“AYA” é um balde de água fria para o ótimo 2020 do Mamamoo

Mamamoo estava tendo um 2020 muito bom para mim. Os solos que eu curto ainda são bops fortíssimos na minha playlist, o solo que não faz muito por mim também não faço questão de descer o pau, as músicas que soltaram como grupo estavam ótimas também e ainda teve HIP que dominou muito bem o início do ano mesmo sendo de 2019. Eu realmente não tinha do que reclamar do Mamamoo esse ano… Até que elas lançaram “AYA”:

Com um título como “AYA” e o que a Glória Perez e singles japoneses me ensinaram sobre a cultura da Índia, eu esperava que o Mamamoo fosse usar safadamente um sample da abertura de Caminho das Índias para esse comeback…

… Mas o que veio foi bem, hum, estranho. Quer dizer, a primeira leva de versos é bem boa, os vocais como sempre servindo e me envolvendo logo de cara, aquela coisa lenta porém hipnótica de ouvir. O que estoura esse comeback é o refrão (A falta de, no caso) que quebra totalmente o clima, além de não ter nada a ver com os versos. E depois a música fica ainda mais bagunçada não voltando com o instrumental dos primeiros versos e tudo fica parecendo mais um recorte de 3 músicas coladas de qualquer jeito. E, pra fechar, o break final sem nenhuma conexão com o resto da música, onde eles miraram no break latino de “Maria” e acertaram em qualquer droga do Teddy. Parece que estou falando de um single horrível do BLACKPINK mas não, é do Mamamoo mesmo.

Uma outra coisa que eu posso comentar sobre esse single é como ele, na maior parte do tempo, parece muito um follow up do que a Hwasa lançaria solo. Já é a 2ª vez que tenho essa impressão com um single do Mamamoo (“HIP” poderia ser muito bem um solo da Hwasa também), e eu me sinto meio mal ouvindo os comebacks do Mamamoo pensando que as outras estão sutilmente virando suporte para a Hwasão. Em “AYA” mesmo as melhores partes são da Hwasa, que engole as outras pra mim, e até no vídeo ela é o grande destaque no geral. Tipo, eu assisto o MV e no fim só lembro dela e dessa cena aqui:

Vai, bicha, joga na cara a monocelha e toda essa hidratação

“AYA” é um belo downgrade do Mamamoo pra mim, pois eu não lembro da última vez que fiquei tão decepcionado ouvindo um single delas. É um daqueles singles que tenta muito ser forte, exótico e impactante, e acaba virando uma barulheira sem sentido, sem criar a força prentendida, mas como eu simpatizo muito com o Mamamoo, talvez eu faça questão de ouvir mais vezes essa música pra ver se desce melhor. Ou talvez não, e “AYA” morra no limbo dos singles delas que eu finjo que não existem. Vamos ver.


Hidden gem: Travel

O novo EP do Mamamoo é… Bom. Eu costumo achar os álbuns delas bem medianos com um ou outro highlight, e embora dê para descrever o “Travel” desse jeito, eu acho que a média nele é melhor que a média de um álbum padrão delas. Das faixas inéditas, a melhor é a que carrega o nome do álbum pois, embora não tenha força para ser single (É um EP focado em servir “AYA” como faixa principal), é um número pop mais leve e redondinho para ouvir no dia a dia. É uma faixa perfeita para viajar, seja indo para a praia ou viajando nos pensamentos mesmo, então acredito que essa música cumpre com o seu objetivo. E como a faixa mistura melodia e sussurros muito bem, a música fica ainda mais agradável de ouvir. É uma bela música fora do convencional para o grupo.

8 comentários em ““AYA” é um balde de água fria para o ótimo 2020 do Mamamoo”

  1. Poxa, disse tudo Dougie. O Mamamoo entrou no meu radar por conta do solo da Hwasa, ja que nunca elas tiveram um apelo tão enorme assim comigo, mas curti aquela musiquinha que lançaram. E dai fiquei até curiosa, tô com tempo livre e concluindo um trabalho só do curso e tô acompanhando os lançamentos mais de perto. Mas que música xoxa! Sem falar que achei os visuais não muito agradáveis. E tão estranhos…e sim, notei também que a Hwasa é quase um ato principal nisso tudo, não sei se isso é bom ou ruim.

    Curtir

  2. também fiquei com a impressão de que era uma música da Hwasa com participação das outras, algo totalmente sem necessidade. Mamamoo não é um nugu que precisa se escorar na mais famosa pra conseguir destaque. O MV não acrescenta nada a música, apesar de ter umas partes bem bonitas. Achei a música muito chata e difícil de terminar. Vou fingir que o comeback foi com dingga como title. Agora imagina o horror total que Aya seria na mão de um grupo menos carismático e talentoso?!

    Curtir

  3. Achei essa Aya uma bosta… Uma tentativa malsucedida de imitar Egotistic e falhar miseravelmente. Deveriam ter lançado a própria Travel do álbum mesmo, já que ela é uma espécie de continuação espiritual de Starry Night e de boa qualidade. Tomara que a empresa delas lance um MV especial pra faixa-título com elas só curtindo uma viagem em alguma ilha paradisíaca, elas nem precisariam cantar nem dançar

    Curtir

    1. Enquanto isso, BlackPink e TWICE acertam em cheio nos singles novos.

      2020 está sendo um ano bastante atípico…

      Curtir

Os comentários estão desativados.