RECAP — Kingdom – Legendary War S01E05: Panela velha faz comida boa?

NO EPISÓDIO ANTERIOR: Começou a rodada RE-BORN, onde os grupos regravaram e se apresentaram com músicas da concorrência e fizeram essas canções “renascerem” com suas personalidades. SF9, The Boyz e iKON se apresentaram no ep4, e no ep5 teremos ATEEZ, BTOB e Stray Kids mostrando o que podem fazer com a música dos outros. Será que algum deles vai surpreender?

ATEEZ – Rhythm Ta (The Awakening Of Summer)

ATEEZ escolheu o iKON para fazer cover pois eles são fãs do grupo desde o primário e eles faziam apresentações de músicas na escola. Um dos integrantes do ATEEZ até quer dar para o Jay.

Enfim, um grande segmento deles babando nas músicas do iKON e como eles queriam ser que nem o grupo da YG quando crescer… Eu diria pra segurar a onda pois a maioria dos singles do iKON são uma tragédia mas eu não vou fazer isso em respeito ao Bobby que deu o nome no programa no EP anterior. E eles ainda decidem repetir “Rhythm Ta”, provando que acompanhar esse programa é uma provação pessoal pois todos ali estão dispostos a me fazer passar raiva com suas escolhas questionáveis.

Aí temos o HongJoong ganhando mais alguns pontinhos como a Soyeon do Kingdom e apostando na apropriação que nem a fodona do (G)I-DLE faz por esporte.

No meio dos ensaios rola uma citação a “Rollin'” do Brave Girls, e os meninos ficam animados por dançarem uma música boa pela primeira vez na carreira. E por algum motivo que eu não entendi direito eles vão dar tiros numa dessas casas de diversões com um campo para atirar com luzinha.

Sobre a performance, eu achei bem mais legal que a apresentação anterior deles. O remix ficou bem melhor que o original (O que não quer dizer bom, só que Rhythm Ta é bem ruim mesmo) e a performance é muito melhor editada. Se na 1ª rodada eles socaram firulas e alegorias numa apresentação em que eles acabaram se perdendo, aqui eles foram mais felizes na escolha de cenários e apetrechos. Eles se apresentando me lembraram muito o Block B com todos os plot twists e essa ideia de “criminosos maquiados com personalidade sádica” que era o que definia toda performance mais hip hop swag do grupo do Zico, e o final com tudo virando uma revolução contra o sistema opressor foi muito legal também. Acho que dava para editar ainda mais essa performance e tirar o break que rola depois do primeiro refrão (Com o carinha subindo a corda) e o final onde eles tentam linkar essa apresentação com a apresentação de Wonderland (Forçaram a barra aí), mas é uma performance muito boa no geral.

Conclusão: Um sólido Hit, pois simplesmente não dá para aclamar 100% uma apresentação de Rhythm Ta.

BTOB – Back Door

O BTOB parece estar em pânico com a ideia de esfarelar seus ossos com uma música do Stray Kids pois as músicas deles são bem acima do ritmo atual dos véios, mas esse é um perrengue que eles passariam com quase todos os grupos desse programa então chega de drama. Eles resolvem fazer uma lista de músicas horríveis do Stray Kids para performar, e eles decidem tacar o terror na caligrafia horrorosa do líder porque sim.

O processo para escolher a música foi: Fazer uma lista com as mais memoráveis do Stray Kids, escolherem entre as duas melhores e, nessa “final”, escolherem a faixa favorita deles… Que acabou sendo “Back Door”. Aí rola uma interação fofinha e engraçada com o Stray Kids onde um tenta roubar informações do outro, em um momemto fofinho de assistir.

Para a performance, a ideia é sugar todo o conceito que o Mamamoo fez com “Good Luck” do AOA no Queendom: Cada um com um conceito diferente e juntar tudo numa performance original e colorida. Honestamente acho aquela apresentação do Mamamoo uma bagunça, mas vai que eles fazem dar certo, né?! Nos ensaios separados, Changsub reclama muito da música ter um tom muito alto, Minhyuk faz um react de uma live da música enquanto pega uns passos da coreografia, Peniel vai reescrever a letra para convidar mulheres para festa (E não amigos, como na música original). Ou seja, quer cantar sobre sexo.

… Maturidade.

