YEAR END 100: As melhores músicas de 2020 no Asian Pop (Parte 1)

Foram milhões de pedidos, pessoas desmaiando na porta da minha casa de ansiedade e uma crise econômica que afundou ainda mais o nosso país causada pela demora desse Top 100, mas chegou o dia de começar a definir as melhores músicas de 2020 de acordo com esse blog. Aqui vocês sabem: São as 100 melhores músicas de acordo com a minha opinião que é a grande verdade absoluta da história da crítica K-pop. Ou seja não importa se o seu fave conseguiu 77 prêmios e foi aclamado pela billboard como o álbum do milênio, se não apareceu nesse Top 100 é porque provavelmente seu fave só lançou lixo (Aviso de ironia porque né, vai duvidar da capacidade de raciocínio do Kpopper pra você ver o que acontece).

Na verdade, como toda lista de qualquer coisa na história, as músicas foram escolhidas com base no meu gosto pessoal envolvendo diversos fatores (O quanto eu acho a música maravilhosa, o quanto durou na minha playlist, o quanto acompanhou os dias em que chutei o balde virando altas doses de cachaça e por aí vai). Juntei tudo isso, peneirei em 100 músicas e aqui estamos. Você está livre para discordar de qualquer coisa desse Top 100 (Os comentários até me ajudam com o engajamento e pra valorizar o adsense, então não deixem de xingar o mau gosto do blogueiro, bitches), mas tenham consciência não vão mudar em nada o ranking do meu blog.

Seguindo a tradição, esse Top 100 será dividido em 7 partes, com 6 partes de 15 músicas e um Top 10 no fim. Pode acontecer dessas 7 partes saírem ao longo desses 7 dias (Temos reveillon e ano novo chegando né), mas no máximo até o final da 1ª semana de janeiro vocês devem saber qual foi a minha grande música de 2020. Tudo explicado, vamos começar com elas, que serviram um dos grandes hits de 2020 (Mas não com uma das melhores músicas do grupo):

100. Oh My Girl – NONSTOP

Abrir o Top 100 com a provável grande faixa de girlgroup em 2020 parece até algum tipo de provocação, mas não me entendam mal: O Oh My Girl tinha música muito melhor no catálogo para estourar na Coreia. Isso faz de “NONSTOP” uma faixa ruim? Claro que não, a música ainda é uma delicinha e quase que um grito de resistência do Oh My Girl com todo girlgroup indo pra linha girlcrush ou pros bate estaca de boygroup que casualmente cai no colo de um grupo de gostosonas. O que me ganha nessa música são as repetições que são grudentas de verdade e não apenas uma forma de encher música, elevando uma música que poderia ser só gostosinha mas acaba sendo memorável do seu jeito, merecendo uma menção no Top 100.

99. Rocket Punch – Fireworks

O “Red Punch” é uma das melhores coisas que um grupo de K-pop proporcionou esse ano por ser uma coleção de “chutes que deram certo”. “Fireworks”, por exemplo, segue a mesma linha de EDM tropical que deu o que tinha que dar em 2016 mesmo, mas dá certo pela execução ser muito gostosa e involuntariamente “errada” (Tem um ou outro vocal que claramente não segue o tom do instrumental) que dá todo um sabor único para a faixa. Uma pena que o Rocket Punch ladeirou horrível com o mini álbum que elas lançaram no meio do ano, mas elas ainda me deixaram felizes com “Fireworks” em 2020.

98. Mamamoo – Wanna Be Myself

O fato da melhor música do Mamamoo em 2020 ser um comercial para vender roupa de ginástica diz muito sobre o quão fraco foi o ano delas como grupo, mas essa coisa meio “volta as raízes” voltando a lançar um sonzinho mais retrô/disco e dando uma modernizada na coisa toda (Com a letra nível ITZY de empoderamentos e lacres de brinde) vale ser mencionada por aqui. “Wanna Be Myself” tem tudo que fez o Mamamoo ser tão querido nos primeiros anos de carreira com a evolução sonora mais “moderninha” que elas vem aplicando nos últimos anos, e se isso fosse trabalhado com a força de um comeback eu tenho certeza que renderia um dos melhores singles do Mamamoo (E não aquela tragédia de AYA), mas “Wanna Be Myself” rende até hoje na minha playlist, então vale uma vaga no Top 100.

97. Dreamcatcher – In The Frozen

Ao contrário do Mamamoo, o Dreamcatcher teve um ano muito bom. O último EP delas, em especial, é outro grande destaque desse ano, mas tenho que mencionar “In The Frozen” que é uma ótima faixa do full album que elas lançaram no início do ano. Ela é a perfeita follow up para “Scream” (Que vai aparecer mais pra frente aí), indo na ideia de versos mais lentos que vão crescendo até estourar num refrão mais descompensado, indo para um batidão eletrônico pesadíssimo ao invés do tradicional rock pauleira do grupo. É diferente e mantém a essência dark e melancólica do Dreamcatcher, e isso favoreceu muito o grupo esse ano.

