RECAP — Kingdom – Legendary War S01E08: Tem como uma música do BLACKPINK ficar PIOR?

NO EPISÓDIO ANTERIOR: DUAS HORAS de programa para mostrar 4 performances, mas pelo menos tivemos a melhor apresentação do Kingdom com os dançarinos do iKON, The Boyz e SF9 entregando a magia e folclore da performance tradicional coreana, mostrando cultura para esse povo. Então é claro que eles vão vencer o grupo que fez um mero cover de “Wolf” do EXO e…

O programa já começa falando que o Mayfly ganhou a disputa de dança por 22×11. Por mim o resultado era o contrário, pois a dança tradicional do trio é DE LONGE o melhor momento do programa até aqui e duvido que alguém nesses últimos 3 EPs, mas se o mundo fosse justo eu não estaria cobrindo essa pataquada toda de graça (Quem quiser mandar uns pix para mim estou aceitando), então seguimos em frente com a apresentação dos vocalistas:

Ju-ne e Jinhwan (iKON), Inseong e Jaeyoon (SF9), New e Sangyeon (The Boyz) – Spark

Está virando rotina nesse grupo encontros constrangedores, climões e integrantes nervosos sem saber o que conversar no primeiro encontro (Parece até os meus encontros antes da pandemia), então vamos só falar que esse cara do SF9 agora quer mostrar que no corpo gostoso dele também tem um gogó gostoso e seguir em frente.

… E o SF9 ainda tá flopando? Que coisa hein.

A música que o grupo escolheu para performar é “Spark” da Taeyeon, e achei curioso como ambos os times escolheram músicas femininas para performar vocais (A outra equipe escolheu “Love Poem” da IU). Na verdade os vocalistas de boygroups não tem taaaaantas oportunidades para brilhar no meio de tanta performance acrobática, instrumentais pesados e swag, então vai ser divertido ver se eles vão surpreender com trabalhos que são totalmente fora da zona de conforto deles.

Além disso tem que ter pulmão para sustentar as notas em uma música da Taeyeon

Cada integrante da unit grava sua parte separadamente e, depois, se reúnem para mais (falta de) interação.

Nem tem muito o que comentar, eles falam sobre como dar mais identidade para a música e para conversar casualmente na sala pois eles já são miguxos e não precisam de honoríficos. Eles harmonizam por um tempo para encontrar o melhor tom e fica nisso aí.

Quanto a performance… Eu sei que o vocal é prioridade nessas apresentações mas a grande graça de “Spark” para mim (Além da música em si que é FÁCIL a melhor faixa principal da senhora) está na Taeyeon se ver obrigada a servir algum esforço em coreografia e presença de palco, e o arranjo para a performance anulou isso tudo (Eu gostei do rockzão novo no fim do dia, mas o instrumental original é muito mais cativante). A primeira metade da apresentação é meio qualquer coisa mas a 2ª metade é muito mais brilhante com cada um mostrando sua personalidade nas harmonizações e sendo memoráveis tanto nos acertos quanto nos erros (Coitado do carinha que perdeu a principal nota da apresentação). Não tem nada para assistir além de um monte de chamas, mas foi uma performance boa de ouvir (Tirando a nota perdida).

Conclusão: Um pequeno hit, tirou a diversão que “Spark” tem para mim mas entregaram um trabalho legal do mesmo jeito.

Eunkwang (BTOB), Seungmin (Stray Kids), Jongho (ATEEZ) – Love Poem

Mais uma rodada de sobrinhos elogiando o tiozão Eunkwang e relembrando que eles estavam no ensino médio quando o BTOB lançou algumas músicas, mas gostei da personalidade alto astral do Eunkwang aqui. Das duas units ele parece ser a única pessoa confortável com a situação e com habilidades sociais para deixar todos confortáveis, então já dá para garantir algum variety show para o moço que vai ser sucesso.