E Eunkwang está ouvindo batidas na porta para escolher qual é a melhor para usar na performance. Depois de prepararem tudo separados eles se juntam, gravam a versão do grupo para “Back Door” e começam a ensaiar a apresentação.

E a performance? Foi bem… sem graça. A ideia de ambientar os bastidores de roqueiros foi legal e eu gostei da parte onde cada um está em um camarim diferente mostrando sua personalidade e cor (Foi uma ideia melhor que a do Mamamoo, em comparação), o mano rasgando a camisa foi bom de assistir (Mas eu fiquei mais focado no bração do Peniel… ooooh), eles serviram vocais como de costume. Mas quando a transição acontece e eles vão dar o show… Não é impressionante, sabe?! Fora que 2 deles não sabem mais vender o conceito de oppa fodão da música (O Changsub, coitado, é o meu favorito do BTOB no programa e ficou totalmente avulso na performance). Já sabia que seria um desafio para o grupo apostar em um conceito oposto ao que eles fazem normalmente e, no geral, eles até conseguem segurar bem a música, mas senti assistindo que não foi o suficiente. E depois de 2 performances que eu amei, “Back Door” foi uma queda significativa para mim.

Conclusão: Um pequeno flop, tem pontos positivos e uma ideia legal mas não é uma apresentação tão emocionante no geral.

Stray Kids – I’ll Be Your Man (Stray Kids Ver.)

A ideia inicial era de apresentar “MOVIE”, mas eles acabaram optando por “I’ll Be Your Man” por ser uma faixa onde eles poderão mostrar um charme totalmente diferente do grupo. Ouvindo as duas músicas eu acho “MOVIE” mais ousada para o que o que eu costumo ouvir do Stray Kids, masok. Aí o programa um pequeno encontro entre alguns integrantes do BTOB e o trio de compositores do Stray Kids (Conhecidos como 3RACHA), onde o trio sugere que eles retrabalharam a faixa como um rock e o Peniel pensou “Tá aí, vão berrar em cima de um metalzão).

No geral esse encontro foi extremamente irritante com o pessoal exagerando nas brincadeiras e expressões por absolutamente nada, e esses primeiros minutos do Stray Kids são voltados só para exaltar o trio de compositores do grupo… Ok.

Os outros integrantes vão para uma oficina fazer um anel único, pois a história da performance é sobre “proteger quem eles mais prezam” e as pessoas mais importantes do Stray Kids são seus fãs, então eles querem fazer um anel especial para a fanbase do grupo (Deve ser fofinho para quem tem alguma ligação com o Stray Kids mas pelo amor, achei essa a coisa mais melosa que eles poderiam falar naquele momento). Cada um teve seus nomes/assinaturas no anel, e o Changbin recebeu um que estava escrito “Mooyaho”, que aparentemente é um meme na Coreia e eles botaram pra tirar onda com ele.

Hora das gravações e ensaios, e o desafio do Stray Kids é executar uma performance vocal tão boa quanto se espera de uma música do BTOB, e isso fica ainda mais complicado quando o Stray Kids não é um grupo tão aclamado assim nesse quesito. Mas o próprio BTOB fala que essa música é difícil de cantar mesmo e toda essa parte dos ensaios mostra toda essa preocupação com os vocais e como é uma música com um tom muito alto, então o plot de superação está pronto para os meninos.

A apresentação me rendeu reações mistas. A história que eles contaram com a performance ficou muito legal, o enredo foi bem claro e eles desenvolveram muito bem isso com toda a atuação dramática e personagens mantidos do início ao fim, com cada plot sendo impressionante e tocante (O final com o menino petrificado voltando a vida é a coisa mais adorável do Kingdom até aqui), então eles entregaram tudo visualmente. Um deleite de assistir, agora para ouvir eles cantando… Que coisa, hein, menina. Eu realmente senti que eles estavam tentando sair do safe e puxar os limites, mas tenho que falar que foi um desafio ouvir eles cantando sem silenciar o vídeo no meio, então eu não sei quem teve o desafio mais puxado aqui. Acho que foi a performance que mais gostei vendo e que mais detestei ouvindo, o que equilibra a balança no fim do dia.

Conclusão: …OK, uma apresentação muito legal de assistir mas bizarra de ouvir.