96. KEEMBO – Scene

Eu não dei o destaque merecido para o KEEMBO esse ano por motivos de… Não sei, afinal elas lançaram músicas muito legais em parceria com o Sweetune que fizeram a alegria de muitas velhas de guerra do K-pop. Essa “Scene”, por exemplo, é o tipo de pop/rock que poderia muito bem ser feito com algum grupo idol de 2013 servindo muita coreografia numa execução mais dançante, mas o KEEMBO não tem esse tipo de pretensão, então deu para “Scene” ter essa pegada mais “suja” de rockzinho de bar com karaokê que também é uma boa pedida, surrando o Maroon 5 (Não que isso seja tão difícil, mas o KEEMBO mandou bem demais com essa música).

95. Chanmina – Rainy Friday

O Japão tá começando a criar o seu front de fodonas da era Reiwa, mas por alguma razão ainda não fizeram a Chanmina sair do nicho hip hop japonês e estourar de vez no mainstream. Azar o deles, pois ela veio com 3 EPs de bons a muito bons que mereciam se destacar mais do que conseguiram, tanto que “Rainy Friday” era só pra ser uma b-side e acabou sendo presenteada com um PV pra chamar de seu, A música segue a marca provocativa, melancólica e um pouquinho psicótica que a Chanmina faz questão de colocar em suas músicas mais memoráveis, e o instrumental mais simples com a guitarra sendo o fio condutor da coisa toda faz com que a interpretação da Chanmina nessa música brilhe ainda mais, transformando “Rainy Friday” em uma das melhores b-sides/album tracks do ano.

94. Somi – What You Waiting For

A Somi meio que virou um joke act do K-pop pois saiu de fodona do I.O.I para uma solista muito mal trabalhada em uma subsidiária da YG (E a julgar pelo histórico de solistas femininas da YG não é como se não fosse difícil de imaginar que isso fosse acontecer). Mas a única música que ela conseguiu lançar esse ano é um bop muito agradável. O tipo de faixa pop despretensiosa, com uma batidinha felizinha e bem adolescente cantando música pop que acerta em todos os quesitos. Se a disney ainda desovasse cantoras interessantes na cena, “What You Waiting For” provavelmente seria um grande destaque de alguma loirinha de 16 anos que atua em alguma série ruim de lá, e com a Somi isso ficou ainda mais divertido de ouvir. Parabéns Somi, agora torça para vir um EP ano que vem.

93. Wonho – Open Mind

O K-pop seria um lugar muito melhor se homens suados se sexualizassem por 3 minutos em um vídeo enquanto gemem em cima de um R&B safadíssimo em suas carreiras? Não sei, mas o Wonho bem que tentou provar que SIM com essa “Open Mind” (E com a fanbase engajando QUALQUER VÍDEO QUE TIVESSE ELE PELADO na internet). O que importa nesse rolê todo é que a música também é memorável nessa mistura de R&B com pop eletrônico que é o que mais dá certo para vozes masculinas na Coreia. Taemin faz carreira com isso, nada impede o Wonho de fazer também.

92. Hwasa – Kidding

Se as músicas do Mamamoo esse ano foram de inespecíficas pra baixo esse ano, a Hwasa brilhou e consolidou de vez uma carreira solo pra ela, não pelo sucesso de seus singles sem o grupo como pelas músicas que foram bem melhores esse ano também. Essa “Kidding” que morreu como b-side traz toda uma aura mais brincalhona e debochada da Hwasa (Que já tinha dado certo em “TWIT”) e com um instrumental que segue essa ideia, daqueles que não tem um grande auge mas você passa a música toda balançando a cabeça e ouvindo. Ah, e vale falar que essa é uma produção do Zico pois é a única vez que vocês vão ver o nome dele nesse Top 100 (“Any Song” é bem qualquer música mesmo, lidem com isso).

91. LiSA – Homura

A caminhada da LiSA se tornando um dos maiores nomes de 2020 por conta de música de anime com as duas músicas mais baixadas do ano no Japão foi de uma dimensão que nunca tinha visto antes nesses anos de J-pop (Acho que desde teve o RADWIMPS com a trilha de “Kimi no na wa.” pra comparar com LiSA e Kimetsu e só). E tanto “Gurenge” de 2019 quanto “Homura” que é desse ano são ótimas faixas de anime, com a segunda (que aparece nessa posição do top) sendo a típica faixa de encerramento de anime com uma velocidade mais lenta e um rockzão mais melancólico e profundo. Mas acho que o que mais me impacta nessa música é a evolução da voz da LiSA comparado aos temas de “Sword Art Online” (O outro anime que a LiSA conseguiu tirar uns grandes hits aí), e acho que ela ainda vai entregar muita coisa interessante nesse nicho do J-rock. Talvez eu passe a prestar mais atenção no que ela lance por aí de agora em diante.