Cada um deles fala qual música eles preferem cantar, mas o carinha do BTOB e do Stray Kids estavam com suas mentes tão conectadas que pensaram ao mesmo tempo em “Love Poem” da IU, então não tiveram muita discussão quanto a escolha da faixa. Então temos o momento deles aquecendo as vozes, então vamos para mais uma rodada de berros do Jongho.

Eu sei que a internet pega muito no pé desse menino por conta dessas notas mais descontroladas dele, e eu concordo que não seja muito agradável de ouvir na maior parte do tempo (As músicas que o ATEEZ canta não ajudam também). MAS, eu acho que tem uma explicação: Ele tem 18 anos. Longe de ser o maior especialista em vocais, mas acredito que é muito complicado manter um vocal alto, estável e agradável de ouvir no meio desses instrumentais mais pesados e nessa sonoridade mais cheia de atitude que o K-pop se tornou, e isso fica ainda mais complicado quando botam um jovem de 18 anos para sustentar as notas mais altas da música. Ele vai crescer, amadurecer e criar experiência para saber dosar melhor a coisa toda, mas no momento parece que nem ele tem pleno conhecimento do próprio potencial.

Posso estar falando muita besteira, mas ele não é um vocalista ruim e espero que ele mostre isso com uma música mais suave e melódica como “Love Poem”.

No segundo encontro temos os dois alunos revisando a lição de casa com o professor Eunkwang dando orientações para os alunos conseguirem os melhores resultados na apresentação. Eunkwang comanda, dá dicas, anima os outros dois, orienta os ensaios, ele sabe que é o líder da unit e comanda o grupo como ninguém.

E a performance é o que tinha que ser. Não tem muito o que reinventar em cima de “Love Poem” porque o brilho da faixa está nos vocais da IU, então eles fizeram o necessário para a música continuar ótima de ouvir. Não tem muito o que comentar da performance (É só eles parados em cima de um púlpito), mas o que tenho falar: Achei a interpretação do Eunkwang exagerada em alguns momentos (A música definitivamente não pede isso), eles harmonizando ficaram uma graça (O ponto alto dessa apresentação) e o Jongho mandou muito bem aqui, sendo de longe o melhor momento dele no programa (Viu gente, ele não tem culpa de ter que carregar as tranqueiras que o ATEEZ desova). Longe de ser a performance mais memorável do programa mas eles acertam no que tem que acertar.

Conclusão: Um sólido Hit, simples porém efeito.

Nenhuma das duas performances é grande de assistir mas são duas apresentações em que eles entregam vocais ótimos e agradáveis de ouvir. Se fosse para escolher, acho que ficaria com o Mayfly só por ninguém ter errado em Love Poem…

… E acho que TODOS os outros juízes pensaram do mesmo jeito pois o Mayfly venceu essa rodada por 33×0. Não que eu quisesse um resultado diferente aqui, mas não acho que a performance de “Love Poem” foi tão melhor que a de “Spark” a ponto de um placar desses acontecer. Agora, com 15 mil pontos perdidos e com o histórico da competição até aqui, já dá para falar que iKON, SF9 e The Boyz são cartas fora do baralho na competição do Kingdom e só vão se apresentar para cumprir tabela mesmo.

No dia seguinte tivemos a 2ª parte da 3ª rodada: No Limit. Isso quer dizer que eles vão ser jogados numa ilha para comer olho de cabra e se limpar com folha de bananeira por 20 dias patrocinados por cerveja e banco? NÃO, isso é outro reality show. Aqui eles não tem restrições de música, parcerias ou coisas do tipo, eles podem fazer a merda que quiserem para eu odiar sem nenhuma restrição também.

iKON – Classy Savage (feat. Lisa do BLACKPINK)

O segmento do iKON começa com carne grelhada e eles falando sobre o apelido de tartarugas que receberam dos fãs, pois eles começaram lá na última posição e, conforme as rodadas vão passando, eles sobem uma posição. Eles ainda estão lá embaixo mas não tão baixo quanto antes, o que é um avanço.

