DR Music batalhou por 11 anos para conseguir esse feito, chutando coreana por coreana desde os tempos mais simples de Rania até chegar a sua formação dos sonhos em 2022, formada pelas brasileiras Gabi e Leia, a indiana Sriya e a senegalesa Fatou.

A questão aqui é se a DR Music ainda vai usar os investimentos em coreano básico para essas meninas continuarem cantando em coreano ou se eles vão chutar o balde de vez e botar todas para cantarem em inglês mesmo. Quer dizer, já temos a versão em inglês de “Close To Me” pois já existiam “planos” (Entre aspas pois vamos fingir que a DR tem um plano mesmo) de fazer do BLACKSWAN um grupo global, mas será que ainda vão tentar forçar esse grupo na Coreia? Dizem que o grupo vai ter um comeback ainda esse ano, então vamos ver se essas perguntas serão respondidas ou se esse suposto lançamento será o ultimo prego para fechar o caixão do grupo.


Siga o Pop Asiático.jpg no twitter para mais comentários de uma gay não coreana sobre a indústria do K-pop: @popasiaticojpg

13 comentários sobre “BLACKSWAN se torna o terceiro girlgroup de K-pop sem integrantes coreanas na história

    • Tecnicamente o snh48 não é um braço do AKb, teve uma treta gigantesca, que terminou com o AKB debutando outro grupo irmão na China.
      O SNH48 tem um sistema louco onde não há graduação, as meninas ficam ligadas ao grupo o resto da vida.

      E o AKBSNH acabou sendo o novo grupo

  1. entra integrante sai integrante e a dr music n declara falência essa merda é ligada com empresa de arma q nem a do loona é????

    • Tava lendo alguns comentários que diziam que a empresa já escanteava as coreanas e dava um pouco de holofote nas estrangeiras. Talvez as meninas coreanas viram que só perderiam tempo e com toda certeza aquele barraco deve ter estremecido a permanência.
      Coragem ainda quererem debutar nessa empresa, veremos se ainda vão acrescentar mais outra.

    • Pois é. Não sei quem é mais insano: a DR MUSIC por insistir nesse grupo, ou as garotas interessadas em continuar/entrar nele…

      Acho que é a agência; as idols pelo menos têm alguma desculpa (já que não deve ser fácil pra pessoas com etnias tão diferentes terem espaço numa agência de k-pop; a DR MUSIC talvez seja a única que abre esse espaço pra elas – e o contrato deve ser do tipo que não abre brecha pra elas fugirem depois que percebem o barco furado em que se meteram).

  2. Sem a vocalista e main dancer, só ficou a visual, a rapper e duas trainees praticamente pq elas mal tiveram tempo pra treinar e só duas fluentes no idioma. Acho difícil essa formação funcionar. O Rania n tem sossego mesmo. Achei q com as 7 ia ter alguma chance da DR se esforçar mais, mas n tem jeito.

  3. Não sei oq ainda falta pra empresa entender que esse grupo não vai acontecer, não sei se é pq já estou saturadissima dessas mil formações e tentativas em cima do coitado do rania, mas acho que já tava mais do que na hora de acabar.

  4. Justiça seja feita, o Z-Girls (assim como seu grupo irmão Z-Boys) não se classificava como k-pop, mas sim como uma marmota chamada “z-pop”. Tanto que embora a sonoridade delas seja na mesma linha do k-pop (que por sua vez não é tão diferente do pop em outras partes do mundo), as músicas são em inglês, não em coreano. Por sinal, por onde será que elas (e os Z-Boys) andam?

    Quanto ao Honey Popcorn, essas foram transgressoras no k-pop de várias formas. Uma pena que a Coreia do Sul não abraçou elas; é verdade que as músicas do grupo eram bem fraquinhas, mas só a presença da maravilhosa Yua Mikami (que parece que continua gravando vídeos dançando músicas de k-pop, mostrando que o amor dela pelo k-pop era genuíno) já tornava o Honey Popcorn muito necessário!

    (por sinal, alguém lembra quando havia especulações de que a Yua seria a integrante final do LOONA, pelo anúncio da entrada dela no k-pop coincidir com o período de teasers da 12a garota do mês?)

  5. As duas que saíram deram unfollow na Leia, não vi ninguém comentar sobre isso. Parece que a Larissa era mesmo uma insuportável 💀 tudo indica que ela não sabe dividir os holofotes com as outras, além da fanbase dela fazer de todo para derrubar as outras. Só lembrando, quando saiu a polêmica da Hyeme aquela fanbase jogou uma fake news que ela fazia bullying com a Fatou e Leia, novamente sem provas com a fonte de um parente próximo a Leia, tudo para queimar mais a coitada. Engraçado que depois usaram de novo a mesma “estratégia” para queimar mais outras duas, mas com narrativa diferente agora a Fatou de vítima passou a ser a bully, jura nunca apresentaram sequer provas mais mesmo assim as pessoas acreditam e passam pano porque ela é brasileira.

    Obs: as coreanas continuam seguido a Fatou.

Deixe uma resposta