PLAYLIST: Best Of 201x #3

E vamos seguir com a terceira parte da nossa grande playlist de melhores músicas do Asian pop nos anos 10. Dentre diversos hinos lançados ao longo dos anos, quais são as 20 faixas que vão bater ponto na icônica e deliciosa playlist do spotify hoje, hein?! Sem mais delongas, vamos com os jams:

41. SNSD – Oh! (2010): Eu acho “Oh!” basicamente uma versão mais açucarada da eterna “Gee”, e isso por si só não é problema já que ficou maravilhosa também. Mas o que faz “Oh!” brilhar é o quão “menina atrevida” essa música é, especialmente nos vocais propositalmente mais doces e agudos, e isso involuntariamente acaba virando um gay anthem do shortinho aegyo no cu. Provavelmente o ápice das músicas aegyo do SNSD que a Taeyeon deve odiar até a morte.

42. T-ara – I Go Crazy Because Of You (2010): Eu amo como essa música é metade elas gemendo e metade elas falando rapidinho, com tudo processado loucamente num instrumental totalmente dramático, resultando em uma faixa fortíssima e atemporal. Até hoje eu me acabo com o “rap” seguido do último refrão louquissimo e a vontade de fazer uns carões e poses mostrando que sou fierce por toda a música. Depois de Roly Poly é o meu single favorito do T-ara.

43. Namie Amuro – NAKED (2011): Uncontrolled é um álbum que conseguiu ser bem mais ou menos mesmo com os singles fortíssimos que a Namie lançou pra ele, e desses singles eu acredito que NAKED seja uma das faixas mais “ame ou odeie” da Namie por conta do instrumental psicodélico e “experimental” da farofona ficar marretando sua cabeça por mais de 4 minutos (Sendo que a Namie só canta mesmo em 2). Essa experiência provavelmente vai te deixar doido ouvindo essa música, e ou você odeia essa barulhada toda ou você frita loucamente com cada break. No meu caso, é uma das minhas favoritas da carreira da Namie.

44. U-KISS – NEVERLAND (2011): Quem não viveu kpop em 2011 não deve saber o que foi a fanbase enchendo o saco por conta do fracasso do U-KISS e de como eles eram injustiçados (Tenho quase certeza que eles foram pioneiros nessa onda de grupos flopados que a fanbase tenta fazer acontecer que temos hoje em dia). Na maior parte da discografia coreana meia boca deles acho tudo meio exagerado, mas NEVERLAND é uma ótima exceção, sendo um dos raros momentos em que eu pude dar direitos para um boygroup (E realmente injustiçada pelo . Talvez em 2011 eu tivesse menos critério para engolir farofas, mas essa delícia aqui segue vivíssima (E datadíssima) na minha playlist até hoje.

45. Apink – HUSH (2012): Nossa essa é outra injustiçada. Eu sei que hoje em dia Apink embala as noites de vocês com synthpop safados sobre estar doentinha de tantas mentiras ou simplesmente gemendo aleatoriamente, mas da fase aegyo que ninguém suporta muito eu TENHO que destacar HUSH. O aegyo é no ponto, a batida é dançante, o refrão delicioso e os agudos dessa música são surpreendentemente agradáveis sem tentar acabar com os meus ouvidos. É uma pena que a Eunji e o Apink só foram hitar DEPOIS dessa música, pois se seguissem nesse ritmo sem dúvidas elas teriam uma discografia aegyo bem mais legal.

46. Perfume – Spending All My Time (2012): Descrever “Spending All My Time” como uma das melhores músicas da história da música pop sendo que elas literalmente repetem as mesmas duas linhas por toda a música numa batida eletrônica é algo que parece absurdo. Mas de alguma forma elas conseguiram e ” Spending All My time é de fato uma das melhores músicas da história do pop. É esse tipo de genialidade do Nakata que faz falta nos tempos atuais (E nas próprias produções mais recentes dele).