Então eles voltam para a torradeira da YG e discutem qual a música eles vão usar para a próxima rodada. Eles pensam em usar uma música de grupo feminino para cantar, e como eles são da YG só existem 2 opções: 2NE1 ou BLACKPINK, resultando esse momento que deve ter gatilhado alguns blackjacks e/ou blinks que estão se submetendo a assistir esse programa:

… Como assim o BLACKPINK é uma versão mais jovem do 2NE1? Dois grupos totalmente únicos e talentosos e elas não tem nada a ver, se você ouvir “As If It’s Your Last” vai saber de cara que é uma música do 2NE1.

Eles até dão uma zoadinha falando para performar a maior música de 2021, mas no fim eles ficam com “Pretty Savage” por ser uma música do BLACKPINK e não ser uma faixa principal, pois assim eles estariam mais livres para criar uma performance sem compararem com a imagem forte do girlgroup. “Pretty Savage” tem as cores do iKON e, ao mesmo tempo, seria algo totalmente novo para o grupo… Ouvindo a versão original eu não acho que seja tããão novo assim masok né, se eles estão dizendo eu acredito. Eles mostram os ensaios rapidinho e já vamos para a apresentação.

A performance começa com 1 minuto deles assistindo MVs de músicas horríveis da YG (Exceto “Really Really” que é uma delícia) e *BOOM* a luz fica vermelha e eles entram na selva (Selva… selvagem… SAVAGE… Entenderam?!). A primeira metade da apresentação é dos dançarinos pulando, fazendo acrobacias, os membros vibing com a música no meio do mato e fica nisso mesmo, aí vamos para um cenário dourado onde encontramos a rainha da selva Lisa faz a sua participação totalmente isolada do iKON. Aí voltamos para a selva, eles vestindo umas roupas douradas e cantam o resto da música. Nada nessa performance é excitante ou impressionante e, tirando a participação da Lisa, isso é o iKON performando uma música do iKON com mais orçamento para cenários. Não é uma performance ruim, só não é algo memorável mesmo.

Conclusão: …Ok. Pelo menos eles se divertiram com isso aí.

Stray Kids – God’s Ddu-Du Ddu-Du

Sim, mais uma música do BLACKPINK sendo reinterpretada no Kingdom. E isso porque já tivemos “Kill This Love” sendo destroçada no Road To Kingdom. Que tesão é esse dos boygroups tentarem afundar as músicas das meninas desse jeito? E o Stray Kids ainda teve a ideia de fazer um mashup com “God’s Menu” pois as duas músicas tem “du du du du” na letra, então pensem o quão ANIMADO eu estava para assistir essa apresentação de duas músicas que eu AMO TANTO.

Aí mostra uma parte das gravações do trio de produtores do Stray Kids (com o Han tão empolgado quanto eu acompanhando isso), parte dos ensaios com eles analisando a coreografia original e como podem incorporar na apresentação do grupo, adicionando umas coisas próprias e vendo a performance ganhar forma. Foi tudo meio corrido mesmo, a edição só teve meia hora para encaixar essas duas primeiras performances nesse episódio e nem se preocuparam muito em pegar umas interações mais engraçadas (Ou que funcionem nesse post). Ou esse povo que não rende nada mesmo, não sei.

Quanto a performance… Eles são rebeldes numa estação de metrô enquanto cantam uma versão ainda mais barulhenta da música do BLACKPINK. A maior parte do tempo é deles tentando ganhar a música no grito, e acho que a música já é alta o bastante e não precisava ampliar ainda mais isso. É desconfortável e um pouco estressante de ouvir, mas a performance tem seus bons momentos como as inserções em inglês na apresentação e o minuto final onde eles falam que vão dominar o mundo. Sim, é insuportável de ouvir esse minuto final, mas assistindo acho que eles conseguiram ser épicos ali. No geral é outra apresentação para ouvir no mudo mas sei lá né, tem sempre alguém que goste.

Conclusão: Um sólido Flop para mim, mas essa performance não foi feita para os meus gostos.

