Review Retrô: After School botava as gostosas e crentes do grupo pra saírem no soco em “Wonder Boy” e “In The Night Sky” (2011)

No último Top Top.jpg, quando eu comentei sobre sub-units que foram esquecidas com o tempo, alguns de vocês falaram que eu esqueci de citar as duas outras units do After School: RED e BLUE. Então, para compensar isso, vamos fazer um review retrô comentando o que foram essas duas sub-units que não fizeram tanto sucesso quanto o Orange Caramel, mas foram tão importantes quanto para o grupo (Ou não, afinal duraram apenas um single né):

Depois de lançarem seu 1º full album “Virgin” e da graduação da Bekah do grupo com direito a solo e tudo, a Pledis anunciou uma votação para dividir o After School em duas units especiais para o lançamento do 4º single album das meninas: A sub-unit RED (Formada por Kahi, Uee, Nana e Jungah) seria a unit “sexy e intensa” (=As gostosonas), e a sub-unit BLUE (Formada por Raina, Lizzy, Juyeon e E-Young) seria a unit “inocente e refrescante” (=As crentes). Em nota, a Pledis explicou que “as duas units divulgariam suas músicas ao mesmo tempo e se tornarão rivais entre si”, incentivando tanto a competição entre interna quanto a da fanbase, impulsionando as vendas do single no fim do dia.

Como as sub-units foram decididas na votação dos fãs, algumas críticas foram feitas em cima da formação dos grupos pois a maioria das populares ficaram no RED supostamente por ser o “conceito legal”, enquanto as flopadas ficaram no “conceito chato” do BLUE, mas na prática as duas sub-units acabaram separando as veteranas das novinhas, até para evitar qualquer mal entendido como botar a novata E-Young para bater cu no deserto ou a Kahi estourar na tamancada o primeiro que sugerisse para ela fazer aegyo. O onipresente Brave Brothers assinou a produção dos dois singles, que foram lançados no dia 20 de julho de 2011.

No mesmo dia do lançamento do single, a sub-unit BLUE lançou o MV de “Wonder Boy”. E a música cumpre com a ideia de ser fofinha e animada, sendo um clássico aegyo no K-pop com vocais agudos e melodia açucarada para criar toda uma atmosfera suave e inocente que um single teen pop tem que ter. “Wonder Boy” é tao aegyo clássico que recebeu até acusações de plagiar “Forever Love”, do Fin K.L, mas a Pledis foi mais rápida falando que se tratava de “uma homenagem para “Forever Love” e para os aegyos dos anos 90″.

“Wonder Boy” funciona hoje em dia como um throwback (Até pela música já ser um throwback originalmente), mas é uma música que não tem nada a ver com o After School. A ideia talvez fosse ir no embalo do sucesso do Orange Caramel, mas “Wonder Boy” é tão água com açúcar que passa até despercebido como um número bobinho e inofensivo. O ponto alto é quando as gatinhas conseguem soltar a voz em cima da música, o que dá uma vida para o single mas não é o bastante. No fim do dia você ouve números aegyos bem melhores de outros grupos, e “Wonder Boy” acaba se perdendo no meio da discografia do After School.

No dia 28 de julho a sub-unit RED lançou o MV de “In The Night Sky”, e já dá pra ver aí que as gatinhas populares realmente tiveram um orçamento e não foram socadas em qualquer galpão em Daegu como a BLUE. Óbvio que não foi tanto orçamento assim (A Pledis em 2011 é a típica classe média que tinha um dinheirinho mas não tanto assim para bancar dois MVs bem produzidos de uma vez, mas a empresa mandou elas para um deserto, alugaram alguns veículos e foram. “In The Night Sky” tem uma proposta mais próxima do que é o After School (Gostosonas sendo gostosonas em lugar X), mas tem lá suas diferenças que dão uma identidade diferente para a sub-unit.