47. Seo In Young – Love Me (feat. Gaeko) (2013): Seo In Young é uma das integrantes mais memoráveis do lendário Jewelry, fazendo parte dos principais hits do grupo. Em 2007 ela engatou carreira solo com uns farofas bem legais e se consolidando como fashion icon na Coreia (Ela também tem uma persona de baladinhas que eu acho meio merda masok), e quando ela resolve misturar essas facetas pop bitch + músicas pra desfilar em evento eu me sinto contemplado. E é com essa descrição que podemos resumir: Fez um pop redondinho, chamou um rapper para dar aquele up, refrão chiclete e temos um dos melhores singles solo de 2013.

48. Kahi – It’s Me: Outra música pronta para servir catwalk e desfilar poderosíssima pelas ruas de Seul. O “I’m so bad girl, I’m so cool girl, I’m so sexy sexy sexy girl” são arrebatadores e a Kahi canta de uma forma que eu pediria para ela invadir minha casa e chutar o meu estômago enquanto ela canta pois é sensacional, e o instrumental meio bicha glam de revista de moda e meio puta de boate de beco deixa tudo ainda mais chique. Eu não acho o debut solo dela grandes coisas (Sei que é uma opinião impopular mas o break simplesmente não cola comigo tanto quanto com quem ama Come Back You Bad Person), mas nesse single realmente a Coreia realmente injustiçou a lenda com o flop.

49. Kana Nishino – Abracadabra (2014): A discografia da Kana Nishino foi ladeira abaixo depois que “Darling” hitou e ela passou anos se alimentando de country pop toscos, mas isso matou a faceta teen pop da cantora que realmente rendia umas coisas bem mais maravilhosas, como essa Abracadabra aqui que aposta em elementos árabes em seu instrumental que é glorioso em todo instante (Nem parece que é música da Kana, em certos momentos). No Japão essa música poderia ter um PV totalmente disfuncional com a Kana servindo Jeanie é um Gênio fazendo dança do ventre no colo de alguém tal como Koda Kumi em basicamente todos os singles dela nessa vertente, mas infelizmente isso não aconteceu.

50. EXID – Up & Down (2014): EXID e Shinsadong Tiger despirocando no sax enquanto cantam sobre subir e descer, e foi exatamente subindo e descendo que a Hani levou o grupo pro estrelato com a fancam mais icônica de todos os tempos. Mas a música faz por onde também, é um chiclete dos bons com LE dominando nos raps e as outras meninas servindo vocais incríveis no refrão. Muitos de vocês devem preferir “Every Night” do EXID, mas se tinha uma música que tinha que fazer essa música desflopar, essa música é “Up & Down”.

51. Koda Kumi – EX TAPE (2015): SUMMER/WINTER of LOVE provavelmente é o último momento em que a Koda Kumi lançou algo pra valer (Depois ela despirocou numa de álbuns duplos, singles limitados e capas feitas no paint que eu tenho certeza que ela chutou o balde já). Na coletânea SUMMER OF LOVE ela reviveu alguns bops rampeiros para você piranhar no verão, e de brinde veio umas músicas novas bem delícia. A minha favorita delas é EX TAPE, que é basicamente “HOTEL” 2.0 mas ainda melhor, pois Koda se comprometeu a entregar a entregar um bop praiano pra você twerkar que nem quenga de vestidão no ano novo em copacabana, e sem dúvidas fez a alegria das 36 gays rampeiras que ouviram isso aqui no lançamento (Eu sou uma delas).

52. Nine Muses – Hurt Locker (2015): E mantendo a linha de farofas rampeiras pra bater cu no verão temos o Nine Muses com um dos singles de verão mais amados pela fanbase. Eu sei que você já ouviu, já sabe o quão bom é e sabe que merece ser aclamada do jeito que é, então só dá o play de novo e aproveite um dos melhores singles da carreira do Nine Muses.

53. Fei – Fantasy (2016): Esse debut da Fei provavelmente só saiu como forma de segurar a gata na JYP por mais uns anos já que a outra chinesa do miss A (Jia) havia batido perna para a terra natal. E só foi isso mesmo até a Fei não renovar com a JYP 2 anos depois, mas que bom que a Fei conseguiu arrancar esse single no primeiro acordo pois “Fantasy” é uma das piranhagens mais sensuais que o Kpop poderia entregar, servindo um prazer enorme em ouvir a cada reprodução.