No próximo episódio teremos o resto das performances do 3º round e o lançamento das músicas originais do programa… Que já aconteceram pois o EP9 rolou ontem e eu estou totalmente atrasado com esse recap. Fazer o que né. Com sorte o recap do EP9 sai antes do último episódio, e aí esse blogueiro poderá voltar a sua rotina normal sem precisar acompanhar e comentar reality shows questionáveis da MNET e…

… Oh. Enfim, até o próximo episódio.

16 comentários em “RECAP — Kingdom – Legendary War S01E08: Tem como uma música do BLACKPINK ficar PIOR?”

  1. ”está na Taeyeon se ver obrigada a servir algum esforço em coreografia e presença de palco”

    KKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKK velha desgraçada, agora a próxima música com coreografia vai ser só no dia do disband oficial do after school

    Curtido por 1 pessoa

  2. Eu vou levar essa frase de sólido flop pra vida fodase KKKKKKKKK

    ai cara só fico triste que não tem o hyunjin, só ia ver essa merda por causa dele e agora ele não tá e eu fico …… a ta bom então ikon performando uma demo do ikon uhul

    Curtir

    1. Todas as apresentações mais ou menos do Stray Kids valeriam a pena só pelo Hyunjin fazendo caras e bocas performando!!

      Curtir

  3. A melhor foi do Love Poem, sempre gostei do vocal do Eunkwang, aliás, sempre curti o vocal deles_ na minha humilde opinião, podem claramente colocar esses meninos todos no chinelo_
    A de Spark achei meio estranho, parecia que tipo tinha um dos três ou dois que não conseguia acompanhar direito.

    Sobre os dois cover do Blackpink: que coisa mais sem graça, a do Ikon ficou tão sem graça que parecia que eles tavam abrindo um show pra Lisa chegar_ e só fiquei me perguntando porque raios ela não participou no mesmo setor que o deles? Não são tudo da mesma agência? Que estranho_
    O do Stray Kids só me fez me perguntar cada vez como a galera curti ver eles berrando_ sinto muito fãs, mas eles pra mim só gritam_ as partes em interações em inglês foi tão sem graça…
    A pior apresentação, de verdade. E o hilário que achava que o pior seria o Ikon kkkkkkkkkkkkk.
    PS. O engraçado foi os hater do Twice tirando onda, porque eles não usaram uma música delas, meus caros, Deus é mais ele pegar uma música delas e cagar todinha.

    Curtido por 1 pessoa

    1. Eles não gritam tanto nas músicas normais deles não kkkk
      Sinceramente, quando God’s Menu foi lançada, eu estranhei muito e achei que não fosse ser bem aceito porque foge da proposta que o Stray Kids vinha trazendo, de músicas com letras agoniantes sobre crescer e amadurecer (mesmo com o bate estaca). Foi uma surpresa grande perceber que está se tornando quase a maior música deles depois de Miroh. Eu espero que eles invistam em outros estilos, do que se manter nesse.

      Curtir

  4. Visualmente eu gostei muito da performance do Stray Kids porque eu entendi logo as referências a Deadpool, e eu gosto do filme (e aparentemente deu mto certo pra eles, a ponto do Ryan Reynolds e Hugh Jackman comentarem), mas sonoramente não gostei muito não, já achei as apresentações dos outros grupos no episódio seguinte melhores.

    E o do Ikon eu achei bem ruim tbm de ouvir, só assisti por causa da Lisa, mas achei forçado demais a forma como foi feita a presença dela para a performance.

    Curtir

  5. Gente kkkkk eu só fiquei com dó do integrante do SF9 q desafinou na apresentação de Spark kkkkkk tadinho, imagino a decepção q ele sentiu, não é todo mundo q consegus né kkkkkkk

    Curtir

  6. Mas a Taeyeon não é velha kkkk mas enfim, a “hater da Jéssica” podia se esforçar um pouco nos stages,tá mais morta que a Jennie

    Curtir

Os comentários estão desativados.