Na época que lançaram, com 14 anos e ouvindo essa música sem muito critério, eu achava tudo de bom. Já hoje em dia… Dá pra ver que rolaram muitas decisões equivocadas. A primeira é que a única que cantava pra valer nessa unit era a Jungah enquanto as outras cantavam com a beleza mesmo, o que fez a música ter um processamento vocal bizarro e várias aparições do Brave Sound no fundo da música (Se brincar você ouve os “yeah”, “woo” e “alright” dele mais do que as meninas cantando). Além disso elas parecem mais fofas do que descoladas cantando, fazendo faltar um certo pulso na faixa. E a coisa toda envelheceu muito mal, então não tem muito o que fazer hoje em dia. Pela nostalgia eu me divirto com “In The Night Sky”, mas consigo admitir que essa música é bem ruinzinha.

“Hollywood” é a grande música dessa bagunça toda que foi o 4º single do After School, eu acho ela genuinamente boa e vale o play hoje em dia

Na grande batalha entre gostosas e crentes, as gostosas vencendo: O RED alcançou um 9º lugar na Gaon com 1 milhão e 500 mil downloads, enquanto o BLUE conseguiu o 15º lugar com 1 milhão de downloads. São números sólidos para sub-units, mas nada que estabelecesse uma marca forte para alguma das units como o Orange Caramel, que em 2011 vivia o 1º grande pico de popularidade do grupo com “Bangkok City”. No final as duas units foram especialmente criadas para um single do After School, e morreram ali mesmo (Até porque não demorou muito para Kahi sair e Kaeun entrar no After School, mas isso já é outra história).

7 comentários em “Review Retrô: After School botava as gostosas e crentes do grupo pra saírem no soco em “Wonder Boy” e “In The Night Sky” (2011)”

  1. Caras eu achei Wonder Boy milhões de vezes melhor que In The Nigth Sky, os vocais das blue são mais gostosos de ouvir e é uma música que você ouve até hoje e sente que envelheceu bem, ja ITNS sem condições os vocais me irritam a música é chata chata msm sendo um negócio de 2011 na época eu ouvi duas vezes e dps nunca mais.

    Curtir

  2. Eu me lembrava que o MV de Wonder Boy era foleiro, mas não lembrava que era tão 15 reais assim hahaha. Olha, o AS parece que foi um surto coletivo. Até hoje não entendo as decisões que a Pledis teve com o grupo.
    O Break de hollywood é MT bom! não me lembrava disso.

    Curtir

    1. O que eu não entendo é eles nunca terem colocado a Bekah pra soltar uns vocais ali, sendo que após soltar a música solo dela, ficou claro que ela cantava mais que 80% das integrantes kk (mentira a gente sabe sim o porquê)

      Curtir

  3. “botar a novata E-Young para bater cu no deserto ou a Kahi estourar na tamancada o primeiro que sugerisse para ela fazer aegyo.”
    MDS, 7h DA MANHÃ E EU TÔ URRANDOOOOOOOOOOOOOO

    Curtir

  4. Faz um especial falando da treta da Kahi com Kaeun. Estou no kpop há um bom tempo, mas não acompanhei na época, e agora é difícil achar informações

    Curtir

    1. Essa história não é bem uma treta: A Kahi tinha uma favorita das trainees da Pledis que era bem cotada pro After School, mas a Pledis resolveu botar a Kaeun meio que em cima da hora para ajudar nas promoções japonesas (Já que ela era fluente).

      O que dizem é que a Kahi se sentiu ofendida pois foi ela que correu atrás de muita coisa pro After School acontecer e a Pledis não respeitou a vontade dela, mas entre a Kahi e a Kaeun não tem nada demais

      Curtir

  5. Ótima retrospectiva!

    Achei a ideia dessas sub-units com conceitos opostos brilhante! Pena que foi bem mal executada; a música da unit sexy, por exemplo, não é realmente uma música sexy. E os visuais também são estranhos; não entendi por que as moças da unit sexy se vestiram como ripongas e as gurias da unit aegyo aparecem usando MEIAS LONGAS DE CATÁLOGO DE LINGERIE…

    Bem que algum outro girlgroup com número grande de integrantes podia tentar algo parecido. Quer dizer, o LOONA tentou com o 1/3 e o OEC (o yyxy acabou sendo meio que uma variante mais espevitada do aegyo do 1/3), mas também esqueceu as units no churrasco desde a estreia do grupo completo. Talvez o IZ*ONE pudesse tentar, supondo que elas não deem disband este ano.

    Curtir

Os comentários estão desativados.