90. FAKY – little more

O FAKY é um dos vários nomes japoneses que chamaram certa atenção das maiores lixeiras… Quer dizer, dos grandes portais de música pop pelo mundo mas que a avex nunca fez muito para elas conseguirem algo além de shows em estacionamentos no Japão, matando qualquer hype do grupo. E enquanto elas passaram uns bons anos fora do meu radar por conta de muita música mais ou menos e uma organização pior que a de um blog de fundo de quintal, no finalzinho desse ano elas arrancaram essa “little more” que é tipo de EDM mais intimista e, huh, “conceitual” que era para o grupo lançar de forma consistente para conseguir segurar um público pra si. Hoje em dia é difícil imaginar o FAKY indo muito longe (Ou durando muito tempo, já que a avex tá em situação de “Salvem-se quem puder”), então a gente aproveita coisas como “little more” enquanto dá para aproveitar.

89. CL – Hwa

Não é tão novidade assim a carreira solo da CL servir muita atitude e roupas de marca e pouca música boa, mas eu quero acreditar que isso foi tudo culpa da YG que nunca escolhia a demo certo para ela lançar. Isso melhorou depois que ela saiu de lá e seguiu como artista independente? Não, tá tão bagunçado quanto, mas na YG ela nunca conseguiu lançar algo tão bom quanto “HWA”. A música é exatamente o que a CL faz há uns bons 6 anos de carreira por aí, mas está tudo tão melhor que em nenhum momento eu penso “Por deus, CL, de novo isso?”, mas sim “YASS QUEEN SLAY THESE FUCKIN’ ASS BITCHES YOU ARE THE BO$$”. “HWA” é a CL finalmente acertando o tom e entregando a melhor música dela (Ou a primeira que tenho boa vontade de ouvir, pelo menos).

88. SSAK3 – Beach Again

Eu não vou fingir que ouvi o SSAK3 muito só pela Lee Hyori estar envolvida na delícia (Até porque já tem Refund Sisters pronto para roubar uma vaga mais pra cima), mas não tem como negar que “Beach Again” é uma faixa gostosíssima de se ouvir. Isso aqui é o puro suco do K-pop dos anos 90, quando tudo por lá era gravado em 3 latas de feijão e um computador com Windows 95 em alguma garagem classe média de Seul, mas em 2020 e com a tecnologia atual, essa música ganha um brilho único como uma faixa fofíssima de verão, de forma que dá para acreditar que “Beach Again” envelhecerá melhor do que, sei lá, 95% do K-pop nos anos 90.

87. BoA – Temptations

“Temptations” foi a favorita de boa parte dos aposentados e pensionistas do INSS que acompanharam esse novo álbum da BoA (Fora o single), pois realmente é uma faixa maravilhosa que tem toda uma tensão e carga que dá um certo arrepio ouvindo. No meu caso, duas razões me impedem de botar essa música mais alto no meu top: A outra album track que vai aparecer mais pra frente por aqui e eu não achar essa a melhor música da BoA nesse estilo (“Clockwork” é uma faixa muito mais tensa e emocionante pra mim), mas isso não faz eu não querer destacar essa música como um dos grandes destaques desse comeback da BoA, que rendeu um dos melhores álbuns do K-pop esse ano.

86. Kato Miliyah – Honnou

O meu problema com covers de músicas que eu já conheço é que é muito difícil eu achar tão mágico a versão original, por melhores que os covers sejam. E isso basicamente matou tanto o álbum de covers quanto o álbum de tributos que a Miliyah lançou comemorando 15 anos de carreira: Os dois são bons álbuns, mas tanto a Miliyah cantando a música dos outros quanto os outros cantando as músicas dela não foram tão legais quanto eu ouvir as versões originais depois. No entanto, acho que vale mencionar “Honnou” como uma boa faixa pois, muito embora não tenha a mágica de 12 maços de derby que a Sheena Ringo desceu antes de gravar essa música, todo esse som jazz mais profundo combinou e deu uma personalidade para a música na voz da Miliyah, que poderia muito bem fazer isso em uma gravação original.

16 comentários em “YEAR END 100: As melhores músicas de 2020 no Asian Pop (Parte 1)”

      1. Não sei o pq mas não curti muito nonstop, eu costumo gosta de todas os comeback do omg mas na época não liguei muito pras fotos e quando saiu o mv também não liguei muito e achei q ia flopar, do nada tava bombando nos charts e levando um monte de win e até a bside q todo mundo amou eu também achei bem fraca, elas têm bsides bem melhores e mesmo depois desse estouro todo elas ainda não fizeram comeback, se eles fossem inteligentes tinham feito como a empresa do loona q mesmo depois das promoções de why not acaba resolveram promover a bside star e até mv mais bonito que why not ele ganhou kkkk

        Curtir

  1. “Temptations” foi a favorita de boa parte dos aposentados e pensionistas do INSS que acompanharam esse novo álbum da BoA” GRITOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOO

    Curtir

Os comentários estão encerrados.