Então a minha listinha pessoal ficou: iKON > SF9/ATEEZ > Stray Kids > The Boyz/BTOB, mas chocantemente não achei uma performance totalmente ruim (Tivemos um outro quesito muito ruim, mas no geralzão mesmo dá para passar todo mundo). Será que estou me expondo demais ao programa e começando a curtir boygroups pra valer? Já tenho passe para escolher um bias no BTS? Estou com medo da pessoa que estou me tornando com esses recaps.

Rodada concluída, hora de anunciar os resultados. Como de costume, nesse episódio foram revelados as avaliações dos especialistas e dos grupos (Feitas logo após as apresentações), e no próximo episódio teremos o resultado das avaliações e apresentações dos fãs. Na avaliação dos especialistas, tivemos:

1º ATEEZ, 2º The Boyz, 3º iKON, 4º SF9, 5º BTOB, 6º Stray Kids

Acho que superestimaram demais a performance do The Boyz e não acho que o ATEEZ merecesse uma vitória tão confortável assim (iKON e SF9 mereciam mais pontos aí pois as performances foram tão boas quanto). BTOB ficou na mesma posição no meu ranking e o Stray Kids em último não é tão injusto assim. Só é uma pena pro menino mais novo desse grupo que já estava se condenando por não ter entregado a performance vocal esperada e agora o peso nos ombros dele estava ainda maior.

Depois disso o programa começou a revelar os resultados combinados, começando pelo sexto lugar…

… Que queda, hein The Boyz. O grupo simplesmente não foi o favorito de ninguém e caiu do 2º para o 6º lugar, e isso deixa todo mundo com essa cara de choque pois imagina ter uma queda feia dessas porque nenhum dos coleguinhas votaram neles.

Enfim, o resto das reações não são lá grande coisa então vamos para o ranking combinado e encerrar logo esse recap:

1º ATEEZ, 2º SF9, 3º BTOB, 4º iKON, 5º Stray Kids, 6º The Boyz

A performance do BTOB definitivamente não foi melhor que a do iKON, e isso me leva a crer que esses meninos se cadelizam mais fácil por um tanquinho maduro do que eu mesmo. De resto nada que eu ache totalmente injusto, ATEEZ e SF9 mereciam mesmo um Top 3 nessa rodada e o Stray Kids e o The Boyz lá embaixo não fogem muito da minha avaliação também. Os próximos episódios prometem ser uma encheção de linguiça com eles fazendo um camping e competindo em diversas atividades como revezamento e saltos, e nossa como estou animado para cobrir isso. Mas já que estou dedicado a postar sobre esse programa até o final, tudo que posso dizer é: Até o próximo episódio.

4 comentários em “RECAP — Kingdom – Legendary War S01E05: Panela velha faz comida boa?”

  1. “Será que estou me expondo demais ao programa e começando a curtir boygroups pra valer? Já tenho passe para escolher um bias no BTS? Estou com medo da pessoa que estou me tornando com esses recaps.”
    Meu Deus o desespero da pra sentir daqui, forças guerreiro, vc vai precisar

    Curtir

  2. O choque é você gostando do Bobby e botando o iKon em seus primeiros lugares… Amigo, está td bem?
    E só tô achando que estão passando mto pano para as performances do Ateez, pq não é td isso para esses pontos amais

    Curtir

  3. Faz um tempinho que eu reclamo desses conceitos que o Stray Kids vem usando, e como as vezes parece com o Ateez tbm. Dito isso, não consigo entender essa avaliação dos experts em cima dos dois grupos, eu não expert mesmo então, pq não vejo uma diferença gritante nos dois grupos para eles serem colocados tão distantes no ranking.

    A parte que vc falou que deve ser muito fofinho para as fãs do grupo (Stray Kids), eu já falei que sou uma péssima fã, pq ô negócio que eu acho brega são essas declarações, nome de fandom, dizer que as fãs são suas “namoradas”, detesto!! Porém, logicamente, a apresentação deles foi uma das melhores pra mim, seria até estranho eu dizer que não gostei da sonoridade, pq adoro as vozes do grupo todo (sdds Hyunjin, olha eu brega aqui).

    E no mais, muito chocada com essa sua defesa no Ikon, opinião super imparcial, parabéns kkkk

    Curtir

Os comentários estão desativados.