54. Luna – Free Somebody (2016): Mais um debut que eu tenho quase certeza que foi pra segurar na empresa e que bom que isso rolou pois “Free Somebody” é um dos melhores house que a SM serviu nessa parceria com o LDN House (E que depois acabou se espalhando pelos grupos mais nugu coreanos). Mas falando sério, a Luna merecia uma discografia tão icônica e memorável servindo vários pop perfection igual essa pérola aqui.

55. Kim Lip – Eclipse (2017): Ei, vocês lembram que o Loona debutou uma garota por mês durante 12 meses antes do debut (E que levou quase 2 anos até terminarem o projeto)? E lembram também que só umas 8 pessoas se importaram com as 5 primeiras gatinhas do grupo até que Kim Lip surgiu e deu uma nova vida para esse pequeno grupo? Pois é, esse é o legado que a maravilhosa “Eclipse” deixou para o Kpop, acabando com suas favoritas e sendo um dos grandes hinos de 2017.

56. IU – Jam Jam (2017): Essa daqui é impressionante como música e mais impressionante ainda por saber quem canta ela. Quem diria que, de irmã mais nova da nação, IU passaria a ser uma jovem adulta entediada que quer um sexo sem compromissso para adoçar momentaneamente a libido dela? E tudo isso numa das músicas menos agudas dela, onde ela sussurra e geme coisas na maior parte do tempo em cima de um synthpop hipnotizante. Um marco na carreira da IU, e só faltou um MV delicioso e cheio de metáforas safadas para completar a obra.

57. Sohee – Hurry Up (feat. BOL4) (2018): Essa daqui eu nem considero como um grande jam de 2018 mas entra nessa lista porque MEU DEUS como eu ouço essa música incessantemente até hoje. O popzinho é bem simples, mas a batidinha do inicio da faixa já me pega de um jeito que me obriga a ouvir a faixa completa, e o refrão com os “hurry up oh nanana” fechando com um “how much do you love me?” são muito chiclete. Pena que ela está fadada a flopar para todo o sempre carregando o ELRIS nas costas, pois não tenho dúvida que a qualidade da carreira solo dela seria daí pra cima.

58. Sunmi – Siren (2018): Temos o mesmo efeito de “Hurry Up” aqui em Siren: A sirene me prende e me deixa curioso em ouvir o resto da música, onde Sunmi se esbalda em um instrumental pop maravilhoso e ela entrega vocais nos quais eu sinto que ela se libertou de todo o mal cantando, especialmente no refrão em que ela chega no seu auge e o “get away out of my face” é simplesmente uma glória. Até agora é a música que eu mais ouvi da carreira solo da ex-Wonder Girls.

59. Chungha – Flourishing (2019): Não é segredo que “Flourishing” é o meu álbum preferido de 2019 na Coreia, e muiro disso é por causa da faixa título que é sensacional. Ela pegou o trap atual que está na moda e canalizou sua melhor Ariana Grande interior para transformar isso aqui num dos melhores pop do ano, algo que a própria Ariana Grande deve ter passado vontade em botar no “Thank u, next” quando ouviu a Chungha arrasando nessa música pela primeira vez.

60. R.Tee x Anda – What You Waiting For (2019): Como essa parte se dedicou em servir farofas para animar o seu fim de semana de quarentena, que tal a gente encerrar aqui com a melhor farofa de 2019? Eu não sei o quão relevante é o R.Tee dentro das produções da YG, mas se ele conseguiu extrair o melhor da Anda nesse pancadão eletrônico glorioso pronto pra bater cabelo e dar aquele close esperto nas boates (Ou no meu quarto, com esses tempos atuais né…), fico imaginando como seria se ele não tivesse que passar pela mão de ferro do Teddy Park/Yang na hora de produzir para os grupos principais da empresa, pois tenho certeza que mais SOTY como “What You Waiting For” viriam para abençoar nossas playlists.

Cortes anteriores

Parte 1 // Parte 2